Zuccardi na Ravin

           Creio que, quase em primeira mão em Junho deste ano, tinha divulgado aqui que a Zuccardi tinha mudado de mala e cuia para a Ravin. Agora tive a felicidade de poder rever o Jose Alberto Zuccardi num agradável almoço no Varanda Grill acompanhado do Rogério D’avila e equipe, com quem trocamos diversas idéias. A Ravin está com um projeto bastante interessante, montando um portfólio bastante diversificado em vários níveis de preços e de origens variadas que deverá alcançar cerca de 200 rótulos que é o que acreditam poder comercializar de forma qualitativa.

Sta Julia 001           Este almoço, no entanto, serviu para conhecermos os projetos da Zuccardi, provar novos rótulos e botar o papo em dia. A família Zuccardi terá três fontes de negócios com a Bodega Sta. Julia, a Série A e a Zuccardi. Provamos rótulos de duas das três bodegas a começar pelo mui agradável Santa Julia Brut um espumante muito bem elaborado e surpreendente, que já comentei aqui no blog pois foi abertura para o nosso último Desafio de Vinhos; o derby Alentejo x Douro, sendo este um projeto especifico do Sebastian, filho de José Alberto.  Para acompanhar a salada e um pedaço de picanha suína servidos como entrada, o Santa Julia Chardonnay Reserva que passa somente seis meses em barricas novas e de segundo uso.  Vinho fácil de se gostar, madeira sutil, saboroso ficando um pouco aquém da carne que provei com o resto do espumante na taça e aí sim, foi uma explosão de sabores. Uma harmonização perfeita que vale você experimentar. Por sinal, este Santa Julia Brut entrará no meu próximo painel especial de espumantes, aguarde. Um vinho que acabou não vindo, mas que certamente também seria uma boa companhia ao lombo, foi o delicioso Serie A Chardonnay/Viognier que tive a oportunidade de provar na Wines of Argentina e gostei muito.

            Um rótulo que não vinha para o Brasil, mas nesta nova fase começa a chegar é o Q Cabernet Sauvignon. Varanda - Bife anchoTomamos o 2006 que ainda se mostra poderoso, nuances tostadas e fruta negra abundante no nariz. Com apenas 5.000kgs por hectare de vinhedos em La Consulta e Tupungato, apresenta bastante extração, taninos ainda firmes, fruta madura, apresentando um frescor bastante interessante que chama a próxima taça. Para acompanhar o vinho, um incrível bife ancho  suculento de textura e ponto impares, digno de acompanhar um vinho deste quilate e mais ainda do que estava por vir, nada mais, nada menos que o Zuccardi Zeta um dos grandes vinhos argentinos na minha opinião. Um vinho que consegue aliar potência com elegância, enorme complexidade e riqueza de sabores que pede tempo para se mostrar em toda sua exuberância. Esta garrafa que  tomamos era da safra de 2005 e, certamente, uma hora a hora e meia de decantação não lhe farão mal algum, vinho de guarda que deve evoluir muito ainda nos próximos quatro a cinco anos. Um corte de Malbec com Tempranillo que, dentro do bom portfolio desta bodega, o que mais me seduz. Talvez esse Serie A Chard/Viognier rivalize, preciso tomá-lo com mais vagar e em condições mais propícias, em minha preferência mas esse Zeta é  efetivamente um vinho muito especial que me encanta e não é de hoje. Quem puder, compre de caixa e vá tomando um por ano só para curtir e descobrir os detalhes de sua evolução.

Malamado 001 Para finalizar, um delicoso Malamado ,que escoltava um saboroso Spumone de Chocolate, e que também nos foi gentilmente presenteado pelos anfitriões, vinho que ainda comentarei em separado, mas que é um vinho de sobremesa muito agradável, elaborado á moda dos Vinhos do Porto.  Nesta linha do Malamado a Zuccardi inovou um pouco mais e desenvolveu o branco extra dry um blend de uvas supermaduras brancas e um Viognier de colheita tardia que me deixaram muito curioso. Afora a chuva torrencial da hora de almoço que atrapalhou um pouco o programa, certamente um almoço bem agradável regado a bons vinhos, boa companhia e bom papo, uma harmonização difícil de bater!

Salute e kanimambo

Ps. Não é á toa que o Varanda Grill foi eleito o melhor restaurante de carne de São Paulo, imperdível esse Bife Ancho.

Wines of Argentina em Seis Destaques

          Para variar com tempo curto para tanta coisa disponível, mas eis as minhas impressões sobre os destaques, a meu ver, dentro aquilo provado.

Wines of Argentina 002Familia Shroeder – importante produtor da Patagônia trazido pela KMM que possui um ótimo Sauvignon Blanc e que apresentou como novidade nesta pequena feira, um espumante diferenciado. No nariz teve gente achando que fosse Chenin Blanc, outros Viognier. Na boca, muito saborosa, balanceada e fresca apostávamos que era Moscatel, o que não é comum na Argentina. Na verdade, um incrivelmente aromático espumante elaborado com TORRONTÉS, pelo método tradicional com perlage fina, abundante e persistente que encanta na boca. Uma opção muito interessante e um espumante a ser conhecido.

Wines of Argentina 003Septima – dois lançamentos desta bodega que pertence à Codorniu e já foi aqui comentada, tendo uma linha de bons vinhos importada pelos amigos da Interfood. Das novidades, um Pinot Noir interessante, mas o que mais me chamou a atenção foi o Septimo Dia Chardonnay 2008 que se apresentou diferente do 2007 que já tinha provado. Os aromas estão mais delicados, sem grande intensidade, na boca mostra-se muito elegante mais fresco e com menos presença de madeira do que o da safra de 2007, um caldo cativante e bem equilibrado em que a madeira serve de apoio á fruta ressaltando os sabores e não os abafando. Muito bom.

Wines of Argentina 011Zuccardi – com sua nova importadora no Brasil, a Ravin, apresentou sua boa linha “Serie A” e, apesar da foto horrível, provei este Chardonnay/Viognier muito gostoso e sedutor com toques de frutos brancos e pêssego em contraponto ao abacaxi e alguma leve baunilha advinda do Chardonnay formando um conjunto de boa complexidade, corpo médio, mostrando um ótimo frescor e um mineral cativante. Um dos bons vinhos brancos disponíveis no mercado que pode tanto acompanhar entradas com frutos do mar, saladas com queijo de cabra, peixe ou até carnes brancas. Eu arriscaria com um Peru à Califórnia ou, quem sabe, uma costelinha de porco na brasa!

Wines of Argentina 001Famiglia Bianchi – um dos tradicionais produtores argentinos importado pela Mr. Man. Seu Cabermet Sauvignon é campeão e um dos que mais gosto neste país mais conhecido por seus Malbecs. Este, da ótima safra de 2005, só vem confirmar a classe deste rótulo de médio corpo para encorpado, taninos finos e aveludados, rico, algo terroso e especiado, harmônico com um final agradável e saboroso de boa persistência, um belo vinho que me agrada sobremaneira.

Wines of Argentina 007Pascual Toso – Faltei a uma degustação para a qual tinha sido convidado e, portanto, fiz questão de me demorar um pouco mais por aqui até porque a simpática e bonita presença de Maria Laura assim o exigia. Uma boa decisão já que revi seu gostoso Sauvignon Blanc que já recomendei aqui no painel de brancos em Março deste ano e conheci a linha inteira de muito bons vinhos dos quais destaquei três. Gostei muito do Pascual Toso varietal Malbec 2008, um vinho muito agradável, equilibrado, redondo e fácil de agradar, ainda por cima com um ótimo preço. Muito bom o Malbec Reserva também 2008 com aromas especiados e toques florais (violeta?) que, apesar de ainda muito novo, apresenta taninos muito finos, aveludados algo firmes ainda, mostrando ótimo volume de boca, grande riqueza de sabores, boa estrutura e boa acidez.

          Uma menção honrosa ao Malbec Alta Reserva 2007, mas o vinho que mais me encantou foi mesmo o Fincas Pedregal Single Vineyard 2005, um vinho vibrante corte de Malbec com Cabernet Sauvignon que possui uma entrada de boca sedutora e impactante com grande elegância e finesse, complexo, harmônico, um grande vinho que, por cerca de R$135,00 é um achado que certamente ainda poderá ser apreciado por mais três ou quatro anos, mas que já está absolutamente delicioso com um final de longa persistência. Um senhor vinho de muita classe.

Wines of Argentina 008Melipal – Estava com a Wine Company, onde permanecerá até ao final do ano, mas busca novo importador. Uma bodega que acredito não terá problemas para encontrar outro bom canal, porque seus vinhos são muito saborosos, a começar por sua linha básica Ikella, mas é na linha Melipal que eles mostram toda a sua categoria. Em Março quando fiz o painel de Brancos & Rosés, destaquei seu Rosé como um dos melhores na Argentina, muito rico, saboroso e fresco com gosto de vinho e não suco de frutas. A razão por isso é que colhem uma parte das uvas mais cedo, preservando a acidez, e o restante deixam madurar no pé por mais uns 30 dias para obter a fruta que desejam e aí fazem a mescla das colheitas resultando nesse vinho delicioso que acompanha muito bem lombo agridoce e paella valenciana. Seu Melipal Malbec 2007, com apenas seis meses de garrafa, ainda está um pouco duro, mas tradicionalmente é macio, rico, com taninos finos e aveludados, carnoso, médio corpo, boa textura, muito equilibrado e um longo e saboroso final de boca com alguma mineralidade. Um dos meus malbecs preferidos.

           Pela primeira vez provei o Reserva, este da Safra 2006, que é um vinho elaborado com vinhas de mais de 80 anos com uma produção de apenas cerca de 500grs por planta, mostrando grande concentração. Setenta por cento do caldo passa por barricas francesas novas por 18 meses e é um vinho na linha dos grandes e encorpados malbecs argentinos, porém com um toque de elegância, acidez e equilíbrio que demonstram enorme potencial. Não é, a meu ver e para o meu gosto, um vinho para se abrir agora, e sim um vinho de guarda, para se tomar dentro de mais uns três ou quatro anos pelo menos ou, eventualmente, tomá-lo agora, porém após pelo menos uma hora e meia de decanter. Vinhos ótimos e a simpática presença de Santiago Santamaria fizeram o fechamento desta minha breve, intensa e muito agradável visita aos vinhos argentinos.

          Provei alguns outros rótulos, outros fiquei sem provar, mas nada mais que pudesse efetivamente destacar. Como disse em entrevista ao Didu, tremo só de o ver chegar com aquela pequena “derringer” que ele chama de câmera, os vinhos argentinos estão com uma tendência a serem meio  que monocromáticos, com muita extração, muita fruta, muito álcool, muito tudo, muito iguais! Algo que os produtores devessem, talvez, rever já que os consumidores mundialmente começam a mostrar cansaço com essa receita. Enfim, enquanto existirem compradores para esse estilo creio que ainda veremos muito desses vinhos por aqui e, na crise mundial, o pessoal anda mais condescendente ajustando o vinho ao bolso. Ainda bem que existem vinhos e produtores como estes acima!

Salute e kanimambo

Noticias do Mundo do Vinho

Fazia um tempinho que não postava aos Domingos, mas hoje tenho algumas noticias coletadas que achei legal compartilhar com os amigos:

Lançamentos:

Diversos 037Marco Luigi – Nesta última sexta-feira já dei como dica da Semana, mas como me surpreendeu muitíssimo, tenho que dar-lhe destaque. Um bom e diferente Malbec, desta feita de nosso Vale dos Vinhedos. Marco Luigi Malbec Reserva 2007, uma produção cuidadosa e bem elaborada de um vinho derivado de uma uva que fez a fama de nossos hermanos e que, só por isso, já seria uma temeridade. Um belo vinho, frutado e fresco, saboroso, rico, sem excessos de extração e tentativa de copiar ninguém, mostrando um estilo muito próprio, sedoso, equilibrado e fino, álcool civilizado com apenas 12% e um preço bem camarada (abaixo de R$30,00) mostrando que botar a culpa nos impostos pelos altos preços praticados por uma série de produtores nacionais, é estória para boi dormir. Tiro o chapéu para os amigos da Marco Luigi, mais um tiro certeiro. Um lançamento para você conferir.

Zuccardi – O Sebastían Guichón nos avisa direto da renomada bodega mendocina, que a nova linha de produtos Alambrado (http://falandodevinhos.wordpress.com/2009/06/28/noticias-do-mundo-do-vinho-22/) vem agora com um novo espumante Alambrado Extra Brut elaborado pelo método tradicional com 14 meses de repouso sobreZuccardi - VIDA ORGANICA - malbec 2009 leveduras secas selecionadas. Com isto, a linha já completa três rótulos, sendo os outros um Malbec e Cabernet Sauvignon. Gosto do espumante Santa Julia e, certamente, este deverá estar um degrau acima o que me aguça a curiosidade.

          Ainda na Zuccardi, a mudança gradual de toda a linha de brancos e rosés para garrafas screw cap que tem apresentado ótimos resultados ao melhor manter as características frutadas e frescor destes vinhos inclusive no seu mais novo rótulo nesta linha, o Santa Julia Doce Natural elaborado com Chenin Blanc.

          Também a confirmação de que já passam de 200 hectares os vinhedos orgânicos devidamente certificados. Nos seus vinhos Vida Orgánica, uma repaginação de identidade com mudança de rótulo. Nunca vi por aqui! Talvez uma dica para os amigos que viajam à Argentina trazerem de viajem para prova e, se me convidarem …….

Casa do Porto –  informa que o ícone chileno ERASMO 2004, vinho que obteve 93 pontos no guia Descorchados e o titulo de melhor corte tinto, já está disponível.  Elaborado com um blend de Cabernet Sauvignon e Merlot com um toque de Cabernet Franc,  na região de Maule. Possuem também as safras 2001, 2002, 2003 e 2005, tendo esta útlima obtido 91 pontos do Robert Parker e 90 da Wine Spectator. Tantos as safras de 2004 como 2005 estão abaixo de R$100,00. Não conheço, mas falam muito bem então vale conferir.

Interfood – anuncia chegada do premiado Septima Gran Reserva 2006, medalha de ouro no Argentina Wine Awards 2009, que estava em falta. Tive o prazer de provar (http://falandodevinhos.wordpress.com/2009/01/07/septima/) o 2005 no final do ano passado e demonstrou ser um vinho de guarda com grande potencial. Por um preço de R$82,00 é uma barbada e pela longevidade do vinho, creio que é uma ótima opção de compra por caixa, já que os preços são negociáveis para compras de maior volume, nem que seja para rachar com os amigos. Aproveitando o ensejo, confira o Septimo Dia Cabernet Sauvignon, um belo vinho que só vem confirmar a boa forma dos Cabernets argentinos.

 

Resumo Decanter Magazine:

Chile dá show no Decanter World Wine Awards – entre 10.285 rótulos de 224o produtores do mundo inteiro, diversos foram os chilenos a brilhar. Vejam alguns:

  • Melhor Sauvignon Blanc acima de 10 Libras, Undurraga TH 2008 do Vale de San Antonio.
  • Melhor Riesling abaixo de 10 Libras, Cono Sur Reserva 2008
  • Melhor Pinot Noir abaixo de 10 Libras, Santa helena Pinot Noir
  • Melhor varietal de Bordeaux, Indomita Reserva Cabernet Sauvignon 2007.

Se quiser ver os resultados e saber mais sobre o evento, clique aqui

Bourgogne e Bordeaux anunciam uma safra de 2009 extraordinária. Marketing para levantar preços num mercado difícil de retomar a normalidade, ou será vero? Não  vai ter jeito, vamos ter que esperar para conferir, porém se for, será o ano para comprar os segundos vinhos dos grandes produtores e os dos pequenos chateaus com preços mais acessíveis e muito boa qualidade como foi a safra de 2005. Aliás, o Desafio de Vinhos de Bordeux e o Garimpando Bordeaux, são dois posts com provas de uma série de rótulos de 2005 abaixo de R$100 que só vêm comprovar essa tese.

1ª grande Feira Argentina em Londres. No próximo fim de semana, mais precisamente no dia 12, uma grande festa Argentina direcionada ao publico consumidor. Mais de 40 produtores e 200 rótulos serão dados a degustar, gastronomia, shows e aulas de tango, um Sábado diferente que, por 30 libras, vale muito a pena. Alguns produtores são imperdíveis; Pascual Toso, Achaval Ferrer, Alta Vista, Luigi Bosca, Zuccardi, Catena Zapata, Familia Schroeder entre outros. Para mais informações, clique aqui.

Champagne reduzirá produção em até 40% nesta safra de 2009. É uma tentativa de segurar preços e nivelar a oferta com a demanda, já que as vendas caíram 45% em valor!

 

Diversos:

Porto Ferreira “Duque de Bragança” Tawny 20 Anos recebe o Tawny Port Trophy.  Eleito o melhor de entre todos os vinhos do Porto Tawny que participaram no International Wine Challenge 2009, arrecadando o premio máximo da categoria tawny. O cobiçado troféu foi recebido por Salvador Guedes, Presidente do Conselho de Administração da Sogrape Vinhos, na cerimónia oficial que decorreu ontem (3/09) em Londres.

         Porto Ferreira “Duque de Bragança” Tawny 20 Anos continua a arrecadar prémios nas mais prestigiadas competições nacionais e internacionais, algo que se vai transformando numa tradição de que a Sogrape Vinhos muito se orgulha. Para além deste “Tawny Port Trophy” do IWC (Reino Unido), Porto Ferreira 20 Anos recebeu também uma medalha de ouro no mesmo concurso. Em 2009, merecem ainda particular destaque as medalhas de ouro recebidas no “Vinalies Internationales” (França), no “Decanter World Wine Awards” (RU) e em Portugal, no “Concurso Nacional de Vinhos Engarrafados”.

        “Porto Ferreira 20 Anos é um vinho excepcional, um símbolo da excelência da marca Ferreira na criação de vinhos do Porto Tawny velhos. Com um perfil único de grande elegância, complexidade e frescura, Porto Ferreira 20 Anos é um dos vinhos mais reconhecidos e celebrados no mundo,” refere Francisco Ferreira, Administrador da Sogrape Vinhos. Mais um para meu Wish List que não pára de crescer! (Fonte:Infovini)

Desafio de Vinhos de Setembro. Neste mês, os já tradicionais Desafios de Vinho em que uma banca de 13 a 15 degustadores escolhe às cegas o Melhor Vinho, o Melhor Custo x Beneficio e a Melhor Compra, terá a difícil tarefa de o fazer num embate de vinhos de 11 países diferentes. Este Desafio trará, frente a frente, as Uvas Ícones de cada País. Já se encontram definidos os seguintes participantes, rótulos em torno de R$100,00:

  • Tannat – Uruguai – Abraxas 2002 – Produtor e importador Dominio Cassis – R$100
  • Carmenére – Chile – Ochotierras Gran Reserva 2005 – Importador Brasart – R$85
  • Tempranillo – Espanha – Sierra Cantabria Crianza – Importador Peninsula – R$109
  • Pinotage – África do Sul – Morkell Pinotage PK – Importador D’Olivino (sujeito a confirmação)
  • Merlot – Brasil – Valduga Storia 2005 – R$105 (colaboração do Portal dos Vinhos)
  • Touriga Nacional – Portugal – Quinta Mendes Pereira Touriga Nacional Reserva 2005 – Importador Malbec do Brasil
  • Shiraz – Austrália – Bridgewater Mill Adelaide Hills 2005 – Importador Wine Society

Ainda estou finalizando a seleção dos demais concorrentes, porém em mais uma semana já terei essa lista pronta e o local do embate confirmado. Aguardem e, enquanto isso, curtam um pouco do resultados dos outros seis embates clicando aqui do lado em Desafio de Vinhos.

Salute e kanimambo.

Noticias do Mundo do Vinho

Wine globe 3Destaque para a iniciativa do governo de Santa Catarina, que baixou o ICMS sobre vinhos de 25% para 3%. Conversas políticas e promessas que nunca se realizam já não tem mais lugar, produtores e consumidores já se cansaram disso. Precisamos de ações que realmente trabalhem pelo Vinho Brasileiro. Esta é uma ação digna de nota e que deve ser copiada, porque realmente funciona no incentivo à produção e consumo de vinhos. Chega de buscar proteção com efeitos colaterais danosos aos pequenos produtores e consumidores, esta é a saída!

                Quem sabe o pessoal do Rio Grande do Sul não se inspira? Aproveitando que os governos de lá e de São Paulo são do mesmo partido, porque não fomentar acordos que evitem a oneração tributária como acabarem com essa tenebrosa ST possibilitando que os vinhos gaúchos cheguem ao mercado de maior consumo no Brasil a preços mais acessíveis?! Falta de vontade política, puro descaso ou mera falta de visão e eficiência? (fonte: Academia do Vinho)

 

Vinho Paulista de Colheita de Inverno, esta deu no caderno agrícola do jornal Estado de São Paulo no último dia 1 de Julho. São estes sendo desenvolvidos em Jundiaí  e Louveira onde as variedades de mesa começam a ceder espaço para as víniferas Merlot e Syrah. Esse manejo de inverno que se iniciou com um projeto em Três Corações (Minas Gerais) com a primeira colheita em 2006, já possui cerca de 100 hectares de vinhas de Syrah plantadas, cepa que melhor se adaptou à região. Esse manejo de inverno consiste em fazer podas diferenciadas em Agosto (poda de formação) e Fevereiro (poda de frutificação) alterando o ciclo vegetativo da planta para que ela venha a frutificar no outono  e colhida no inverno quando os dias são ensolarados e as noites frias sem chuva na colheita. De Minas vamos ter os primeiros vinhos em 2010, de Jundiai um pouco mais tarde. Vai dar certo? Não sei, mas produzir no Nordeste também não dava e deu no que deu.

 

Promoção Inverno SorioEmporio Sorio, mais uma dica do que verdadeiramente uma noticia.  Que sou fã de seus vinhos, creio que não é surpresa para nenhum dos amigos que clicam por aqui com certa assiduidade, mas agora existe mais uma razão para sorver de seus saborosos vinhos, o fato de que parte seu faturamento irá para uma causa nobre que é a campanha do agasalho neste frio inverno e você anda ganha um cachecol. Gostei da ação e recomendo, eis a forma adequada de juntar o útil ao agradável. Clique aqui para mais detalhes.

 

Pizzato lança vinhos da safra de 2005. A Pizatto informa que chegam ao mercado o CONCENTUS e o PIZZATO TANNAT da safra de 2005 que, segundo o enólogo Flavio Pizzato, trata-se da melhor safra para o conjunto de vinhos brasileiros, superando a de 1999 por conta da melhoria geral da viti-vinicultura do País.

Concentus 2005_O CONCENTUS 2005 é a terceira safra de um dos vinhos mais estruturados da PIZZATO. Elaborado com uvas Merlot (45%), Tannat (35%) e Cabernet Sauvignon (20%) e com uma produção de 8 mil garrafas, todas numeradas, em lote único, com Indicação de Procedência Vale dos Vinhedos. O vinho foi amadurecido por sete meses em barris de carvalho, sendo 50% em barris de carvalho francês novo e 50% em barris de carvalho americano e período em garrafa para amadurecimento. Apresenta coloração rubi violácea intensa e aromas de frutas vermelhas maduras, geléia de frutas vermelhas, especiarias, bosque molhado, coco torrado, café e ameixas secas. Na boca é encorpado, de boa persistência e equilíbrio, com retrogosto prolongado com traços de especiarias, ameixas e coco torrado. Harmoniza-se perfeitamente com pratos mais estruturados, à base de funghi, carnes vermelhas, suínas, de peru, aves de caça, como perdiz e codorna, grelhados, queijos secos e pratos medianamente temperados em geral. É recomendado degustá-lo a temperatura de serviço entre 17 °C e 19 °C. Graduação alcoólica: 13,0%. Preço médio: R$ 50,00

PIZZATO Reserva Tannat 2005, a nova safra chega ao mercado com novo rótulo, acompanhando a recente mudança da identidade visual dos vinhos da marca, na busca de mais harmonia entre os rótulos da linha Reserva e o Top Pizatto Tannat Reserva 2005CONCENTUS. Em sua terceira safra, o Reserva Tannat vêm de uvas dos primeiros vinhedos implantados em espaldeiras em forma de lira (vertical) na Serra Gaúcha, com videiras de 23 anos de idade, e produção média de 2,5 kg/videira. Para a safra 2005 foram elaboradas 7 mil garrafas, numeradas, em lote único, com Indicação de Procedência Vale dos Vinhedos. O vinho passou por amadurecimento de seis meses em barricas de carvalho americano (70%) e período engarrafado. De cor intensa, vermelho escuro com tons violáceos à púrpura, mostra aromas de frutas escuras maduras, geléias, cacau, baunilha, torrefação, couro e terra. Na boca é potente, de bom corpo e estrutura, taninos finos, retrogosto rico e persistente. Harmoniza com carnes de caça, queijos fortes, carnes gordurosas e feijoada. Graduação alcoólica: 13,3 %. Preço médio: R$ 37,00.

 

festiqueijo20 ª FESTIQUEIJO. Festival na Serra Gaúcha Propicia o Encontro do Ponto Alto da Gastronomia do Outono-Inverno: Queijos e Vinhos. A temperatura começa a cair e logo se pensa com mais freqüência em um bom vinho e um bom espumante unidos a uma excelente gastronomia. O festival, em Carlos Barbosa, iniciou-se no último dia 2 e segue até 26 de Julho, nos finais de semana. Já uma tradição na região, assim como a participação da Vinícola Garibaldi que participa desde a primeira edição do Festiqueijo. Nesta vigésima edição a cooperativa marcará presença em seu estande individual, estrategicamente localizado na entrada do Festiqueijo, apresentando o vinho tinto Chalet Du Clermont (assemblage de Cabernet Sauvignon e Merlot) o Espumante Moscatel, o Espumante Brut Premium, o Gotas de Cristal Branco, o Vinho di Bartolo tinto suave e o suco de uva Precioso, ambos, produtos que harmonizam perfeitamente com os mais variados queijos e culinária italiana, que marcam o maior festival gastronômico da Serra Gaúcha.

 

Zuccardi azeite Manzanilla 2009Azeites da família Zuccardi. Mais conhecida por seus vinhos, seus azeites seguem ganhando destaque internacional. Desta feita com mais um varietal, Manzanilla,  levando terceiro lugar na categoria “frutado médio” num dos principais concursos de azeite no mundo, o 11º Concurso Internacional de Azeites de Oliva -“L’Orciolo D’Oro” 2009 realizado em Pesaro e Urbino na Itália. No ano passado essa distinção tinha sido ganha pelo varietal de Arauco, o que vem demonstrar que a Zuccardi tem um portfólio de azeites que vale realmente a pena conhecer.

 

ExAequo, mais um lançamento da Quinta do Monte D’Oiro renomado produtor da CVR Lisboa. Sou um apaixonado pelo Quinta do Monte d’Oiro Reserva 04 (corte de Syrah e Viognier) que o ano passado teve lugar de destaque em meus “Deuses do Olimpo 2008”. Desta feita, pelos comentários de Robert Parker, mais um blockbuster sendo colocado no mercado. De acordo com o ainda todo poderoso e conceituado crítico de vinhos norte-americano que o classificou com 90-95 pontos (Outstanding)  em amostra de barrica descrevendo-o assim: “cor púrpura rubi profunda, no palato é encorpado soberbamente delineado, poderoso mas verdadeiramente suave, envolvendo desde o início até ao final. Frutos silvestres, ameixa e cassis, com um final natural e muito destacado. Lascivo (sensual ou libidinoso). Soberbo. Beber 2010-2016”. Eheheh, minha “wish list’ não pára de crescer! (fonte: CVR Lisboa)

 

IV Concurso de Vinhos da Península de Setúbal – O vinho “Só Touriga Nacional 2006” da Bacalhôa Vinhos de Portugal, conquistou o título de Melhor Vinho Tinto no IX Concurso de Vinhos da Península de Setúbal 2009, que decorreu no dia 2 de Julho, na Quinta do Anjo (Palmela). “Só” na sua distinção, este vinho alcançou, também, a medalha de ouro. Caracterizado por ser um tinto vinificado exclusivamente com a casta Touriga Nacional no seio da Serra da Arrábida, este vinho apresenta-se com uma cor vermelha muito profunda, com notas florais campestres e de fruta encarnada madura que lhe conferem uma estrutura elegante e distinta. Estou com uma garrafa do 2005 na adega e logo/logo o tomarei, mas o 2003 também estava ótimo. È um dos muito bons vinhos desta casta e lá vale uns 10 euros. É importado pela Portuscale e custa aqui algo próximo a R$120,00. (fonte: Infovini)

 

Miolo lança onze vinhos, dois inéditos, em evento para poucos realizado em Bento Gonçalves. A Miolo Wine Quinta Castas 05 (2)Group realizou nos dias 3 e 4 de julho, no Hotel & Spa do Vinho Caudalie,  em Bento Gonçalves, seu principal evento de vinhos do ano. Os produtos foram apresentados pelo winemaker internacional Michel Rolland, um dos mais prestigiados enólogos do mundo e consultor da Miolo desde 2003. Os convidados conheceram 11 lançamentos previstos para chegarem ao mercado este ano. Um dos principais destaques foi a apresentação do Sesmarias 2008, vinho que chega ao mercado em 2010, para se tornar o ícone do projeto Fortaleza do Seival, na Campanha Gaúcha. “A Miolo se propôs a investir na qualidade e o trabalho desenvolvido em parceria com Rolland consolidou a vocação da empresa de elaborar vinhos finos de categoria superior, com a expressão do terroir de cada região”, afirmou o diretor técnico da Vinícola Miolo, Adriano Miolo.

  • Com produção limitada a não mais de cinco mil garrafas, o Sesmarias resulta de um corte de seis variedades de uva tinta, de parcelas com produtividade de 4 toneladas por hectare. É elaborado a partir do processo de fermentação integral em barrica, utilizado nos grandes chateaux da França. As uvas selecionadas são lentamente desengaçadas e as bagas inteiras permanecem durante uma semana em maceração pré-fermentativa a frio. A fermentação alcoólica dura em torno de 1 a 2 semanas. O tempo total de maceração é de 30 a 45 dias, com a fermentação malolática a acontecer nas películas. O vinho envelhece 18 meses em barricas novas de carvalho francês. O Sesmarias chega ao mercado em 2010 e a comercialização se dará  “en Primeur” que determina a reserva prévia dos produtos antes mesmo deles chegarem ao mercado.  Ou seja, neste caso totalmente no escuro, os interessados terão que desembolsar antecipadamente e esperar que o mesmo chegue em algum momento do ano que vem. Para quem pode e sabe o que faz, o que não é meu caso.
  • RAR pinot noirO outro vinho inédito é o RAR Collezione Pinot Noir 2008. Após alguns anos de estudo, os enólogos da Miolo Wine Group perceberam que a uva Pinot Noir cultivada na região dos Campos de Cima da Serra, local onde localizam-se os vinhedos do empresário Raul Anselmo Randon, expressa o máximo do terroir da região. A constatação levou a empresa apostar na elaboração deste RAR Collezione Pinot Noir 2008. Envelhecido durante um ano em barricas novas de carvalho francês. “Elaboramos um vinho com características do velho mundo”, afirma o diretor técnico da MWG, Adriano Miolo. A região dos Campos de Cima da Serra é uma das mais frias e mais altas do Brasil, com 1.000 metros de altitude. Atualmente, são produzidos 200 mil litros em 50 hectares, mas a estimativa é chegar a 1,5 milhão de litros em 2018, em 200 hectares. Pelo fato de a empresa não ter uma vinícola instalada nos Campos de Cima da Serra, as uvas são colhidas e seguem para cantina da Miolo, no Vale dos Vinhedos.Este me deixou mais curioso.
  • Os outros nove vinhos são as novas safras de vinhos já conhecidos como: RAR safra 2005, Lote 43 safra 2005, Miolo Merlot Terroir safra 2008, Lovara Chardonnay 2008, Lovara Merlot 2008 e Lovara Cabernet 2008 com nova imagem, Quinta do Seival Castas Portuguesas 2005 entre outros.

Salute e kanimambo

Noticias do Mundo do Vinho

Zuccardi, Novos Produtos e Novo Importador. A  Zuccardi, Zuccardi ALAMBRADO malbec 08conhecida vinícola argentina produtora dos vinhos Sta. Julia e o maravilhoso Zeta entre outros ótimos vinhos, aproveitou a Vinexpo para lançar seu novo rótulo ALAMBRADO ainda sem data para chegar ao Brasil. A linha será composta por um Malbec, um Cabernet Sauvignon e um espumante elaborado pelo método tradicional. O que já tem data para chegar, provavelmente em Agosto, será o Sta. Julia Reserva Tempranillo recentemente premiado com medalha de ouro no International Wine Challenge.

         Paralelamente, informa que seu novo representante e importador exclusivo é a  Ravin, empresa jovem porém de gente experiente no mercado com planos de dar uma dinâmica diferente à linha de vinhos da Zuccardi. A linha Fuzion, um dos melhores custo x beneficio do mercado, deverá voltar ao mercado em 2010 conforme me informa a Viviane direto da Vinexpo.

 

VinhoFest II em BHboa noticia para os amigos mineiros. Querendo repetir o sucesso da primeira edição o ano passado, mais uma vez Belo Horizonte será palco de um grande evento viníco na cidade. Afora a mostra de vinhos em si, mais de 350 vinhos, alguns dos principais restaurantes da cidade, também estarão participando com um Festival de Harmonização. Prepare seu coração e taça, a mostra começa agora dia 2 de Julho.

 VinhoFest II

 

CVR Lisboa ganha 10 medalhas.  Em 2009, o Decanter World Wine Awards foi a competição que mais entradas teve em comparação com os outros concursos, reforçando assim a sua posição do maior concurso de cvr-lisboavinhos do Mundo.

Nesta competição concorreram 10.285 vinhos, o dobro desde há seis anos atrás, data do lançamento da competição. A Região de Lisboa alcançou 10 prémios, desta vez 10 medalhas de Bronze atribuídas aos seguintes produtores da Região: Casa Santos Lima, Companhia Agrícola do Sanguinhal, DFJ – Vinhos e Enorport. Fonte: Wine Essência do Vinho.

 

Villaggio Grando – Fiquem de olho e acessem o site – www.villaggiogrando.com.br  – para ver as novidades desta importante vinícola da Serra Catarinense. Para aqueles que não sabem onde comprar seus bons vinhos, agora existirá a possibilidade de compras on-line. Vale conferir!

 Villaggio teaser

 

Novo DOCG italiana confirmada para Prosecco. “Conegliano Valdobbiadene Prosecco Superiore” será a denominação impressa nas garrafas de Prosecco produzidas nesta região coberta por 15 comunas onde 160 produtores terão a honra de ostentar esta marca a partir do ano que vem. Mais nove comunas poderão fazer uso da denominação DOC e o restante estará proibido de afixar o nome Prosecco em seus rótulos, devendo usar o nome Glera, um outro nome pela qual esta cepa é conhecida na Itália. Fonte: Drink Business

 

Vinhas da Ira Fatura Ouro no Concours de Bruxelles. Os vinhos de Henrique Uva/Herdade da Mingorra (www.mingorra.com), no mercado desde 2004, logo conquistaram a preferência de público e crítica exigentes. A atestá-lo estão os 74 prémios entretanto conquistados em prestigiados concursos nacionais e internacionais.

Vinhas da IraRecentemente, no Palácio da Bolsa, no Porto, o vinho tinto regional alentejano Vinhas da Ira foi eleito o segundo melhor de Portugal, na prova internacional “Top Ten Vinhos Portugueses”. Esta distinção aos vinhos de Henrique Uva/Herdade da Mingorra vem juntar-se a muitas outras, recebidas no International Wine Challenge, no Challenge International du Vin e no concurso da Confraria dos Enófilos do Alentejo, “Os Melhores Vinhos do Alentejo”, onde o vinho rosé ganhou a Talha de Ouro – 1.º Prémio – da colheita de 2008.

Agora, no Concurso Mundial de Bruxelas “CMB 2009″, entre mais de 6 mil vinhos provenientes de 54 países, perante 250 provadores profissionais oriundos de 41 países, a Henrique Uva/Herdade da Mingorra conquistou três medalhas, uma de ouro e duas de prata, a que se juntam pontuações elevadíssimas, na senda do que tem obtido em anos anteriores neste concurso mundial. Os vinhos de Henrique Uva estão disponíveis no Brasil através da Lusitana de Vinhos e Azeites. Para ler a noticia completa, clique em http://www.revistabluewine.com/php/premios.php?id=113.

 

Sinal dos Tempos, China Compra Bordeaux. Tá, não é tanto assim, mas que a compra do Chateau Richelieu pelo grupo de produtos de luxo, HongKong A&A International, mexe com as emoções dos mais tradicionalistas, lá isso não restam dúvidas. O quanto um dos mais antigos Chateaus da região de Fronsac, a alguns quilômetros de Saint Emilion, com mais de 1250 anos de história pode mudar ao ser assumido por gente de cultura e tradição tão diferentes, saberemos mais para a frente, mas que é um sinal dos tempos lá isso é! O negócio, estimado em cerca de três milhões de Euros pela propriedade de 15 hectares, seguirá tendo á frente do seu gerenciamento operacional a presente equipe sob a batuta do holandês e sócio Arjen Pen, enquanto os chineses assumirão todos os aspectos comerciais da operação incluindo a distribuição no mercado asiático, em especial o chinês. Vendas de vinhos de Bordeuax na China creceram 36% no ano passado versus o crescimento médio do setor na região, de 15%. Fonte: Revista Decanter.

Salute kanimambo.

Noticias do Mundo do Vinho

malamado-malbecDa Zuccardi, noticias de mais um prêmio desta feita com seu MALAMADO Malbec 2004 que, de mal amado não tem é nada e nem teve seu nome derivado de uma potencial dor de cotovelo! O nome advém de “MALbec A MAneira DO porto” e é isso que o vinho é. Um vinho tinto, doce, fortificado seguindo-se o processo de elaboração dos Vinhos do Porto, em que a fermentação é interrompida através da adição de álcool viníco dando-lhe características únicas.

O prêmio, Medalla de Ouro no V Concurso Mundial de Vinos Malbec al Mundo, que tevo lugar em Mendoza entre os dias 10 e 14 de Novembro ultimo. Foi também o único vinho fortificado a receber uma premiação neste certame, entre mais de 230 amostras apresentadas. Conheço o vinho e é realmente muito saboroso, podendo ser apreciado solo, mas acompanha muito bem sobremesas à base de chocolate. Têm um branco também, mas esse não tive o prazer de provar ainda. Para quem se interessar, a importação e distribuição é da Expand.

 

Casa Valduga possui um interessante projeto internacional de produção de vinhos elaborados com cepas emblemáticas de diversos países, elaborados em seus países de mundus-csorigem, é a linha MUNDVS. De acordo com Juciane Casagrande, diretora comercial da empresa, a proposta não é importar vinhos e sim reunir o melhor terroir de outros países com a competência de uma das principais vinícolas nacionais. “Trata-se de uma linha internacional, mas com assinatura e estilo brasileiro”. Esse estilo brasileiro é estampado nos vinhos através do enólogo Eduardo Valduga e equipe, que são responsávis pela elaboração dos vinhos, para garantir a qualidade e as características dos produtos Valduga, sendo feito um acompanhamento cuidadoso desde a seleção do vinhedo até a colheita, vinificação e engarrafamento do rótulo. Já começaram com Argentina, de onde trazem três vinhos, e em breve chega o primeiro dos vinhos elaborados no Chile, havendo, ainda, planos de novos rótulos elaborados na África do Sul, Portugal, Itália e Austrália.

         Eis os rótulos já disponíveis no mercado: Mundvs Argentina Malbec Gran Reserva 2005, Mundvs Argentina Malbec 2006 e Mundvs Argentina Cabernet Sauvignon Gran Reserva 2005.

 

Domno do Brasil, nasce um novo produto,r e um novo projeto da Família Valduga, aproveitando a vocação brasileira para espumantes de primeiro nível. É, com uma linha de espumantes, a .Nero, que a empresa faz seu debu no mercado nacional lançando suas versões Moscatel (estou com uma garrafa aqui para prova que depois comentarei) e Brut.  Na taça, o Brut chama atenção pelo paladar fresco e persistência de seu sabor, num delicioso corte de Chardonnay 60%, Pinot Noir 30% e Riesling 10%. Já a Moscatel, traz aquela delicada doçura da uva moscato perfeita para adoçar a boca no final da noite. Para acompanhar os doces natalinos não tem combinação melhor.

    nero_brut        O objetivo da empresa é criar espumantes com um conceito despojado e moderno, para consumo em momentos de descontração, pensando no brinde do dia-a-dia. Com o lançamento da .Nero na prática garrafa de 187 ml, quantidade ideal para duas doses, a marca conquistará ainda mais rápido o seu espaço nas baladas, festas a beira da piscina, almoços de verão e em momentos de informalidade. Essa garrafinha agrada cada vez mais por ser a ideal para quebrar a formalidade do consumo dos espumantes, ainda considerada, por muitos brasileiros, bebida para ser tomada em ocasiões especiais. O desejo da Domno é que a .Nero torne todos os momentos especiais. As garrafas de .Nero podem ser encontradas em boas lojas de bebidas em torno de R$ 13 as de 187ml e R$ 25 as de 750ml

A nova empresa, Domno do Brasil, criada em Agosto de 08, vai produzir ainda, novas linhas de espumantes além da comercializar a atual linha Alto Vale, adquirida da Famiglia Valduga. Mantendo o padrão de qualidade do grupo, os espumantes Alto Vale passam, agora, a ser produzidos nas instalações da Domno, pelo processo charmat longo, imprimindo ao produto mais leveza e frescor. A linha Alto Vale apresenta os espumantes Brut e Demi-sec feitas de 50% chardonnay, 20% pinot Noir e 30% riesling Itálico, ambos com a mesma composição, com diferente graduação de açúcar residual no vinho. O espumante Demi-sec é mais suave. Pata contato, http://www.domno.com.br e telefone (54) – 3462 3965   

 

RJ Viñedos, ou Joffré para os íntimos. rsrs Não que o seja, mas tive a oportunidade de conhecer o fundador e presidente da empresa, o Sr. Raul Joffré em uma degustação já faz algum tempo. Me encantou sua paixão por seu projeto, seus vinhos e, especialmente, por suas filhas, de onde sai a inspiração para estes vinhos Pasión 4. É com prazer que divulgo mais esta conquista deles em terreno internacional e recomendo seus vinhos, especificamente estes rótulos, que tive a oportunidade de provar e me causaram muito boa impressão e o preço, se me recordo bem, era justo. O importador é a Fasano.

pasion-4