Curiosidades

Portugal, Quantas Razões Para a Visitar!

Não é de hoje que Portugal é cobiçado, seja por sua privilegiada localização geográfica, seja por sua riqueza cultural ou por seus vinhos e azeites de fama internacional desde os tempos dos romanos, visigodos e mouros. Hoje são os turistas que estão descobrindo as riquezas lusas.

clip-jornalA par dos grandes néctares engarrafados, a gastronomia é também algo que faz despertar os sentidos mais apurados dos Deuses. De fato, este país à beira mar plantado possui naturalmente uma vasta gama de pratos típicos, porém os mais conhecidos mundo a fora são, sem dúvida, os elaborados à base de bacalhau, mas vai muito além disso, a diversidade é imensa, apesar deste ocupa um lugar de honra à mesa do povo português. Sardinha assada é, também, uma iguaria dominante nos churrascos e festas ao ar livre e não se pode voltar sem provar!!

Contudo, e apesar da consagrada qualidade de seus peixes e mariscos preparados com maestria, os lusitanos também apreciam um bom pedaço de carne, confeccionando-o de acordo com as mais variadas e saborosas receitas, a cada canto do país uma receita diferente com a marca da terra. Carne de porco, cabrito ou borrego (cordeiro) são as mais apreciadas, não esquecendo também o famoso “bife à portuguesa”, geralmente confeccionado com molho à base de Vinho do Porto ou até mesmo o leitão assado, uma iguaria típica da região da Bairrada, os peculiares enchidos (embutidos) e a “francesinha”, um manjar tipicamente nortenho. E a “carne de porco à alentejana”, já provou? Por sinal, adoro Iscas com Elas, já conhece? rs

clipboard-sabores

E o queijos da Serra da Estrela e de Azeitão? Outra iguarias a não perder certamente. Mas, e os doces? Quem é que já não ouviu falar dos célebres pasteis de Belém? E os ovos moles, os pasteis de amêndoa, o pão de rala, o pão de ló, ou até mesmo a aletria, arroz doce, leite creme, doce de gila e as diversas compotas e marmelada?

Neste infinito paraíso gastronômico português, difícil não se deixar levar pela extensadiversos-058 variedade da gastronomia lusitana, mas, claro, sempre bem acompanhada pelo precioso néctar, o vinho! Viajar por terras lusas é uma experiência sensorial única onde não existe espaço para regimes é para meter o pé na jaca mesmo!! rs Como já dizia Stefano Padulosi, “levar um garfo ou uma colher à boca é a última etapa dum percurso demarcado pela história e pela geografia”.

Para além dos consagrados fortificados, Vinho do Porto e Vinho da Madeira, os deliciosos Moscatéis de Portugal compõem o caleidoscópio de um mundo de vinhos de sobremesa ímpares, entre os melhores do mundo! Na verdade, a riqueza das castas é um dos pontos fortes deste país, destacando-se mundo afora pela originalidade de seus vinhos, que despertam bastante curiosidade. São cerca de 300 diferentes castas autóctones de nomes por muitas vezes bem estranhas como Rabo de Ovelha, Avesso, Esgana Cão, Bastardo, Alfrocheiro, Tinta Miúda, Rufete e outras tantas mais! Tudo isso num país de tamanho similar ao Estado de Santa Catarina.

A propósito, já ouviu falar do “Vinho dos Mortos”, um regional transmontano, da bela localidade de Boticas? É, certamente, um vinho com muita história para contar… remete-nos a 1808, período das Invasões Francesas, durante o qual, com o avanço das tropas comandadas pelo General Soult, o povo, com medo dos furtos a que estava sujeito, resolveu enterrar os seus bens mais preciosos, entre os quais, o vinho. Mais tarde, após os franceses terem sido expulsos, os habitantes da Vila de Boticas começaram a desenterrar os seus pertences e, naturalmente, os seus vinhos, que acreditavam já ter perdido. Porém, qual não foi o espanto da população quando deparou que o vinho ainda estava em perfeitas condições, adquirindo até novas propriedades organolépticas. A partir deste feito e por ter sido enterrado, este vinho passou, então, a designar-se “Vinho dos Mortos”, passando-se a utilizar esta técnica, descoberta ocasionalmente, para melhor conservar e otimizar as propriedades do vinho. Estou com uma garrafa para provar, mas ….. bem, depois falo!

Provavelmente, ainda não tenha ouvido falar desse vinho, mas certamente já ouviu dizer que Portugal é um país bem arraigado às suas tradições, então, porque não continuar a fazer vinho em lagares de pedra, prática esta que remonta à Roma antiga? Grandesdiversos-058 Vinhos do Douro, Dão e do Alentejo, em especial, ainda são feitos por esse processo e não é só coisa para turista não!! Estes são apenas alguns exemplos da vasta riqueza gastronômica (que tal comer no Cu da Mula??) e vitivinícola portuguesa, porém Portugal tem muito mais para ser descoberto! Tem cultura, arquitetura, história mesclada com modernidade,paisagens lindas e uma enorme diversidade regional, não tem quem viaje por lá e não volte surpreso e querendo voltar sendo comum eu ouvir a frase; ” se eu soubesse que era assim já teria ido antes”!

Hoje não falei de vinho, porém falar de Portugal é falar da farta opção de vinhos e pratos que nos fazem aguar só de pensar, saudades!! Kanimambo pela visita e neste fim de semana, seja em casa ou em um dos muitos restaurantes lusos espalhados pelo mundo afora, vá conhecer um pouco dessas iguarias e se deliciar com os sabores de Portugal. Bom e gordo fim de semana, porque ele existe para isso, eu fiquei com vontade e acho que daqui a pouco vou dar um pulo na A Quinta do Bacalhau e me deliciar com bolinhos de bacalhau e uma bela alheira! Fui!! rs

Salvar

Uma Razão Para Visitar a Moldavia!

Bem, pelo menos uma,mas dizem que a região é linda e os vinhos possuem qualidade. Quem sabe um dia?? Por enquanto, que tal passear virtualmente por mais de 100kms de adegas subterrâneas na, dizem, maior adega do mundo.  Dizem que uma imagem vale mais que mil palavras, então fico por aqui, veja o vídeo!

Chegar é Fácil, Difícil é Permanecer!

Este blog estará completando nove anos nos próximos meses e 2017 será um ano especial pois alcançaremos a marca de 10 anos; muitos posts, muitos vinhos, muitos novos amigos, muita troca de experiências. Tem sido uma viagem e tanto e me orgulho dos resultados, especialmente no que se refere à interatividade com meus leitores, pois já passam de 8000 comentários recebidos e respondidos nesse período. Mas porquê estar falando disto hoje? Bem, porque recebi uma mensagem de minha amiga Camila Coletti, editora da revista Eno Estilo, de que eu estava no ranking dos top sites/blogs/portais do setor e fui conferir.

Gostei do que vi e a primeira coisa a fazer é levantar um brinde a você que clicou aqui,DSC03242A valeu gente! Em tempos de tecnologia criativa chegar no topo pode ser mais fácil do que aparenta, aliás a cada ano que a Enoeventos do Oscar Daudt publicava a lista (desde 2010), aparecia um blog novo em que o cara subia que nem um foguete e no ano seguinte voltava lá para baixo, tudo fruto de “contratos de cliques”! Outros pegam carona nos nomes de blogs já estabelecidos e até que as pessoas descubram que eles não são quem aparentam, lá se adicionam uns cliques a mais! Como em todos setores da sociedade, tem gente mais séria, trabalhos mais perenes e aqueles que só jogam para a galera com o intuito de usufruir de uma degustação grátis, do jantar chique ou do eventual jabá. Faz parte e, como tudo e em todos os lugares, há que se separar o joio do trigo.

Chegar lá, então, pode sim ser fácil, porém permanecer é complicado e depende de conteúdo. Já estive em quinto, já estive em vigésimo, porém Falando de Vinhos tem se mantido nessa elite de produtores de conteúdo em nossa vinosfera desde quando o Oscar começou a elaborar essas listas e esta última, desta feita elaborada pela Camila, me trouxe uma satisfação extra. Essa satisfação extra vem do fato de que apesar de minhas atividades comerciais na Vino & Sapore que exigem presença diária, o conteúdo seguiu sendo gerado (volta e meia com alguns hiatos maiores do que desejaria, rs) e o leitores seguiram seguindo este escriba apesar disso, entendendo a forma isenta como o conteúdo é elaborado. Calculo que hoje tenhamos no Brasil mais de 450 blogs de vinhos, na língua portuguesa certamente mais que 500, então estar entre os TOP 3% e me manter lá nos últimos nove anos é para festejar, ou não?

O Alexa é um site mundial que segue cerca de 30 milhões de web sites e blogs pelo mundo afora fazendo uma contagem analítica de visitas diária montando um ranking próprio e provendo ferramentas de trabalho para os autores. Usando esta tabela a Camila montou este ranking que, como tudo na vida, tem que se digerido com a devida parcimônia, como mero indicador que é, mas de qualquer forma, é uma fonte bastante confiável. Tem gente de grande gabarito, muito maior que o meu e que que se dedicam full time a isso, abaixo de mim o que só valoriza este resultado que me deixa especialmente feliz. Como adoro compartilhar coisas boas, aqui estou e trazendo comigo um enorme KANIMAMBO para todos vocês que são os responsáveis por isso! Abaixo segue o Ranking atual publicado na revista Eno Estilo onde você poderá ler o artigo completo clicando aqui. Uma ótima semana todos e espero seguir contando com vosso apoio.

Enoestilo quem-e-quem-no-vinho-2016-04-set-16

 

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Conhecendo o que faz o MOVI

Muito bem, já falamos aqui dos vinhos, das regiões, das empresas, mas o que é que realmente faz com que o MOVI seja o que é? Entrevistei a amiga Angela Mochi que com seu marido Attilio (o quietinho da dupla – rs) iniciou suas atividades com uma loja em Campinas, virou importadora, fechou e se mudou de mala e cuia para o Chile com um sonho que se concretizou, produzir vinhos de identidade própria no Chile. Assim nasceu a Attilio & Mochi uma das vinícolas associadas do grupo:

Falando de Vinhos: Angela, o que é necessário para entrar no grupo, quais os parâmetros básicos que são considerados para aceitar um novo produtor no grupo?

Angela: Primeiro, que o vinho seja produzido em escala humana, ou seja, que os sócios estejam diretamente relacionados com o negócio, que não sejam apenas “acionistas”. Depois, que o vinho seja muito bom (isso é bastante subjetivo, mas a ideia é que não existam vinhos “Chilenos” no MOVI e sim vinhos que façam a diferença dentro do panorama vitivinícola Chileno. Para tanto, cada produtor que quer entrar para o MOVI precisa submeter os vinhos a uma degustação do Diretório. Também, é preciso que quem postule a entrada conheça algum membro que esteja disposto a patrociná-lo dentro do Movimento. O conceito por detrás é que quem entra sabe exatamente o que esperar da associação, uma vez que o padrinho já fez o trabalho de explicar tudo. Além do mais, está o sentido de cobrar dos membros responsabilidade quando se indica alguém, que essa pessoa/empresa seja compatível com os princípios do grupo de trabalhar em conjunto pelo grupo.

FV: Quantos sócios compõem o MOVI hoje?

Angela: Hoje somos 32, do extremo norte ao extremo sul, desde o Atacama até a Patagônia.

FV: Qual a produção total anual estimada do MOVI?

Angela: Essa é uma boa pergunta. Não temos essa estimativa feita, mas eu diria que estamos provavelmente bordeando umas 80.000 caixas de 12 ou seja, algo ao redor de 960 mil garrafas anuais.

FV: Quais das vinícolas associadas possui a maior e menor produção e quanto?

Angela: A maior é von Siebenthal, com umas 20.000 caixas (cerca de 25% da produção estimada do grupo) e a menor é Rukumilla, com umas 500 caixas.

FV: De forma resumida Angela, qual o objetivo e mote que rege o MOVI?

Angela: Principalmente permitir que pequenos vinhateiros sejam capazes de criar vinhos com personalidade, numa escala humana e de maneira sustentável ao longo do tempo. Também, interferir, de maneira positiva, na maneira como o Chile produz vinhos hoje, além de mostrar esse outro lado do país em termos de vitivinicultura.  MOVI é o Movimento de Vinhateiros Independentes do Chile, apresentando uma perspectiva moderna como país vitivinícola. Complementamos e contribuímos, uma contra cultura que apresenta resposta a noção antiquada de que os vinhos chilenos padecem de personalidade. Trabalhando em conjunto, costuramos um mosaico do vinho chileno, mostrando através do vinho, uma coletânea da personalidade individual de nossos membros. Através da associatividade, damos voz e uma marca para os vinhateiros independentes que se atrevem a pensar “pequeno”, num projeto maior em que a ênfase é mostrar a existência de um Chile vinhateiro mais puro, profundo e verdadeiro – o Chile real!

Bem amigos, aqui no blog há diversos posts sobre este tema desde 2012 então basta digitar MOVI em pesquisa (search – canto direito superior) e sair lendo. Agora, fica óbvio que a conclusão final só pode ser alcançada de uma única forma, provando! Então amigos, vamos ás compras? Que Baco guie seus passos, saúde, kanimambo pela visita e um belo final de semana olímpico para todos. Semana que vem seguimos por aqui, fui!!

 

 

 

Não Entendo, Só Gosto!

Tem hora para tudo, uma boa cerveja, um destilado, um drink o segredo é ser comedido pois tudo o que é exagero é condenável. Não sou xiita, curto meus fermentados, vinho e cerveja, porém volta e meia visito outras paradas e gosto de um bom scotch, uma certa queda por single malts e bourbons assim como um eventual gole ou dois (literalmente) de uma boa cachaça o que ocorre normalmente no final do dia e tradicionalmente quando estou mais tenso e o espírito pede algo mais potente para liberar o stress e garantir uma noite bem dormida (rs) . Hoje venho compartilhar, sem qualquer conhecimento mais profundo sobre a matéria a não ser “gosto/ não gosto”, dois destilados que ganhei de presente e curti demais, recomendo.
Sempre gostei de Kentucky Bourbon que é um pouco que nem Champagne, pois todo o Bourbon é Whiskey Angel´s envy porém nem todo Whiskey é Bourbon! Por um em especial sempre senti uma grande atração mesmo sem nunca o ter provado e por duas razões; a beleza da garrafa e o de ser finalizado em barricas velhas de Porto! Estou falando do Angel’s Envy que ganhei de presente de meus amigos Daniela e Sir Robert e que em breve virará garrafa de água para não esquecer nunca. Gente, que delicia, não perdi por esperar! É de uma cremosidade incrível, fino, um veludo na boca que se não nos segurarmos duas doses serão pouco e aqui há que se ser comedido porque o teor alcoólico é outro! O Bourbon obrigatoriamente não poderá ter menos de 40% (80 proof) de teor alcooólico e pode ir até 80% (160 proof), porém neste caso falo de 43% ou 86 Proof que é a medida usada por eles. Para este estilo de destilado, álcool baixo (rs), mas todo o cuidado é pouco. Como disse, só gosto, não dá para explicar nem descrever, mas quem quiser pode fuçar no link do site que é super legal e esta belezura ganhou 98 pontos da revista Wine Enthusiast que possui uma seção só de destilados. Ah, quem estiver por lá e  quiser me dar de presente não se acanhe não, como dá para ver pela foto a minha acabou!!

O outro foi uma oferenda dos amigos recentes Claudete & Gil, um destilado tupiniquim, a cachaça Capim Capim CheirosoCheiroso Topázio lá de Minas, mais precisamente de Santa Bárbara que passa 12 meses por tóneis de Jequitibá e Carvalho, chegando ao mercado em bonitas garrafas de 500ml . Boa demais essa cachaça sô e como diz o nome, muito aromática, cheirosinha memo! Uma garrafa dessas dura pelo menos um ano, mas como a ganhei há menos de três meses, até que esta está indo rapidin. Gostei tanto que, mesmo não trabalhando com destilados, penso e estou estudando a viabilidade de a incluir no portfolio da Vino & Sapore. Madeira muito bem usada, cor amarela tímida, saborosa, macia e elegante mesmo que potente (40%), coisa rara encontrar essa picância sem agressividade, classuda esta cachaça e você poderá conhecer um pouco mais dela clicando aqui para acessar o site do produtor. O que posso confidenciar é que aquelas duas pequenas doses, de que falei no inicio deste post, podem facilmente passar disso! rs Ontem fiz um teste, pequenos goles acompanhando um suculento prato de dobradinha, obra de meu amigo Claudio Lepera, não é que deu certo!!! Não pode se entusiasmar, mas ficou muito interessante.  Para ilustrar esta cachaça, afora a foto, me alembrei de uma Ode à Cachaça recitada pelo amigo Denis Marconi (versos de Reginaldo Clarindo Dutra) em uma já distante e saudosa viagem por terras argentinas com a qual finalizo este diferente post de hoje. Kanimambo pela visita e saúde!
Saracura vá te embora Tua terra já choveu
A mandioca de Janeiro Tatú Teba já comeu.
Se for por engano vá
Se for para abaixar a minha alta prosopopéia
Dar-lhe ei um chá de canela.
Cachaça é uma moça branca filha de um homem trigueiro
Quem encafifa com ela nunca junta dinheiro.
Desce desgraçada! 

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Uma Escapadinha ao Japão

Para visitar quem cedo madruga! Foi dia 2 agora, e não fui tão longe não, fui só até Moema conhecer a Adega de Sake do Alexandre Tatsuya Lida. Sou um mero curioso nesse mundo, mas fermentados me interessam então quis começar a conhecer esse universo do Sake que me parece deveras interessante. Mais um projeto para 2016 e uma visita à Adega se faz necessário para os curiosos de plantão, como eu.

Os “barris” e rótulos são incrivelmente bonitos e nos fazem querer comprar todos, quem diabos disse que rótulo não vende?? Eis aí algo que o mundo do vinho precisa começar a prestar mais atenção!

Enfim, lugar agradável, pequeno mas selecionado, vale a visita e o Alexandre manja muito. Veja comigo

22 Vinhos Mais Caros do Mundo!

Esta lista tirei do Wine-Searcher e óbvio que poderão existir outros vinhos e outros preços em listas de outras fontes! O Wine-Searcher um site que é uma ótima ferramenta para encontrar vinhos no exterior quando em viagem e que recentemente coloquei o link aqui na coluna do lado em Onde Comprar. Alguns detalhes a considerar nessa lista e também algumas curiosidades.

1 – A tabela foi montada em cima de preços médios encontrados pelo site, independente de safras, elaborada em cima de mais de 50 mil listas de preços em sua base dados do mundo inteiro, totalizando mais de 7 milhões de rótulos. Alguns dos preços máximos encontrados provavelmente são vinhos especiais, de safras antigas ou de coleção, por isso o de alguns preços máximos estarem na casa do chapéu! Eu sempre achei que o DRC era campeão entre os vinhos mais caros do mundo, mas me surpreendi com o vinho mais caro apurado nessa pesquisa. do DRC me lembro de ter visto um 2005 no Free Shop de Dubai por USD25.000 faz uns quatro anos!

2 – Dos 22, a bagatela de 19 são franceses entre eles 16 da Bourgogne, 2 de Bordeaux e 1 do Rhône. Como intrusos nessa lista, dois Alemães (surpresa né?!) e um americano!

3 – Quando estendemos essa lista para os 50 mais caros ou seja, mais 28 rótulos, nada mais nada menos do que 25 deles também são da Borgonha, um de Champagne mais um alemão e um australiano. Coisa de louco esses vinhos da Bourgogne e dos 50 vinhos a França tem na lista 44 rótulos!!!

50 Vinhos mais caros Wine Searcher

Saúde, kanimambo e seguimos nos encontrando por aqui ou em qualquer esquina desta nossa vinosfera. Um ótimo fim de semana para todos

 

Mais Rótulos Criativos

             Realmente a necessidade é a mãe da invenção! Seja em nomes, seja no design, para escapar das exigentes regras das classificações DOC, para criar impacto mercadológico ou estabelecer empatia com o consumidor  num mercado cada vez mais competitivo, os designers usam a abusam da criatividade como já mostrei anteriormente. Eis mais alguns rótulos interessantes sendo que o Cycle Gladiator chegou a ser banido na Alabama por algo como, atentado ao pudor dos tomadores de vinhos. Só lá! Salute, kanimambo e um bom Domingo.

Bad Boy                  Incógnito

 

        cycles_gladiator Cab                    evilwinelabel

 

2848952307_bdb8e1c0fa              rootwine_6          boxhead Shiraz label

 

3737611260_82bd8844ec            430505038_3e4a467e83

 

   interlude-label-front         lbl_AU_Black_Chook_Shiraz        lbl_AU_boarding_pass_so_aus_shiraz_2005_remc

 

350557365_a7ad053045    Omen shiraz    red_guitar_temp_garnacha

 

  Sones-wine-label   sharkbay      promisqous-label-front

 

  Scraping the Barrel                Zin cardinal

 

Old bastard

Segunda de Preguiça! Rótulos Criativos.

               A criatividade mercadológica dos produtores e seus marqueteiros produzem alguns interessantes rótulos, outros nem tanto, que podem ter diversos significados dependendo de quem os lê e aspectos culturais e linguísticos de alguns povos. Dizem que uma imagem vale por mil palavras, não sei, mas eis algumas para você se divertir. Ou isso ou você vai assistir parada militar (que nem antigamente) e ouvir discurso dele!

Bitch-Bevlog          oops-big 

 

Te Mata       Pó de Poeira      Vinho Chateau Piada

 

Quinta da Bichinha        Monte dos cabaços       frog_piss_front

 

 Fat Bastard    Malhadinha 1    ALAMBRADO malbec 08 - 2    

 

Vinhas da Ira      Vinho bastardo 2   Diga  malamado-malbec

 

HDL Reserva       Inevitável     Vinho 3 bagos     Vinho Cab de burro

 

 cuatro-vacas-gordas        Conversa-Douro-2005-728648       Cat´s Pee

 

              ZIGZAGZIN_WINE             il-bastardo-wine-label

 

 

Salute e kanimambo 

Vinhos e Seus (estranhos) Nomes

           Sábado é dia de Breno Raigorodsky que hoje não nos deu o prazer de sua prosa por motivos alheios à sua vontade. Sem plano B nas vinho-bastardomãos, desde que voltei de viagem ainda não consegui adiantar nada, me lembrei de tecer alguns comentários e publicar umas imagens de alguns lugares diferentes em Portugal no sentido de mostrar as diferenças de culturas e, até certo ponto, alegrar um pouco o dia de hoje, assim como dos estranhos nomes de vinho português. Coisas to tipo; Terras do Demo, Bastardo, Óbvio, Diga?, Pasmados, Malhadinha, Incógnito, HDL (sugestivo não?), Pinote, Inevitável, Desigual, Porta Velha, Pó de Poeira, Poeira, Corpus, Abandonado, Anta da Serra, Cabeça de Burro, Vinha do Putto, Estopa, Volúpia, Audaz, Três Bagos, .Com e Egoísta entre muito outros. Ao pesquisar dei de cara com este artigo muito bem escrito por Luiz Carlos Zanoni para o Paraná On Line com o titulo “Piada, Brochon & Cia” que, por sua qualidade, repico aqui abaixo. Se quiser ler a matéria completa clique no link acima.

 “Bons vinhos dispensam nomes e rótulos, dizia Shakespeare, numa era pré-supermercados. Hoje as opções são milhares, mais de cem mil a cada safra somando o que Europa e Novo Mundo produzem. Imagine a confusão se cada um não trouxesse, direitinho, seus registros. E há o marketing, tudo o que se investe em torno das marcas. O consumidor compra e bebe o kit inteiro.

 Nomes valem ouro, justificando o esmero das vinícolas na hora de escolhê-los e de definir o visual da etiqueta.Aliás, nesse quesito do visual o Mouton-Rothschild, famoso primeiro cru de Bordeaux, vence fácil. Desde 1924 encomenda a pintores renomados a ilustração dos rótulos, colecionando assinaturas como as de Picasso, Miro, Matisse, Dali, Kandinsky, Warohl e Braque.

vinho-chateau-piadaEm exotismo – e qualidade  poucos superam os franceses. Veja o cru bourgeois do Medoc: Château Brochon. Em português parece piada, palavra que designa, por sinal, outro cru da mesma região, o Château Piada (pronuncia-se piadá), um vinho que exige ser levado a sério. E tem o Château Chupín e o Barateau (baratô), que não é uma proposta de preço baixo, mas nome de família, como Figeac, Lafite, Estournel, Rousseau, Guigal, Dujac e milhares de outros.

 

           No Chile e Argentina o uso do nome de família é quase norma entre as bodegas: Catena, Concha y Toro, Bianchi, De Martino, vinho-cab-de-burroLagarde, Villlard e por aí vai. As vinícolas homenageiam o patriarca da casa atribuindo-lhe o rótulo principal. Sempre que topar com vinhos com nome e sobrenome, tipo Felipe Rutini, Enzo Bianchi ou Nicola Catena Zapata, fique certo que são os melhores e mais caros. A nova geração de vinicultores desses países está, porém, esnobando a parentela em favor de títulos mais inspirados, como Val de Flores, Brioso, Quimera, Anúbis, Bramare. Mas, nessa onda, dois chilenos que acabam de chegar soam estranho: o Syrah Vagabundo 2001 e o Syrah Reserva Vagabundo 2002. Faltou idéia? Sobrou sinceridade? Curioso, também, esse Fúria Chardonnay.

quinta-da-bichinha Os portugueses atacam de Chocapalha, Quinta da Bichinha, Bridão, Judia, Barão De Nelas, Pellada, Rota dos Móveis, Fragulho, Bago Louro, Quinta do Cachão, Fontanário dos Pegões e, acredite, Monte dos Cabaços. Muito conceituado o Pera Manca. 

 

 Em algumas línguas, o nome do vinho vira sopa de letrinhas. É o caso do Chardonnay húngaro chamado Somlói Borvidék. É um Szaráz Minöségi Fehérbor de Szék Völgil Imre. O produtor: Szölösgazda Vyneiardist. Não, nunca tinha ouvido falar, com absoluta certeza! Mas há também o oposto, como o Sauvignon Blanc da Nova Zelândia cujo rótulo faiscou no meio de dezenas de outros. No papel creme, de bela textura, apenas uma palavra: The 

 panorama-nomes