Gastronomia & Harmonização

Mais um Vinho Verde na Taça!

Está difícil me desenvencilhar dos vinhos brancos e lusos assim como das harmonizações! Este foi mais no inicio de Janeiro, mas ainda não tinha compartilhado com os amigos então, lá vai!

O prato é típico de Itanhaém, aqui no litoral sul paulista, onde o mercado de peixe vende esta Tainha recheada com farofa e outros ingredientes que desconheço! rs Que é bom é, disso eu sei e volta e meia peço para meu genro me trazer uma. Foi para o forno e para a mesa sem dor de cabeça, sem sujeira na cozinha, do jeito que eu e minha loira queríamos num Domingo preguiçoso.

Para acompanhar, um vinho verde com certeza, Aromas das Casta, um blend de Alvarinho e Trajadura que sempre me encanta:

Alvarinho – Tem seu berco na região do Minho (vinhos verdes) em especial na sub região de Monção e Melgaço onde atinge seu apogeu! Existe em algumas outras poucas regiões onde um ou outro eventual rótulo poderá se sobressair, porém em nenhuma outra é tão exuberante. Vinho marcado pelo aromas florais (laranjeira, tílias) e sabores que nos remetem a frutos de boa acidez como a grape-fruit e laranja.

Trajadura – em seu berço também no Minho (vinho verdes), no nordeste de Portugal. O seu vinho é usado especialmente em blends, onde agrega aromas cítricos e estrutura. A baixa acidez dessa uva é o maior limitador para a elaboração de vinhos varietais, embora frutado, em boca o vinho costuma ser desequilibrado, com carência de frescor e teor acoólico algo alto para a região. Nos blends com Loureiro e Alvarinho, no entanto, a combinação gera vinhos saborosos e equilbrados.

Harmonização - Verde e Tainha recheada

Aromas das Castas Alvarinho/Trajadura – juntou a características das duas castas para nos deliciar com um conjunto de forte intensidade aromática, equilibrado sem exageros na acidez muito comuns aos vinhos da região (gosto mas tem gente que sofre com isso), final com leve dulçor que casou muito bem com a farofa e peixe, bom volume de boca mas com uma certa leveza, média persistência que deixa  um “Q” de quero mais no palato! Um vinho vibrante, alegre para ser tomado só, com peixes e frutos do mar grelhados e, preferencialmente, com camarão ou lagosta, deve virar uma sinfonia!! rs

A harmonização foi bem, os sabores casaram legal e depois, tomei com a loira né! Tudo de bom, muito bom!!! Kanimambo pela visita, saúde e uma ótima semana para todos. Com o calor que anda fazendo (anda faltando equilíbrio lá em cima!! rs) um vinho verde vai muito bem, embarca nessa que a viagem vai ser boa!

Harmonizando Barreado no Tordesilhas

             Já que ando na fase das harmonizações me lembrei desta, publicada há quase sete anos, que foi surpreendente para dizer o mínimo! Saudades daqueles encontros, daquela gente, mas os caminhos que traçamos nem sempre são os que a vida nos permite seguir! Enfim, como de lá para cá muita água, digo vinho (rs), correu por debaixo dessa ponte e muitos dos amigos ainda não eram seguidores deste escriba do vinho, achei por bem compartilhar novamente o post, kanimambo e espero que curtam. Bom fim de semana.

  Sei, era para publicar hoje a matéria sobre o Desafio de Petit Verdot, porém não consegui terminar a tempo (estará aqui Quarta que vem, prometo) e, por outro lado, estava ansioso para compartilhar essa deliciosa experiência com vocês. O papo nasceu em uma degustação e surgiu da paixão da Cris Couto (pena que seu ótimo blog sejabemvinho esteja agora disponível só para assinantes da Folha!) por Barreado, um prato tradicional do litoral paranaense tornado famoso em Morretes.

Para quem não conhece Barreado, eis o que a Wikipédia tem a nos dizer sobre isso: “Sua origem é açoriana de um ritual de 300 anos ainda seguido no preparo do prato. A origem atribuída aos portugueses que vieram para o litoral do Paraná no século XVIII. Os registros antigos indicam a Ilha de Guaraqueçaba como a disseminadora da receita. O tempero do prato seguiu junto com outras manifestações culturais para o continente, entre elas o fandango, dança de tamancos ao som da rabeca. A simplicidade na preparação do prato garantiu que a receita fosse mantida com os mesmos ingredientes e características. Uma das suas características é que mesmo requentado mantém o seu sabor. Durante os dias de festa do fandango, o prato era reaquecido a cada refeição. O sabor não se perde, pois o caldo grosso que se forma é que mantém o sabor da carne.

O prato consiste em uma carne cozida, servida com arroz (nem todos) e farinha de mandioca. O segredo na preparação é o tempo de cozimento na panela de barro – cerca de vinte horas – o suficiente para desfiar toda a carne. Depois de cozida, as fibras da carne se soltam resultando em um caldo grosso e saboroso. Para manter o sabor da carne, é preciso vedar a panela com uma massa de farinha e água, um barro preparado para manter o vapor dentro da panela. Tradicionalmente o prato é acompanhado de frutas: bananas (com banana o gosto se completa) e laranjas. A cachaça de banana pode ser servida como aperitivo. Como entrada ao prato principal, pode ser servido o bolinho de barreado (bolinho frito recheado com banana amassada e a carne do barreado).” quem andar lá para os lados de Morrentes, minha dica é comer o verdadeiro Barreado, não aquele para turistas, no Restaurante Armazém Romanus, um lugar muito agradável que fica no centro da cidade na Rua Visconde do Rio Branco. já faz dois anos que por lá andei, mas acredito que deva manter a forma!

           Em São Paulo, Cris recomendou o Tordesilhas, restaurante muito agradável e aconchegante capitaneado por Ivo Ribeiro e especializado em comida brasileira, para quem não conhece vale a pena colocar o lugar na lista. O Barreado, numa versão mais light (sem arroz e laranja) estava excelente, sem contar a incrível Marinada de Abobrinha Brasileira elaborada com um toque especial de pimenta de cheiro do Pará. Cada um dos convivas foi instigado a trazer consigo um vinho preferencialmente brasileiro que, a seu ver, melhor combinaria com este exótico e pouco conhecido prato. Juntos para esta deliciosa aventura, um grupo de gente há muito envolvida com nossa vinosfera e mundo gastronômico; Cris Couto, a organizadora do encontro, Jeriel da Costa / Álvaro Galvão / Beto Duarte e eu os blogueiros de plantão, Walter Tommasi (editor da revista Freetime, degustador e palestrante) Agilson Gavioli (enófilo experiente e idealizador do “Vamos à Montanha” que está em sua décima-primeira edição e segunda em Campos de Jordão) e o próprio Ivo (Restauranteur).  Dizem os experts e livros, que o ideal seria acompanhar este prato com um tinto de certo volume de boca a taninos médios para encorpados, intensos nos aromas e com um toque de rusticidade, talvez algumas notas herbáceas com bom nível alcoólico e tânico para enxugar a untuosidade e suculência do prato, sendo essa diretriz que a maioria de nós seguiu, porém como há que se experimentar coisas diferentes, o Álvaro se aventurou pela linda Praia do Rosa (litoral catarinense) para nos trazer um Riesling diferenciado elaborado pela Dominio Vicari, eu achei que um Alvarinho português um pouco mais encorpado poderia dar conta do recado e o Walter não resistiu e trouxe um Albariño de Rias Baixas para desafiar meu representante luso. Vejam a lista de vinhos colocados à prova, lembrando que o que estava em jogo aqui não eram os vinhos, mas a Harmonização.

  • Dominio Vicari Riesling 08 – Brasil/ Dominio Vicari
  • Pazo Pondal Rias Baixas Albariño 06 – Espanha/Pazo Pondal – World Wine
  • Muros de Melgaço Alvarinho 2008 – Portugal/Anselmo Mendes – Decanter
  • Terranoble Reserva Pinot Noir 08 – Chile/Terranoble – Decanter
  • Dadivas Pinot Noir – Brasil/Lidio Carraro
  • Barbera d’Asti ” l’Orme” 06 – Itália/Michele Chiarlo – Zahil
  • Pizzato Merlot  Reserva 05 – Brasil/ Pizzato
  • Vallontano Tannat 05 – Brasil/ Vallontano
  • Álem Mar 08 – Brasil/Villagio Grando – Eivin
  • Dom Laurindo Estilo 08 – Brasil/Dom Laurindo
  • Lidio Carraro Merlot Grande Vindima 04 – Brasil/Lidio Carraro

Todos vinhos de boa qualidade que reagiram de forma diferenciada ao Barreado e, importante, à banana da terra. Como já disse, no entanto, não eram os vinhos o foco principal da experiência, então nos concentramos em analisar a harmonização, ou seja, o conjunto da obra dando-lhes uma nota até dez. A soma das notas dadas pela “banca degustadora” resultou na Melhor Harmonização, e na hora apuramos nossos TOP 5.

  1. Barreado e Muros de Melgaço 08, uma harmonização quase perfeita e a preferida  entre cinco dos participantes, sendo que em dois dos casos empatado com outra harmonização. Um vinho branco de maior volume de boca e complexidade com um aporte delicado de madeira e exuberante frescor decorrente da ótima acidez que balanceava a untuosidade do prato fazendo com que, após cada gole,  implorássemos (pelo menos eu) pela próxima garfada,  produzindo aquele fenômeno matemático em que o resultado é muito superior à soma dos dois, mostrando-se um grande companheiro para o Barreado. Pessoalmente, adorei e fica claro que “regras”, na enogastronomia, existem para ser checadas e disputadas pois, como aprendi há muito tempo, por aqui não existem verdades absolutas! O gostoso é quebrar os famosos paradigmas e descobrir novos sabores. Média de 8,44 pontos.
  2. Barreado e Pinot Noir Terranoble 08, uma agradável surpresa. O vinho por si só já é muito bom, porém cresceu muito na harmonização. Bom volume de boca com taninos finos e um final especiado que se deu muito bem com o prato. Foi a preferência de dois dos degustadores, um deles empatado com o Muros de Melgaço, e entre os TOP 5 é o mais barato deles o que faz com que esta harmonização seja a “Best Value” do encontro. Média de 8,06 pontos.
  3. Barreado e Além Mar 08, achava que este vinho ia dar samba e deu. Amostra de barrica em garrafa ainda por ser etiquetada, deve estar no mercado dentro de alguns meses, é um vinho que vai crescer muito por si só, mas já se mostrou muito gastronômico. Muito rico, equilibrado e elegante apesar de ainda um pouco fechado, casou muito bem com o prato. Para mim a melhor opção entre os tintos e um vinho que quando chegar ao mercado deverá dar o que falar. Média de 7,94 pontos.
  4. Barreado e Lidio Carraro Merlot Grande Vindima 04 – com exceção da Cris que não se entusiasmou muito com esta combinação, foi uma harmonização bastante apreciada pelos demais. Equilibrado, corpo médio, taninos aveludados e um leve toque herbáceo que combinou bem com o prato. Uma parelha muito interessante. Média de 7,50 pontos.
  5. Barreado e Pazo  Pondal 06 – uma mostra que bons alvarinhos, oops, Albariño envelhecem bem devido á exuberante acidez e, neste caso, uma boa passagem por madeira. Um ótimo vinho, páreo para o Muros de Melgaço, mas que na harmonização perdeu pontos pois a madeira apareceu demais dando-lhe um certo amargor final. Mesmo assim, o casamento com o prato foi bastante agaradável mostrando  a versatilidade de harmonização desta interessante cepa. Média de 7,19 pontos.

Para o Walter, os dois brancos foram a melhor harmonização, o que demonstra claramente que esta escolha por brancos foi uma agradável surpresa, até porque o Barreado do Tordesilhas não se mostrou um prato assim tão untuoso. Um resultado geral que certamente deixará muitos amigos curiosos e interessados em  conferir estes resultados. Não sei quais destes  vinhos o Ivo tem em sua carta, mas se tiver interesse basta ligar para o Tordesilhas e negociar com ele. Ah, antes do Barreado, não deixe de pedir essa marinada de abobrinha, bom demais da conta sô!

Salute e kanimambo

ps. Imagem de Morretes publicada com autorização de Pertra Viagens.

Salvar

Salvar

Almoço Light, mas Bem Acompanhado!

Há dias de comilança e há dias de recuperação porque ninguém é de ferro! Depois da tempestade vem a bonança, já diz o ditado, então há que se cuidar um pouco do corpo, porque da alma, os xiitas que me perdoem, o vinho trata!! rs

Desta feita, uma torta de camarão com uma bela salada verde com queijo branco fresco e uva. Para acompanhar, um bom branco português, para variar (rs) que fez bonito e mostrou que ás vezes o menos é mais, almoço muito gostoso!

Santos de casa branco com almoço light

Santos de Casa Fazem Milagres Douro Branco 2014, uma grata surpresa ao conhecer uma uva que jamais tinha provado, pelo menos que fosse de meu conhecimento porque pode eventualmente ter composto algum blend já tomado. A Viosinho e a Gouveio (coadjuvantes deste vinho) são duas uvas brancas importantes e bem conhecidas da região duriense, mas da Códega de Larinho nada sabia, nem tinha ouvido falar, sempre aprendendo! Não, não é a mesma uva que a Códega também do Douro, eu também achei porém ao pesquisar fiquei sabendo que são castas diferentes. Pelo que li, é uma casta muito aromática e isto está bem presente já no sacar da rolha.

Como a grande maioria dos brancos do Douro, é um vinho que apresenta mais corpo, uma acidez mais contida porém equilibrada ressaltando um pouco mais a mineralidade da região. Notas cítricas bem presentes (limão, maçã verde), frutos tropicais, gostosa textura, boa persistência, um vinho que me agradou bastante. Acompanhou bem meu almoço, mas o vinho certamente aguentará pratos de maior peso, quiçá polvo à lagareiro (?), e à noite matei o resto da garrafa solita, mas bem acompanhado por minha loira o que, por si só, já é uma baita harmonização! rs

Enfim, mais um branco, mais uma harmonização saborosa, mais uma experiência enogastronomica, ando meio repetitivo não?? rs Quem sabe meu próximo tema não seja um tinto? Até a próxima, saúde e kanimambo pela visita.

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Feijoada e Vinho??

Não é de hoje que volta e meia me perguntam se dá para harmonizar e sim, dá! Não dispenso a caipirinha antes,rs, mas dispenso a cerveja que só serve mesmo (neste caso) para estufar o bucho! Sempre recomendo um de três; espumante nacional seco e de boa acidez com bastante toque cítrico (Santa Augusta Brut é uma boa!), vinho verde branco ou um bom tannat. Salvo alguma boca mais crica, rs, funciona sempre. Certamente haverão outras possíveis harmonizações, porém estas são as que conheço, estas são as que recomendo.

Desta feita coloquei dois vinhos num desafio de harmonização, qual dos dois se dariam melhor com a feijoada, o Tannat da Narbona ou o Alvarinho da região dos vinhos verdes da Quinta da Lixa?

feijoada e vinho - desafio

Puerto Carmelo Tannat 2010, um vinho já bem integrado com cinco/seis anos de garrafa mostrando toda a personalidade da uva no Uruguai, porém já mais aveludado, delicioso solito e se deu muito bem com a untuosidade do prato, sem dúvida uma ótima hamonização.

Morgado da Vila Alvarinho 2015, um vinho muito versátil com uma pegada muito boa pois possui um pouco mais de corpo sem perder a vivacidade e a acidez cortante característica dos vinhos verdes. É essa acidez que nos traz o frescor que sentimos e que ajuda a cortar a untuosidade do prato. Mais uma ótima harmonização e talvez eu me incline um pouco mais para este.

No final, acho que deu um empate, porém meu amigo Dr. Carlos presente ao evento foi especialmente feliz no fator de desempate, o tempo! Quente que nem estava ontem, cerca de 30ºC, o Alvarinho ganhou por um pescoço o que certamente seria revertido num dia frio com a vantagem pendendo para o Tannat. Por outro lado, para quê fazer escolhas? Tome uma taça do branco com o primeiro prato e quando for repetir, troque para o tinto!rs

Experimento legal este que sugiro aos amigos repicar, porque afora a esbórnea enogastronomica, a festa é garantida com os participantes certos, como ontem! Uma ótima semana para todos, saúde, alegria e kanimambo por mais esta visita. Seguimos nos encontrando por aqui com outras dicas e opinões sobre temas vividos com, neste momento, com uma forte influência de harmonização. Tenho tomado bem menos vinhos solo do que acompanhados então este tema ainda vai alimentar este site por um tempinho!

 

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Rotas Branco e Bacalhau

Como já comentei, não sei se aqui ou no Face, desde o Natal que só vi brancos em minha taça! Gosto, muito, e de todos os preços, sabores e origens, só precisa garimpar um pouco.

Num desses dias meu filho e nora vieram almoçar e como sempre tenho um bacalhau dessalgado no freezer (tá no DNA! rs), preparei algo rápido e ligeiro, um Fettucine com Bacalhau desfiado, tomate cereja, azeitonas pretas, salsinha e um tico de pimenta Harmonização - alentejo com spagheti e bacalhaubiquinho. Da mesma forma que um bom vinho, um bom Gadus Morhua revigora e reanima, quando dá liga então!! rs

Pois bem, deu liga e como! Tinha aqui em casa uma garrafa desse Alentejano para prova e decidi arriscar, dei sorte pois ficou muito bom e valorizou o prato. Sabe aquela história de quando o menos é mais, então, os dois sem grandes sofisticações, primando pela simplicidade, mas plenos de sabor e muito, muito cumpridores de seu papel; fazer da refeição um momento ainda mais agradável. Digo mais, porque estar com a família por si só já é algo para lá de bom, só deu uma turbinada a mais!! rs

O vinho me agradou muito, tanto que decidi comprar uma caixa para mim e inseri-lo no portfolio da Vino & Sapore, pois acho uma bela relação PQP (Preço x Qualidade x Prazer). Elaborado pela casa Santos & Seixo, este vem da região do Alto Alentejo sendo composto de Arinto (45%), Antão Vaz e  Verdelho que resultam num vinho fresco, seco, com bom final de boca que pede bis. Leve para médio corpo, com rico meio de boca, boa acidez sem agressividade, muito bem equilibrado com um teor imperceptível de 13% de álcool, cítrico com toques de nectarina (ou algo similar). Boa intensidade olfativa em que a fruta fresca dita o tom, mesmo não sendo exuberante é muito convidativa e reflete bem o que está na taça. Por um preço que não chega às 60 pratas, o que para o Brasil é um preço bom (em Portugal cerca de 5 Euros), na minha avaliação vale bem a pena pela qualidade entregue. Os 85 pontos da Wine Enthusiast (Bom Vinho) estão de bom tamanho, mas com a harmonização e puxando a sardinha para o meu lado (rs) eu acho que daria dois pontos a mais!!

Rota Clipboard

Gostei do vinho, gostei do prato, gostei da companhia, não posso pedir mais, só agradecer! Fui, um ótimo fim de semana, kanimambo e nos vemos por aqui ou por aí nos caminhos de Baco.

Bacalhau Não é Peixe, é Bacalhau!

E estamos conversados, tanto que muitas das “regras” de harmonização de vinho e peixe não valem aqui! rs Já cansei de falar de bacalhau aqui no blog, quase toda a Páscoa, mas como no Natal muita gente também o tem como tradição, nunca é demais revisitar os mais diversos posts, mas não vou ficar aqui escrevendo não, hoje é só uma introdução ao tema com links dos mais diversos para uma grande quantidade de posts elucidativos com informações técnicas, harmonizações, sugestões de receitas, enfim um monte de opções para você conhecer melhor o tema e viajar!

First things first, dizem os ingleses, e para começar corretamente sua pesquisa nada como conhecer os tipos de Bacalhau antes de comprar, essencial à receita que for fazer.. Bacalhau, na verdade, é muito mais um processo do que um peixe e existe mais de um tipo que pode gerar o que conhecemos como bacalhau e que tem como expoente máximo o COD, ou Gadus Morhua! O mercado está cheio de peixes parecidos, até umas coisas bem ruins chinesas, então saber o que está comprando é essencial! Leia aqui sobre os diversos tipos de bacalhau disponíveis no mercado e não compre gato por lebre! Clique na imagem do Bacalhau abaixo para saber mais sobre ele e não tomar ferro na hora da compra.

bacalhau-gadus-morhua_large

Quanto à harmonização, deixe de lado todas as regras que conhece e viaje! Se existem mil e uma formas de preparar bacalhau, existem outras tantas de harmonizar, depende da forma como ele será preparado e, obviamente, seu gosto. Uns gostam com vinho branco, outros não abrem mão de um tinto, mas quem conhece do riscado sabe que é essencial saber a receita do bacalhau que será servido. Clicando na imagem abaixo, Arroz de Bacalhau & Brócoli que fiz recentemente, você vai ter acesso a um monte de sugestões, dicas e resultado de pesquisas que fiz ao longo destes anos, aproveite!

 

arroz-de-bacalhau

Saúde, kanimambo, uma ótima semana e nos próximos dias tem mais!

Salvar

Salvar

Nem Todos os Dias São De Grandes Vinhos

Salvo você seja um felizardo com bolso recheado e grandes vinhos na adega, fico feliz por você, a maioria de nós abre grandes garrafas apenas em alguns poucos momentos que assim o peçam. Seja numa reunião de amigos “doentes” pelos caldos de baco, aquele momento de celebração, necessidade de se tratar bem depois de uma semana difícil, ou outras coisas do gênero, são nesses momentos que vamos atrás daquela garrafa guardada a sete chaves esperando o momento certo.
Fora isso, a maioria de nós busca satisfação com menos gasto só que aí é que mora o perigo porque, ao baixarmos o nível, corremos o risco de tomar vinhos não muito agradáveis, então garimpar nesse segmento é ainda mais necessário! Considerando-se os preços do vinho no Brasil, onde mais 60% é imposto, mais uma razão para garimpar muiiiito!!
Como a maioria dos amigos, também vivo do fruto de meu trabalho. A coisa anda difícil e meu chefe não me dá moleza mesmo, então procurar prazer a baixo custo, algo que sempre fiz, se tornou prática cada vez mais corriqueira em meu dia a dia. Hoje quero compartilhar com vocês um momento que vivi recentemente e que faz este garimpo valer muito a pena, desta feita revisitando um vinho que há muito não frequentava minha taça e que recém voltei a comprar.
confidencial-e-arroz-de-bacalhau
Este vinho me foi apresentado numa Master Class  de vinhos Portugueses proferida pelo Master of Wine Dirceu Vianna (único Master of Wine Brasileiro), nomeado pela Viniportugal para escolher 50 vinhos portugueses para o Brasil há uns três ou quatro anos atrás. Confidencial Tinto, foi minha escolha para acompanhar um singelo Arroz de Bacalhau e Brócoli.
Harmonização por simplicidade, um prato simples não carece de grandes vinhos que podem até não dar liga, aqui deu e muito!! Um daqueles vinhos que encantam ao primeiro gole e o produtor faz questão de não divulgar o blend que, dizem, tem cerca de sete a oito diferentes uvas, advindo da região Lisboa. Um vinho redondo, harmônico, médio corpo, rico, frutas silvestres, taninos maduros e suculentos, gostoso e fácil de agradar tanto os amigos de maior litragem quanto os iniciantes desbravadores do mundo de Baco. Preço entre R$50 a 55,00 o que me parece uma ótima relação Preço x  Qualidade x Prazer o verdadeiro PQP!! rs Daquelas garrafas que acabam rápido e pedem bis o que nem é muito complicado pelo preço.
Gente, bom fim de semana para todos e meu chefe aumentou meu objetivo de vendas para este final de ano, então quem estiver a fins de dar uma força pode passar lá pela Vino & Sapore e fazer suas compras de Natal tanto para uso próprio quanto para presentear, eu agradeço. Quem sabe o pão duro não me dá um bônus!! rs Kanimambo amigos e seguimos nos encontrando por aqui conforme for dando tempo, o trampo está bravo!

Salvar

Harmonizando Caldeirada de Lulas

Ao celebrar seis anos da Confraria Enoladies, a qual tenho a honra de hospedar na Vino & Sapore, decidimos “brincar” de harmonização. Sempre que fazemos esse experimento, escolhemos um prato e servimos três vinhos diferentes entre si para provocar o sensorial ladiesdos presentes!

Primeiro provamos os três vinhos e elegemos um como o melhor. Depois repetimos a prova só que desta vez devidamente acompanhado, comendo. Invariavelmente a coisa muda e o resultado desta feita não poderia ser diferente.

O prato escolhido foi Caldeirada de Lulas que o nosso chef preferido aqui da Granja (Ney Laux) preparou especialmente para nós. O cheirinho da panela ao chegar me remeteu à minha juventude, minha mãe era mestre nesse prato!! Para tentar harmonizar, sim são sempre tentativas por mais que haja uma certa técnica aplicada, umas vezes acertamos outras não, parte da “brincadeira”! rs Escolhi três vinhos sendo que para um deles tive que consultar meu amigo Pingus (Pingas no Copo) lá em Portugal, um mestre da escrita e do copo. Me faltou um encruzado (uva lula-e-vinhosautóctone do Dão) que era minha primeira escolha e meu Soalheiro Alvarinho estava novo demais, então o terceiro vinho foi difícil de definir, mas queria que fosse luso e, obviamente, tinha que ter em estoque! Minha memória olfativa não é aquelas coisas, mas minha memória gustativa é ótima, mesmo assim estava faltando aquela centelha de inspiração que casasse os sabores na minha mente, mas o papo com o Pingus ajudou a clarear!

Os três vinhos escolhidos foram o Clos la Neuve um delicioso rosé de Provence, o Kiké um vibrante e super aromático Traminer da Sicilia que leva um toque de Sauvignon Blanc e ……. Herdade do Sobroso Branco elaborado com 100% da uva Antão Vaz, uma casta regional alentejana. Como melhor vinho solo, sem duvida o Kiké foi o que produziu o maior número de uaus e suspiros, um vinho realmente marcante, intensamente aromático, fresco, vibrante marcado final de boca com especiarias e de muito boa persistência. O segundo nesse quesito foi o Clos la Neuve, um belo exemplar de rosé de Provence, um vinho sedutor e marcante, sutil.

A forra veio quando acompanhamos o vinho com o prato! O Kiké se mostrou demasiado, cheio de arestas, simplesmente não deu liga com o prato, um puxava para um lado e o outro para o lado oposto. O Clos la Neuve mostrou predicados, porém não me satisfez totalmente mesmo que para algumas das ladies tenha sido o escolhido, creio que um camarão na moranga daria mais liga. O Herdade do Sobroso Branco, no entanto, sobroso-branconadou de braçada, um bom vinho que explodiu com o casamento com o prato mostrando que uma boa harmonização pode sim fazer uma baita diferença. Como já disse antes, não precisamos fazer disso uma religião, mas não tem como negar que quando conseguimos fazer uma harmonização dar certo o nirvana pode sim ser alcançado numa refeição! rs Essa combinação deu muito certo mostrando que 2 + 2 podem sim dar 5! Mais uma vez ganhou a harmonização por origem e fiquei feliz com o resultado porque as outras partes da equação de harmonização já estavam lá presentes, boa companhia e razão para estarmos reunidos, o momento! A maioria, e eu acompanho, achou essa a melhor harmonização com a Lula.

Falando rapidamente do Herdade do Sobroso Branco, o vinho é fermentado em tanques de inox para preservar a fruta e fica cerca de três meses “sur lie“, sendo finalizado com uma passagem curta por barrica o que lhe dá bastante complexidade sem perder o frescor. Muito rico meio de boca, nariz mais sutil, boa acidez que se contrapôs à untuosidade do prato, corpo médio e final que pede bis, um vinho que prima pelo equilíbrio.

Para finalizar ainda tivemos como sobremesa Crostata de Figo, nozes e maçã caramelizada sobre o qual o nosso chef derramou uma calda de laranja dando um contraponto à massa da crostata, divino toque. Por falar em divino, difícil explicar as sensações ao ser harmonizado com uma taça de Henrique & Henriques Bual 15 anos, um vinho madeira para lá de especial! Uma grande finalização para uma deliciosa noite enogastronômica.

Noite maravilhosa, mais uma, e um deleite para o paladar, o olfato e a alma! Me sinto um felizardo por poder participar de momentos como este com gente tão especial. Um tremendo privilégio, uma honra e, porquê não, também uma tremenda responsa! Meu kanimambo especial de hoje, pós feriado, vai para todas as Enoladies que já passaram por este grupo ao longo dos seis anos de vida da confraria. Algumas são fundadoras e estas, ao longo de cerca de 65 encontros realizados no período, já provaram mais de 390 rótulos diferentes de vinhos tranquilos e uns 60 espumantes, certamente um marco!

vinhos-enoladies-ano-6

Antes ainda provamos dois Champagnes Vollereaux, mas destes falarei em outro post, por agora é isso e seguimos nos vendo por aqui ou em qualquer canto desta nossa diversa e grande vinosfera, saúde!

wine-smile-despagne

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Abreu Garcia Chardonnay e O Almoço de Domingo!

Neste Domingo, a sós com minha loira, decidi preparar um prato que qualquer cozinheiro meia boca, tipo euzinho aqui, pode fazer e se dar bem! Para acompanhar já tinha img_20161106_144348376separado minha última garrafa de Abreu Garcia Chardonnay que, lamentavelmente, terei que esperar um bom tempo até ter outra para tomar e vender, porque a safra não deu este ano devido a pésssimas condições climáticas e a de 2015 esgotou. Sou fã deste vinho sem madeira nenhuma, melhor que o amadeirado deles que acho excessivo, e de bom preço (R$60) que me dá especial prazer por seu equilíbrio sem perder a tipicidade do que se espera de um bom chardonnay. Já falei dele aqui quando o harmonizei com Fondue de Queijo, mas desta feita optei por acompanhá-lo com filé de Pintado coberto por um refogado (super simples de executar) de cebola, alho, tomate cereja, azeitona preta portuguesa e um punhado de alcaparras, acompanhado de purê de batata, ficou da hora!

Desta feita vou dar o passo a passo desta gostosa receita para quem estiver a fins, não requer grande habilidade, afinal, se eu que sou um zé mané na cozinha consigo,qualquer um consegue e é bastante rápido. Para duas ou três pessoas, separe dois ou três filés de pintado, uma cebola média fatiada fina,um dente de alho picado fino, umas oito azeitonas picadas, dez a doze tomatinhos cereja cortados em pedaços pequenos, 3 colheres de chá de alcaparra. Tempere os filés a gosto, eu uso um pouco de sal, pimenta branca moída na hora, um pouco de suco de limão, um fiozinho de vinho branco e uma pitada de tomilho. Deixe marinar uma meia hora. Enquanto isso prepare os outros ingredientes.

Primeiro dê uma selada dos filés usando uma frigideira com um fiozinho de azeite e meia colher de manteiga enquanto esquenta o forno. Depois de selados os filés (tipo 2 minutos de cada lado), separe e guarde numa forma que posteriormente irá ao forno. na mesma frigideira coloque mais um pouco de azeite e uma colher de manteiga, sobre o qual jogue toda a cebola e quando ela começar a ganhar cor, jogue o alho, em seguida o tomate e as azeitonas, refogue bem e no final termine com as alcaparras.

clipboard-pintado-1

Jogue esse refogado sobre o peixe de sua escolha (eu gosto muito do Pintado – peixe de rio) e leve ao forno já quente, 180º, por no máximo dez minutos. Retire sirva com purê ou arroz, tem gente que gosta dos dois, você escolhe. Isso tudo não dura mais do que meia hora, enquanto isso vá acompanhando com umas taças de vinho e um queijinho ou patê com torradas, porque cozinhar sem vinho não tem graça! rs O problema é que, como já comentou no face meu amigo Rui Miguel, quando sentamos à mesa já sobrou pouco espaço para acomodar mais comida, “but what the hell”, Domingo é mesmo para esses abusos gastronômicos! Prato sem frescura, mas o sabor!!! Estava bom demais da conta.

clipboard-pintado-2

Não precisa dizer que o vinho harmonizou perfeitamente e que o condimento principal, a presença de minha loira, fez a diferença. Essa última, a companhia, cabe a você achar a sua ou seu, mas garanto que faz a diferença porque sózinho não tem a mesma graça! Gente, uma ótima semana para todos e na Quarta tem mais, kanimambo e saúde, fui!!

Ps. Ia me esquecendo, vai fazer bonito, garanto!! rs

wine-smile-despagne

Salvar

Vinho na Dose Certa!

Às vezes, só ás vezes (rs), 187ml basta! Cá tenho guardadas umas garrafinhas dessas para aqueles momentos onde o vinho vai bem porém estou só ou minha loira só esteja a fim de bicar. Ás vezes me dou mal com esse “bicar”, rs, mas neste dia tudo nos conformes, deu certinho. Abrir uma garrafa, mesmo considerando que estas garrafas são, porcentualmente falando, mais caras que comprar uma normal de 750ml, evita o desperdício tanto de vinho quanto de din-din.

As garrafas de 375ml são práticas para o casal que não esteja a fins de tomar muito, mas aí sou fã e recomendo comprar a garrafa inteira de 750ml e na hora usar uma de 375 só para guardar o restante, compensa mais. Ah, mas como assim? Explico, calma! rs Ao abrir uma garrafa de 750 ml e já sabendo que é dia de moderação e não de pé na jaca, encho uma garrafinha de 375ml, de rosca e bem limpa, até a boca, fecho e geladeira nela. O vinho não tem tempo de aerar e tão pouco fica volume alto de campos-reales-e-risoto-funghioxigênio na garrafinha evitando potencial oxidação, o frio retarda a evolução tudo contribuindo para que esse vinho possa ser tomado normalmente em até a uma semana sem diferenças perceptíveis. Mais que uma semana não sei, os meus nunca duraram mais que isso! rs Muito melhor que qualquer VacuVin, garanto.

Voltando à minha garrafinha de 187ml, minha dose certa para Domingo passado. Estávamos só eu a loira, preguiça danada até para dar um pulo n mercado! Assei um hamburguer de Angus (passou demais! sniff) e preparei um risoto de Funghi que ficou da hora! Para acompanhar, o Montes Reales Tempranillo 187ml, foi perfeito. Acho esse vinho demais e até esta safra vinha ao Brasil sob o nome de Canforrales Classico. Como já mencionei antes, mas vale a pena repetir; “Vem de La Mancha,onde a uva é conhecida como Cencibel e é um vinho jovem (menos de 8 meses de barrica) , tem leve  passagem por madeira (americana e francesa de segundo e terceiro usos), taninos sedosos, boa estrutura, fruta fresca abundante (cereja bem presente), acidez presente e bem balanceada um ótimo gama de entrada para esta uva, um vinho que diz a que veio, porém com preço camarada!” Para acompanhar carnes grelhadas, queijo manchego, chorizo (lingüiça) fatiado,uma morcilla, gosto muiito, e deu muito certo com esse prato de risoto de funghi e hamburguer no prato.

Enfim, mais uma gostosa experiência que quis compartilhar com os amigos, porque há momentos para tudo e a enogastronomia não é só o glamour que muitos por aí lhe tentam impingir. Fui, ótimo fim de semana, saúde e kanimambo pela visita!

wine-smile-despagne

Salvar

Salvar