Falando de Vinhos

Revista quase que diária sobre os encantos e segredos de nossa vinoesfera.

Degustando os Frutos do Garimpo na Argentina

Quem esteve na minha última degustação com vinhos que escolhi em viagem pelas terras dos Hermanos argentinos, não se arrependeu, foi um show de grandes vinhos assemblage. Desta feita, trago algumas coisas novas que ainda estão por chegar e outras nem virão. Vinhos de diversas cores e estilos, vinhos para o seguidor de baco curioso e aberto a provar coisas novas, que não tem medo do inusitado!

Dia 13 de Novembro ás 20 horas na Vino & Sapore (click no link aqui do lado), Granja Viana

Como abertura, um saboroso e muito bem feito Espumante Nature de Pinot Noir da Fin del Mundo (Patagônia) que me surpreendeu muito positivamente.

Dando sequência, um branco único e muito diferente, preparem-se para algo que nunca lhes passou pela boca! Brutal Torrontés, esqueça tudo o que você já tomou desta uva!! Seiscentas garrafas, um branco vinificado como tinto, sem filtrar, um vinho laranja! Um vinho para quem gosta de se aventurar, um vinho que se odeia ou se ama, mas sempre um vinho intrigante!

Otra Piel Gen, o primeiro tinto, é um inusitado corte de Cabernet Franc mais Cabernet Sauvignon e Pinot Noir sem passagem por madeira. Algo “precioso” diriam os Hermanos.

Damos um pulo para um trio de tirar o chapéu!

Demente, um inusitado corte de Cabernet Franc, uva do momento na Argentina, com Malbec, para mim um dos melhores vinhos argentinos que provei ultimamente. Um curioso nome para um produto fruto da demência de um enólogo e seus parceiros.

33 de Dávalos da Bodega Tacuil elaborado em Colomé a 2700 metros de altitude em tanques de cimento sem passagem em madeira porém com uma estrutura e capacidade de guarda impressionante. Adoro este produtor que não está presente no Brasil pois sua pequena produção não o permite. Em uma outra oportunidade trouxe o RD dele, mas este é de um patamar bem mais alto!

Nasceu uma nova estrela, ainda não presente no Brasil, da Achával Ferrer, o Special Blend um corte divino de Cabernet Franc com Petiti Verdot de cair o queixo e pedir bis, o que vai ser difícil pois só tem uma garrafa, vinhaço!

Bomba, tem surpresa na área! Amostra do vinho ícone da Casa Montes Ícono que ainda não foi etiquetado e do qual este grupo foi o primeiro a provar fora do pessoal da Bodega. Aliás, uma grata surpresa essa Bodega sanjuanina de vinhos de ótima relação Qualidade x Preço e esse vinho ìcono mostrou muitas qualidades. Para o Brasil, se e quando vier, terá outro nome que também ainda ninguém sabe qual é e eu consegui uma garrafa para compartilhar com os amigos nesta degustação.

Queijos, azeite e pãozinho durante, porém ao final serviremos nossas (Caminito) já famosas empanadas, pois tem tudo a ver! O preço é de R$120,00 por pessoa a ser pago no ato da reserva e não aceitaremos mais do que doze reservas então melhor correr!

Liguem na Vino & Sapore e reservem já! Mail: comercial@vinoesapore.com.br Tel. (11) 4612.6343 ou 1433 das 11 ás 19 horas exceto Domingo (fechado) e Segunda quando abre somente às 15 horas.

Bem, por hoje é só e não sei se conseguirei postar algo mais até segunda, então fica aqui um kanimambo especial e nos vemos em breve.

Garimpando e Aprendendo num “Recorrido” Pela Argentina

Estou há quatro dias desbravando regiões produtoras argentinas que não conhecia fazendo jus ao prêmio que ganhei ao ser um dos três escolhidos pelo juri da WofA (Wines of Argentina) no concurso Harmonizando Vinho & Música. Alguns vinhos já tinham frequentado minha taça, outros não, e depois de alguns dias e mais de 70 vinhos adicionais ao currículo, tenho algumas descobertas que comentarei com os amigos no meu retorno. Aliás, aguardem para breve a data de mais uma degustação das pepitas que vou achando no caminho e que levarei para compartilhar com 12 amigos na volta.

Enquanto isso, podem me acompanhar no facebook (João Clemente) ou no Instagram joao.clemente.fv , porém como neste Domingo consegui um tempinho eis algo para vos manter entretidos.

10557272_932568523421519_1302182506060255175_nSão cerca de 26 produtores na região da Patagônia, Neuquen e Rio Negro, com seus vinhos apresentando um teor alcoólico algo mais baixo do que os de Mendoza e Salta e mostrando uma fruta mais fresca. As safras, como as do resto da Argentina não variam muito, o que lhes dá a condição de apresentar ano após ano vinhos de qualidade constante. Chove pouco, 120ml ano, porém os vales são férteis e formam verdadeiros oásis em função de da água abundante trazida pelos rios Neuquén, e Limay que se juntam para formar o Rio Negro. Alguns ótimos vinhos entre eles os de base Pinot Noir, Merlot, Cabernet Franc e até um surpreendente Riesling de vinhedos antigos (1937) eu provei.

A Patagônia ficou para trás e escolhi um produto diferenciado para a degustação da volta, um delicioso e muito bem elaborado Espumante Nature Rosé de Pinot Noir. Processo champenoise com 36 meses sur lie, algo único, não disponível no Brasil e que você que estiver nessa degustação vai ter o privilégio de o conhecer. Agora Mendoza (gosto muito), San Juan e La Rioja, vamo que vamo!

Em breve Falamos de Vinho e assim que der posto algo. Salute, kanimambo e seguimos nos encontrando por aqui ou nas outras mídias sociais. Uma ótima semana para os amigos.

Para Além do Vinho – Médicos Sem Fronteiras

Amigos, como sempre digo, o vinho não é tudo e há coisas muito mais importantes nesta vida como; a família, amigos, nosso dever e direito conquistado de eleger democraticamente nossos governantes, saúde não só nossa como de outros e aqui aproveito para ressaltar esse tema. Sim, porque todos nós deveríamos prestar um pouco mais de atenção ao que os Médicos sem Fronteiras vêm fazendo pelo mundo afora num trabalho realmente impressionante de muita dedicação e altruísmo puro. Hoje, mais de 35 mil profissionais, de diferentes áreas e nacionalidades, compõem a organização, que mantém projetos em cerca de 70 países tendo em 1999, recebido prêmio Nobel da Paz ou seja, gente e projetos sérios! Vejam no mapa (clique aqui) a amplitude geográfica dessas ações que realmente não possuem fronteiras, limitações raciais, religiosas ou políticas.

Falar de Vinhos é fácil, difícil é fazer o que esse pessoal faz e ao ver o tamanho da obra e a seriedade com que ela é executada, chega a arrepiar. Me senti compelido a fazer este post convocando os amigos a participar destas ações e me tornei um doador. Cada um doa o que pode e tudo ajuda os Médicos Sem Fronteiras a ajudar gente mundo afora, incluindo o Brasil. Veja só o resumo das atividades deles em 2012:

Médicos Sem Fonteiras
Porém podemos ajudá-los a fazer ainda mais se contribuirmos! Eu me tornei um doador mensal, vou abrir mão de uma garrafa de vinho por mês (rs), pequeno sacrifício para o bem que meu dinheiro trará! Veja só o que sua contribuição pode gerar de bom mundo afora onde os Médicos sem Fronteiras atuam:

  • R$ 30 (R$ 1,00 por dia) 2 crianças desnutridas com menos de 5 anos de idade sendo tratas mensalmente ou prover 320 crianças desnutridas com vitamina A que previne a cegueira.
  • R$ 60 (R$ 2,00 por dia) 1 pessoa por mês contaminada com HIV/AIDS recebendo tratamento e prolongando sua vida ou permite alimentar 20 pessoas diariamente.
  • R$ 84 (R$ 2,80 por dia) permite o tratamento mensal de 252 pessoas com cólera.
  • R$ 120 (R$ 4,00 por dia) permite vacina contra a meningite um total de 1.980 pessoas anualmente ou prover suprimentos médicos emergenciais para 200 pessoas mensalmente

Como veem, não há a necessidade de grandes fortunas para poder ajudar! O pouco de cada um junto poderá certamente ajudar um número considerável de pessoas e, podem acreditar, aqui nenhum partido político mama! Desapegue, eu entrei nessa luta e espero que você também. Quer saber mais e como pode ajudar,  deixe a taça de lado por hoje, clique no banner aqui do lado e faça algo por alguém.

Nasce Um Novo Blog

Como os amigos que me seguem há tempos já sabem, o projeto W.F.T.E. (Wine & Food Travel Experience) começa a sair do papel para entrar em prática e já com um uma programação para o primeiro semestre de 2015. Ainda é uma projeção e estou finalizando em breve os detalhes das duas primeiras (Mendoza e Uruguai) já com datas pré definidas. Caso, no entanto, alguma já desperte seu interesse me avise pois assim que o roteiro e custos estejam prontos entrarei em contato.

Tudo pertinente a esse projeto, inclusive o testemunho de quem comigo já viajou, diário de viagem com vinhos provados e comentários sobre as experiências gastronomicas vividas, tudo estará lá. Ainda faltam retoques e acertos finais, mas estou chegando lá!

WFTE - Viaje Comigo logo

A migração de Falando de Vinhos está sendo mais difícil do que prevíamos já que dos mil seiscentos e poucos posts escritos desde 2007, somente uns 270 aparecem e não sei se isso é algum problema técnico ou se fui vitima de hackers, veremos! De qualquer forma, os amigos empresários que quiserem falar com um seleto grupo de leitores, espalhados pelo Brasil e mundo afora, contate-nos pois estamos abertos para banners e links patrocinados, preferencialmente fora do universo de lojas e importadoras de vinhos, porém essas também poderão ser analisadas.

Por hoje é isso, salute e kanimambo.

 

 

 

Francos Reserva 2009 – De Volta às Origens

Olá meus amigos, bom dia e uma ótima semana para todos. Depois de muito falar de vinhos argentinos em decorrência de minha viagem e constantes degustações, volto às origens, a Portugal. Quero compartilhar com vocês um vinho que GarimpeirosIIdescobri há uns seis meses atrás e que fez minha cabeça, Francos Reserva 2009, um vinho de alta gama por um preço surpreendente.

Quem me acompanha sabe que sou um garimpeiro de achados, aquelas pepitas de todos os tamanhos, cores e preços que se escondem nessa imensidão que é nossa vinosfera. Vinhos que me deem a percepção de valor superior ao preço que paguei, e este é um deles.

Bons vinhos portugueses se acham em tudo o que faixa de preços e desafio qualquer um a, ás cegas, fazer um prova de vinhos entre R$25 a 40,00 (os do dia a dia) com qualquer dos países hermanos para ver quem leva! Em todas as gamas de qualidade e faixas de preços, os vinhos da terrinha se dão muito bem, todavia os bons vinhos encareceram, aliás, como boa parte dos vinhos dos Hermanos, para além do razoável razão do porquê este vinho ter me surpreendido tanto. Falamos de um vinho entre os TOP 100 escolhidos pela Revista de Vinhos em Portugal, um vinho de pequena produção sendo esta a primeira safra produzida em homenagem aos 30 anos de atividade de seu enólogo José Neiva, galhardeado com o titulo de Senhor Vinho, pela mesma revista, em função do conjunto de sua obra.

Foi um vinho que, à primeira fungada e primeiro gole, vi que estava diante de um caldo diferenciado. Nós que estamos habituados a exaltar os exuberantes e modernos vinhos alentejanos ou os sérios e complexos durienses, temos aqui uma mescla desses dois estilos mostrando que esta região também pode, e produz,Francos reserva II grandes vinhos. O Francos Reserva vem da região Lisboa, mais precisamente DOC Alenquer, produzido somente em grandes safras (até agora 2009/2011 e 2012) em quantidade limitada, tendo como composição majoritária a Touriga Nacional que é muito bem coadjuvada por Touriga Franca (duas uvas típicas do norte de Portugal) e Alicante Boushet (mais presente no sul). Um vinho que por terras portuguesas custa algo entre 30 a 35 euros!

Este vinho, pelo menos para mim, mostrou-se exuberante na boca e por que não dizer, algo enigmático conforme o descreveu a amiga Raquel Santos em seus comentários aqui mesmo. Já chama a atenção na primeira fungada onde a Touriga aparece de forma bem marcante com suas notas florais, chá preto com uma fruta vermelha (ameixa?) aparecendo por baixo desse pano numa paleta olfativa bastante interessante. É na boca, no entanto, que o vinho mais me marcou com ótima textura, um meio de boca frutado, rico e muito expressivo, bom corpo, notas de especiarias, final de boca fresco e longo que nos deixa pensando….! Os taninos estão bem presentes, porém já integrados, finos e aveludados formando um conjunto harmônico e extremamente apetecível. Meia horinha de aeração e uma garrafa será pouco! Rs

Depois da agradável sensação hedonista, vem a surpreendente sensação no bolso! Sim, porque se você vive do fruto de seu trabalho e não tem cartão corporativo liberado, este também é um fator de extrema importância. Pensando no que este vinho custa por lá, seria razoável prever que teríamos que desembolsar algo ao redor dos 300 Reais, daí para cima, o que o faria ser apenas mais um bom vinho caro. Ocorre que ele custa em torno dos 130 Reais e é aí que o vinho ganha uns pontos a mais e vira destaque já que o preço é muito similar ao que se paga em Portugal. Não sei quem tem “culpa” disso, se o produtor (DFJ) ou o importador (Lusitano Import), quem sabe são “cúmplices”, rs, porém adorei o resultado.

Enfim, mais um bom vinho português por aqui em Falando de Vinhos para abrir bem esta semana esperando que seja ótima para todos. Salute, kanimambo e agora nos encontramos por aqui!