Falando de Vinhos

Revista quase que diária sobre os encantos e segredos de nossa vinoesfera.

Menos, Menos, o Vinho Só Tem que Nos dar Prazer

Uma das coisas que me irritam em nossa vinosfera ainda é a mania de alguns em colocar o vinho num pedestal onde, em minha opinião, ele não deveria estar! Acho que o vinho é algo social, culturalmente uma bebida que nasceu para acompanhar comida, jantares, amigos em volta de uma mesa, coisa simples como o pão e o azeite. Não deveria ser algo complicado e cheio de mistérios, frescuras e salamaleques.

Está certo, existem segredos e misticismos que envolvem o vinho e o fazem especial entre o mundo das bebidas, porém devemos tratá-lo de uma forma mais simples e tentar não complicar. Deu prazer, ponto, objetivo alcançado! Um de meus melhores momentos com vinho foi numa tasca do interior de Portugal com um primo que há anos não via; direto da barrica num copo de requeijão acompanhando pataniscas de bacalhau feitas na hora! Tudo simples, tudo ótimo, e como Fernando Pessoa já dizia; “Tudo vale a pena Se a alma não é pequena.”

O titulo deste post veio em decorrência de uma experiência que fiz há poucos dias com alguns confrades. O tema que escolhi para o encontro foi, Uvas de Bordeaux na Argentina. Em Bordeaux os vinhos são essencialmente, há exceções, assemblages de diversas uvas autorizadas pela AOC, basicamente as; Cabernet Sauvignon, Cabernet Franc, Merlot, Malbec, Carmenére e Petit Verdot então escolhi 4 varietais para provar, todos vinhos muito qualificados: DV Catena Malbec-Malbec, Fabre Montmayou Gran Reserva Merlot da Patagônia, Angelica Zapata Cabernet Franc e Susana Balbo Signature Cabernet Sauvignon. Os vinhos estavam divinos sendo o Merlot uma das grandes surpresas da noite.

Varietais de Bordeaux

No dia seguinte, manhã cedo, hora da limpeza, verifiquei que as garrafas ainda possuíam algum caldo nelas, pouco, mas tinha. Decidi então produzir meu próprio assemblage, meu próprio “Bordeaux”! Partes iguais de Cabernet Sauvignon e Malbec (chuto uns 35% de cada), uns 20% de Cabernet Franc e finalizei com Merlot. Sem frescuras, só buscando prazer e deu certo. O vinho ficou muito aromático, fruta bem presente, aveludado e rico na boca, também olha só o que tive de matéria prima! Ainda vou querer reproduzir essa receita de forma mais técnica retirando uns 5% do Cabernet Franc e adicionando esse porcentual em Petit Verdot. Peguei as sobras da noite anterior e deu um belo almoço,

Tudo isso só para passar uma mensagem, solte-se! Tem gente que coloca gelo em vinho, outros coca-cola, ginger-ale ou seven up, tudo bem. Eu posso até não gostar ou discordar, mas dependendo do contexto e dos vinhos envolvidos, why not?! Viaje, experimente, faça coisas diferentes, quebre o establishment, seja infiel, curta a diversidade, se divirta. Nossa vinosfera não é tão séria e “amarrada” como alguns podem tentar lhe vender, então relaxe e curta a viagem sem preconceitos! O bom de nossa vinosfera é que não existem regras nem dogmas a serem seguidos então explore o infinito com vontade, aqui você pode e, numa dessas, você pode se dar bem, como eu!

Cheers, kanimambo e tenham todos um ótimo fim de semana. Semana que vem tem mais.

Três Brancos na minha Taça

O calorzão mais forte já se foi, mas os brancos seguem fazendo bonito na minha taça. Aliás, temos que parar com esse dogma de só tomarmos brancos no verão, nada a ver! Enfim, andei provando e tomando alguns brancos tanto nas confrarias que administro como nas degustações que promovo e ainda para escolher alguns novos rótulos para colocar na Vino & Sapore. Três desses bons vinhos provados compartilho agora com vocês, mas há outros ainda sobre os quais falarei mais tarde.
CAM01535Territorio Torrontés – de Salta, de onde vêm os melhores, exceção feita ao Benmarco de Susana Balbo, e de um produtor que consegue, como poucos, unir qualidade a bom preço. É da bodega Amalaya (Hess group) e não nega a raça, gostoso com bom preço. Nariz sutil, há controvérsias (rs), sem aquela intensidade típica de outros exemplares elaborados com esta uva, em que aparece um leve floral e frutos cítricos em especial a grape fruit. Na boca o frescor é vibrante, lima, um vinho muito saboroso que deve andar, os preços estão mudando, na casa dos R$45 a 48,00. Bom vinho na faixa de preço indicada, mas algo ligeiro na boca, para tomar a garrafa e eu o faria com comida japonesa.CAM01539

Ferreri Catarrato Terre Siciliane – a maioria nem sabe que esse é nome da uva, mas é. De origem siciliana, esta uva produz vinhos bastante interessantes e gostei bastante deste exemplar. Nariz sedutor, frutos tropicais, porém me veio algo de nectarina que me chamou a atenção. Na boca é fresco, seco, textura gostosa que pede a próxima taça e cativa, uma grande companhia para frutos do mar. Na casa do R$58,00, me parece bastante honesto para o prazer que produz, mas sempre podia ser algo mais barato se os governos ajudassem só um pouquinho, né?!

CAM01569Alvarinho Pouco Comum – eu falar de Alvarinho é algo um pouco, digamos, suspeito pois todos sabem o quanto eu gosto dela especialmente os de Portugal e do Minho, mas não só! O produtor é renomado, Quinta da Lixa, e o vinho mostra um meio de boca diferenciado mostrando uma personalidade própria. O nariz mostra boa tipicidade com notas limonadas, porém sua textura, volume de meio de boca, teor alcoólico algo mais alto (12,5%) e uma acidez mais equilibrada fazem a diferença e mostram porquê, talvez, tenham lhe dado esse nome. Não sou dos que recomendam Vinho Verde com bacalhau, mas com este eu iria numa boa especialmente de fosse um Bacalhau á Brás ou à Gomes de Sá, mas desta feita se deu muito bem com uma gorda tainha recheada com pirão! Na casa dos R$70,00 mais ou menos cinco, eis aqui um belo exemplar de Alvarinho a provar, eu gostei e acho que tem uma leve passagem por madeira, mas não consegui dados para corroborar essa afirmação.

Bem, por hoje é só. Cheers, kanimambo e seguimos nos vendo por aqui ou, quem sabem, numa de minhas viagens com a W.F.T.E (Wine & Food Travel Experience). Em Abril tem mais uma, feriado de Tiradentes, aguarde semana que vem maiores informações.

Depois do Carnaval, Uma Ode ao Vinho

Uma semana de férias do blog e para retomar meus escritos com uma homenagem ao Vinho e a quem o faz! Do viticultor ao enólogo, gente que coloca em cada garrafa um pouco de seus sonhos, de seu suor, de sua inspiração, de sua criatividade e de suas esperanças para que nós, seguidores de Baco, possamos alcançar o prazer que é seu principal objetivo. Não vou me meter a besta não, deixo com quem entende do riscado, Pablo Neruda.

Oda Al Vino

Vino color de día,
vino color de noche,
vino con pies de púrpura
o sangre de topacio,
vino,
estrellado hijo
de la tierra,
vino, liso
como una espada de oro,
suave
como un desordenado terciopelo,
vino encaracolado
y suspendido,
amoroso,
marino,
nunca has cabido en una copa,
en un canto, en un hombre,
coral, gregario eres,
y cuando menos, mutuo.
A veces
te nutres de recuerdos
mortales,
en tu ola
vamos de tumba en tumba,
picapedrero de sepulcro helado,
y lloramos
lágrimas transitorias,
pero
tu hermoso
traje de primavera
es diferente,
el corazón sube a las ramas,
el viento mueve el día,
nada queda
dentro de tu alma inmóvil.
El vino
mueve la primavera,
crece como una planta la alegría,
caen muros,
peñascos,
se cierran los abismos,
nace el canto.
Oh tú, jarra de vino, en el desierto
con la sabrosa que amo,
dijo el viejo poeta.
Que el cántaro de vino
al beso del amor sume su beso.

Amor mio, de pronto
tu cadera
es la curva colmada
de la copa,
tu pecho es el racimo,
la luz del alcohol tu cabellera,
las uvas tus pezones,
tu ombligo sello puro
estampado en tu vientre de vasija,
y tu amor la cascada
de vino inextinguible,
la claridad que cae en mis sentidos,
el esplendor terrestre de la vida.

Pero no sólo amor,
beso quemante
o corazón quemado
eres, vino de vida,
sino
amistad de los seres, transparencia,
coro de disciplina,
abundancia de flores.
Amo sobre una mesa,
cuando se habla,
la luz de una botella
de inteligente vino.
Que lo beban,
que recuerden en cada
gota de oro
o copa de topacio
o cuchara de púrpura
que trabajó el otoño
hasta llenar de vino las vasijas
y aprenda el hombre oscuro,
en el ceremonial de su negocio,
a recordar la tierra y sus deberes,
a propagar el cántico del fruto.

Cheers, salud e kanimambo, nos próximos dias volto a falar de vinho e de minhas experiências com esse caldo sedutor.

Loire o Jardim da França e Eterno Desconhecido no Brasil

O Loire é uma das mais lindas regiões da França produzindo vinhos excelentes porém um pouco fora da curva no gosto novomundista de vinhos potentes e viris. Estamos aqui diante de vinhos que primam pela finesse, pela elegância, pela sutileza mais do que pela força bruta e, talvez por isso ou pelos preços algo mais salgados, bastante desconhecido de nossa vinosfera tupiniquim.

Para mostrar um pouco da região e dos vinhos de lá, montei uma degustação temática que mostrará um pouco da região e, especialmente, seus principais vinhos. Veja só:

Dia 26 de Fevereiro, a partir das 20 horas, a primeira grande degustação temática do ano que realizarei na Vino & Sapore (Granja Viana) quando conheceremos melhor a região do Loire, suas principais AOC’s, suas uvas e seus vinhos ainda tão pouco explorados no Brasil. Nesta degustação temática com prova de alguns vinhos de muita qualidade escolhidos por mim especialmente para este evento, faremos uma visita virtual à região.

Loire
A região é especialmente pródiga nos vinhos à base de Sauvignon Blanc, de Chenin Blanc, da Muscadet (não confundir com Moscato) e de Cabernet Franc. Na taça, vamos provar a enorme diversidade de estilos e ver como uma mesma uva pode gerar espumantes, vinhos tranquilos secos, meio doces e doces com a mesma graça e qualidade. Como parceiros nesta empreitada, a Premium Wines, importadora que possui um dos melhores portfolios de vinhos da região, a Decanter e Vinci.

  • Vigneau-Chevreau Vouvray Brut (R$115,00) – PremiumSorry sold Out
  • Carré Muscadet Chasseloir Maine-et-Sévre sur lie 2013 (R$96,00) – Premium
  • Fournier Sancerre l’Ancienne Vigne 2011 (R$180,00) – Premium
  • Chateau de Tracy Mademoiselle T Pouilly-fumée 2012 (R$159,00) – Decanter
  • Domaine Huet Vouvray Sec Clos du Bourg 2011(R$214,00) – Premium
  • Pensée du Pallus Chinon 2009 (R$180,00) – Vinci
  • Domaine Huet Vouvray Moeilleux le Haut Lieu 2009 (R$269,00) – Premium

A região é berço da Tarte Tatin, então encerraremos o evento com o vinho doce Moielleux da Huet harmonizado com a célebre torta elaborada pelo amigo Ney Laux. Ao final, cada participante receberá um CD com imagens da região. Tudo isso por apenas R$135,00 por pessoa com café e estacionamento inclusos, pagos no ato da reserva.

Cheers, bom feriado e se alguém souber de um espaço em Sampa onde possa vir a realizar algumas destas degustações (tem gente reclamando que só faço na Granja Viana), me avise! Procuro um espaço onde possa reunir de 14 a 24 pessoas, eventualmente com comida. Kanimambo e um ótimo carnaval para todos. Eu estarei trabalhando, até porque alguém precisa matar a sede dos foliões né?!

* Eventuais troca de rótulos por produto similar ou superior poderão ocorrer.

Carnaval é Festa e Festa Tem que Ter Espumante!

Don Bonifacio - Taça

Tá bom, é bem mais fácil pegar sua fantasia ou abadá e sair de latinha na mão, mas nada igual a curtir um espumante e se tiver que ser no gargalo, que seja! Afinal, no carnaval vale tudo, ou assim dizem. Há inúmeros bons rótulos no mercado, sugiro os brasileiros, para todos os preços, ocasiões e gostos e, hoje, véspera de Don Bonifacio Brutcarnaval, minha dica de espumante é especial pois costuma ser presença habitual em casa na minha taça e, creio, ainda não escrevi sobre ele, Quinta Don Bonifácio Brut.

Abaixo de R$40,00 eu o elegi como meu preferido. Festivo, muito bem elaborado com perlage de boa qualidade, método charmat, blend de uvas chardonnay e merlot, é seco como deveria, mas sem perder a leveza, cítrico com notas de maça verde, algumas notas de levedura bem sutis, vibrante e fácil de agradar. Não faz feio com quem já é do ramo e satisfará aqueles foliões menos ligados nos caldos de Baco. Vem de Caxias do Sul e eu o reputo como uma ótima relação Qualidade x Preço x Prazer.

Se preferirem algo mais doce, recomendo seu Moscatel que também é muito bem feito privilegiando o equilíbrio entre acidez e doçura o que o faz menos maçante, algo que ocorre tradicionalmente com os moscatéis mais doces. Vai pular, vai casar, vai festejar, estes são ótimas opções a considerar. Os preços podem variar de região para região, porém creio que o amigo deverá encontrá-los variando entre os R$36 a 40,00, vale bem o que se paga!

Ah, mas não quero esse! Bem, para não dizer que só fiquei nessa dica, sugiro dois italianos que também curto muito. De Prosecco eu optaria pelo Cecilia Beretta Extra Dry e há um rosé dry que me encanta, pois a acidez vibrante faz um delicioso contrapeso ao leve residual de acucar, é o Contessa Borghel.  Bom carnaval, mas juizo que Baco não perdoa excessos, nem o bafômetro!

Cheers, kanimambo e seguimos nos encontrando por aqui, na Vino & Sapore ou em qualquer canto dessa gostosa vinosfera.