Falando de Vinhos

Revista quase que diária sobre os encantos e segredos de nossa vinoesfera.

Dois Italianos na Taça.

A família é uma só, mas com os pés nas duas principais regiões produtoras italianas, Piemonte e Toscana, e recomendo uma visita ao site deles clicando aqui > http://gaslinialberti.it/. Dois vinhos bem diferentes, mas igualmente suculentos, cada um com seu jeito, suas nuances e uvas. A meu ver, dois vinhos que valem o preço pedido (considerando-se nossa realidade) e que frequentam minha taça volta e meia e, por isso mesmo, quis compartilhá-los com os amigos. 
bricco-monferratoDo Piemonte Bricco San Giovanni Monferrato Rosso 2011 – Um vinho que conheci recentemente na busca por vinhos desta região para uma degustação temática. O frescor e fruta típica da Barbera (60%) se alia ao Merlot que aporta algo mais de corpo, cor e notas herbáceas ao conjunto. Passa seis meses em barrica de carvalho e afina em inox por mais seis meses antes de sair para o mercado. O resultado é um vinho bastante rico, boa textura, paleta olfativa de boa intensidade lembrando frutos do bosque, que deve acompanhar bem pratos de carnes com molho, pastas, risotos, mostrando-se bastante versátil. Recentemente o coloquei na degustação de uma confraria tendo sido um sucesso e uma surpresa para todos, vinho na casa dos R$115 a 120,00 em Sampa.
Da Toscana, Badia di Morrona Rosso dei Poggi 2013 – Aqui a protagonista é a Sangiovese, principal rosso-dei-poggiuva da região, que é complementada pela Cabernet Sauvignon, Merlot e um tico de Syrah. Um vinho que desde a primeira fungada me seduziu e o produtor tem história pois se situa num outrora mosteiro beneditino do século XI. Sem passagem por madeira, mostra-se muito aromático e intenso no nariz. com aromas de frutas vermelhas e ervas aromáticas. Na boca mostra-se de médio corpo, macio e equilibrado sendo uma ótima companhia para massas e pratos de carne menos estruturados ou condimentados, um vinho que me dá muito prazer tomar. No mercado o preço gira em torno de 90 a 95 Reais (em Sampa) e a distribuição é feita pela Lusitano Import que apesar do nome trabalha com vinhos de diversas origens.
Por hoje é só, fui! Saúde e kanimambo pela visita esperando vos rever por aqui em breve ou em qualquer outro ponto de nossa vasta vinosfera.
 

Salvar

Meus Mantras no Mundo do Vinho

Desde que comecei a divulgar e comentar este mundo dos vinhos regido por Baco, tentando compartilhar experiências e promover aquilo que encontro de bom em nossa vinosfera, tenho tentado fazê-lo de forma a desconstruir a imagem snobista e elitista que alguns construíram, pois nossa vinosfera precisa efetivamente de um trabalho forte de desmistificação e desconstrução! Quando dou cursos ou promovo alguma degustação temática, tomo por base esse conceito e uso como exemplo estes três pensamentos ou, talvez melhor, ensinamentos passados adiante por gente de respeito neste meio.  São meus mantras (rs) que hoje gostaria de compartilhar com os amigos leitores pensando sempre numa vinosfera mais real, com menos firulas, mais simplista porém não menos poética quando tem que ser na expressão das sensações que nos despertam.
Me fez lembrar quando com cerca de 14 para 15 anos desafiei meu professor de literatura inglesa ao ele me dar uma nota baixa quando da interpretação de um poema. Afinal, uma obra de arte não possui a capacidade de alcançar sua mente e coração de forma diferente gerando emoções diferenciadas em cada um? Por quê a minha percepção estava equivocada e não a dele? Ele esteve com o poeta ou este deixou algum escrito dizendo o que ele queria que cada um sentisse ao ler suas palavras? Lembro que tinha 14 anos, porém deixando de lado o aspecto mais ingênuo das colocações que fez com que minha nota fosse reduzida um pouco mais (rs), acho que isso se aplica muito à nossa vinosfera porque muito destes vinhos são poesias engarrafadas que falam (sim, quer os esnobes queiram ou não, eles falam) conosco de forma diferente, nos tocam e geram emoções diferentes em cada um de nós, deixando claro, a meu ver, que por estas bandas não existem verdades absolutas. Bem, já falei de mais, como de costume, então vamos aos mantras que regem minhas atividades no setor:
AlejandroDe Alejandro Vigil – Enólogo argentino, considerado um dos 30 mais importantes da vinosfera mundial, responsável por alguns dos melhores vinhos argentinos da atualidade
Porque tenemos la tendencia de lo absoluto ? Porque alguien tiene que decir su verdad como única ?  Los vinos para cada persona significan algo distinto, siente algo distinto , ven cosas distintas … Cada quien sentirá la mineralidad , verticalidad , frutas rojas o negras, para otros simplemente le gustara o no . Pero nadie puede decirte a vos que sentís o que piensas . El vino por definición es plural y diverso, nadie tiene la última palabra es tus gustos y sensaciones solo vos “.

De Saul Galvão – Saudoso e insubstituível mestre da crônica enogastronômica de nossa vinosferasaul 11 tupiniquim que com todo seu conhecimento não só pregava a humildade  no trato do vinho como a praticava em seus escritos, palestras e até nos eventuais encontros com seus seguidores como eu que tive a rara oportunidade de o encontrar uma vez tomando sua taça no shopping Iguatemi e trocado com ele dois dedos de prosa.Uma pessoas extremamente afável, faz falta!

“Quando se fala em vinhos, nunca há uma palavra final, mas sim opiniões, que podem ou não ser bem sustentadas. No final, só uma opinião importa, a sua. O vinho só existe para dar prazer, se ele deu prazer, cumpriu sua função, independentemente de regras cânones e opiniões alheias. Costumo dizer que o vinho precisa descer do pedestal no qual foi colocado por alguns esnobes e pretensos entendedores e ser colocado em seu lugar, que é o copo. Nada mais chato que um esnobe do vinho, que fala pomposamente, como se ele fosse o único ungido a entender termos herméticos”

Aubert-de-Villaine-1-docAubert de Villaine – é co-proprietário e co-diretor do Domaine de la Romanee-Conti na Borgonha, responsável de alguns dos vinhos mais caros do mundo, sendo proprietário de uma vinícola em Bouzeron na mesma Borgonha e outra ainda, na Nappa Valley tendo sido um dos juízes no famoso Julgamento de Paris em 1976.  

“Não fico surpreso que as pessoas não identificam estes aromas todos nos vinhos que compram, eu mesmo não sou capaz de reconhecê-los. Aliás, acho isso muito aborrecido, não estou interessado nisso e sim na personalidade do vinho.

Creio que fica claro, não por minhas palavras mas nas deles, que não há porquê se assustar ou se sentir frustrado se você não achar nos aromas ou nos sabores o que o produtor imprimiu no contra rótulo ou o que determinado crítico tenha escrito sobre o vinho. No final, tudo isso são meras indicações e serem sorvidas com a devida parcimônia. Curta os vinhos que achar que valem a pena, da forma que mais lhe convier lembrando que, se lhe deu prazer o resto é acessório! Pode até agregar, mas o importante mesmo é que o você sentiu. Fui, fico por aqui hoje, uma ótima semana para os amigos que hoje me deram o privilégio de sua visita, Kanimambo e seguimos nos encontrando por aqui ou por aí nas estradas de nossa vinosfera tupiniquim!

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Vinhos Ibéricos em Destaque

Wine globe 3Os vinhos portugueses e espanhóis vêm tendo destaque no mundo inteiro e no Brasil não é diferente. Sua participação no mercado brasileiro vem crescendo bastante com os vinhos apresentando uma relação PQP (Preço x Qualidade x Prazer) incomparável em sua faixa de preço, especialmente nas gamas média e de entrada. Eis duas boas notícias recebidas hoje e que quis compartilhar com os amigos.

 

O Paco & Lola Albariño (importada pelos amigos da Almeria) foi escolhido como o melhor vinho branco da Galícia. Eu conheço diversos vinhos brancos da região e ser o melhor entre eles é certamente um feito a ser comemorado.

Paco e Lola o Melhor

De Portugal, ou melhor da Alemanha, vem a notícia de que a DFJ Vinhos, conceituado produtor de vinhos portugueses, levou o troféu de melhor produtor português de vinhos tranquilos na Berliner Wein Trophy. Alguns destes rótulos, destacados em azul na lista abaixo, estão disponíveis no Brasil trazidas pela Lusitano Import, exceto pelo Bigode que não sei quem traz. Eis o press release recebido e dos rótulos em destaque, conheço todos e recomendo!

A DFJ Vinhos, um dos mais inovadores e reconhecidos produtores de vinho em Portugal, recebeu no Berliner Wein Thophy 2017 o troféu “BEST PRODUCER “Still Wine” PORTUGAL”.
Para além disso recebeu ainda uma medalha de duplo ouro, cinco ouros e duas pratas com os seus vinhos, cuja listagem segue abaixo.
Este concurso alemão é um dos mais respeitados no mundo, sendo de enorme importância para as empresas produtoras que apostam na Exportação.
O Engº. José Neiva Correia, enólogo-chefe e administrador da DFJ Vinhos considera que “estes prémios são um reconhecimento do trabalho que temos feito e muito expressivos do empenho e exigência que temos na produção dos nossos vinhos”.

DFJ proweinMedalha de Duplo Ouro

Paxis DOC Douro 2013

Medalhas de Ouro

Escada Reserva 2013 – DOC Douro,
Patamar Reserva 2013 – DOC Douro
Bigode red 2015 – Vinho Regional Lisboa
Vega 2013 – DOC Douro
DFJ Touriga Nacional & Touriga Franca 2014 – Vinho Regional Lisboa.

Medalha de Prata

Paxis Pinot Noir 2013 – Vinho Regional Lisboa
Grand’Arte Alvarinho 2016 – Vinho Regional Lisboa

Bom proveito e apostem nos vinhos Ibéricos, se é que ainda não entraram nessa onda, pois valem muito a pena. Da gama de entrada, tão competitiva quanto argentinos e chilenos se não mais, aos vinhos mais caros e divinos, há para todos os gostos, estilos e bolsos. Embarque nessa viagem, garanto que vale a pena. Fui, saúde e kanimambo pela visita. Um ótimo fim de semana para todos.

Salvar

Salvar

Boa Família de Vinhos Chilenos – Nancul!

Já faz um tempinho que não comento vinhos chilenos, porém pretendo mudar isso a partir de hoje compartilhando com vocês alguns rótulos chegando ao Brasil agora e outros há tempos aqui porém pouco conhecidos. Hoje começo falando do Nancul, uma linha de vinhos produzida pela Hugo Casanova e importada pela Lusitano Import com exclusividade para o Brasil.

nancul familyNancul Family Reserve 2012, um jovem ainda em plena adolescência! Na minha percepção de valor é um vinho para algo ao redor de uns R$150 a 160,00 e só por isso já me dá muita satisfação apresentá-lo aqui pois seu preço médio é de R$115 a 125 ou seja, ficamos com a sensação de que nos demos bem! rs

Um blend de Cabernet Sauvignon com Syrah, Ainda novo, mostra bastante estrutura com taninos firmes, robustos mas finos, bom volume e textura de boca, sem goiabas nem pimentão (apesar de chileno – rs), fruta abundante, complexo e denso na boca, aromas de frutos do bosque negros (mirtilos e coisas do tipo) com um toque de especiarias, a meu ver um vinho que poderia até passar por uns 30 minutos de aeração ou até guardar por mais uns dois anos, mas acho isso tarefa das mais difíceis! rs  Dez meses em tanques de inox, depois passa for 15 meses de barrica e descansa 10 meses em garrafa para afinamento e nosso deleite, senhor vinho!

Nancul Collection Reserva Malbec 2015 – Gama média desta linha e arriscaria dizerNancul malbec que a percepção de valor deste vinho andaria ao redor de 70 a 75,00 a garrafa, porém para nosso deleite o preço final ao consumidor está em torno de 60 pratas, mais uma ótima compra.

A Malbec, de um terroir menos conhecido mas que gera varietais muito interessantes só que em estilo diferente do que estamos acostumados da Argentina. Pessoalmente achei muito legal este Malbec chileno num estilo menos potente e mais elegante de taninos finos e fruta abundante porém sem aquela fruta super madura muitas vezes encontrada nos vinhos argentinos de baixo preço. Um vinho que surpreende, até em função do preço, muito agradável de tomar, de corpo médio e sedoso final de boca, para tomar sem parcimônia e muito versátil de harmonização, do hamburguer, passando pela pizza até um bacalhau ao forno! Para tomar muitas sem cansar, o que nem sempre se consegue com os vinhos argentinos similares, com os amigos num bate papo informal, um vinho que fez minha cabeça nesta gama de preços.

Este primeiros dois vinhos fizeram parte dos Frutos do Garimpo de Junho, mas já tive oportunidade de conhecer o Cabernet Sauvignon da linha básica deles, a Classic, que está numa faixa de preços entre R$40,00 a 45,00. Mostrou boa densidade de boca, aromas convidativos típicos da cepa, taninos aveludados, médio corpo, apresentando características de um vinho de valor mais alto. Dei a degustar a mais dois amigos que fizeram uma avaliação muito positiva pois o acharam um vinho de uma faixa  entre R$60 a 70,00. Nessa faixa encontrar qualidade está cada vez mais difícil, então fiquei bastante feliz ao me deparar com este rótulo.

Ainda tenho mais dois vinhos a provar, o Merlot e o Carmenére da linha Elegant, vinhos que ficarão colocados num segmento entre o Classic e o Reserva. Deles falarei em outro post semana que vem, mas o que começa a se firmar como marca característica desta família de vinhos é de que estamos diante de rótulos muito competitivos em todas as faixas de preço entregando bem mais do que pagamos por eles, verdadeiros achados que fazem a alegria de nós consumidores. A precificação, ainda mais nos dias de hoje, é essencial e acho que a Lusitano Import (importador da marca Nancul) acertou a mão, pelo menos do ponto de vista do consumidor, trazendo-nos vinhos com excelente relação Qualidade x Preço x Prazer!

Por hoje é só, kanimambo pela visita e seguimos nos encontrando por aqui ou por aí numa das muitas esquinas de nossa vinosfera. Fui, saúde e boa semana a todos.

 

Fondue & Vinho, Parceiros do Inverno

O inverno chegou e, desta vez, com um friozinho gostoso e mais constante, especialmente à noite. Uma dica é curtir o friozinho se saciando com um gostoso fondue de queijo, um saboroso vinho e, para fondue1quem pode, o calor de uma lareira acesa e a companhia certa, poucas coisas tão gostosas e tão românticas. Fondue, originário da Suiça e outrora muito elitista em nossas terras tupiniquins, sempre foi algo muito corriqueiro em países europeus de inverno mais rigoroso e, aqui, começa a ganhar um status diferenciado até porque não exige grande conhecimento para elaborá-lo e tão pouco é caro. Com os pacotes prontos para uso e de custo bastante baixo, basta comprar um kit para fondue e começar a curtir sem grandes gastos e, ainda por cima, tem aquele tempero romântico quando “harmonizado” a dois. Um pacotinho desses de fondue de queijo, os puristas vão se revoltar mas é bem mais prático e bom, serve duas pessoas numa boa e, se quiser algo mais, complete com um de chocolate e frutas, bom demais! Eu tenho sempre umas caixinhas de uma marca suiça na despensa, nunca se sabe quando dá vontade, então …..

               Na hora do fondue sempre fica uma pergunta, que vinho tomar? No de carne é fácil; vai-se de tintos, macios, taninos sedosos e “amistosos” ausentes de qualquer adstringência mais acentuada, pelo menos em minha opinião, afinal isto não é churrasco! rs Quanto ao de queijo, há seguidores tanto do branco como do tinto e não existe regra, vá com o que fondue2você mais gosta. Pessoalmente, gosto de harmonizar meu fondue de queijo com um vinho tinto pouco tânico, leve e fácil de beber sem se contrapor ao queijo, mas não deixo de tomar meus brancos também, até porque gosto de variar. Nos brancos devemos evitar aqueles muito citricos e florais de acidez acentuada que, tradicionalmente, são mais companheiros  para frituras, preferindo aqueles um pouco mais untuosos e de maior estrutura porém sem muita madeira devendo ser tomados frescos, mas não muito gelados. Qual o melhor? Bem, eu cá tenho minhas preferências, mas isso depende de disponibilidade financeira e gosto, então já que o inverno promete ser bastante frio, aproveite os próximos 30 dias e não se acanhe, teste diversas combinações e depois, compartilhe conosco qual você mais gostou.  Como costumo frisar, não precisamos gastar rios de dinheiro para curtir momentos destes apesar de que, se alguém quiser fazer bonito e tiver bala na agulha, existem inúmeras opções muito saborosas com preços mais altos.

Fondue chocolate               Para acompanhar o fondue de chocolate, não existem muitas opções e talvez a melhor harmonização seja um Banyuls ( da região de Roussillon no sul da França) como o Chapoutier (Mistral) ou um Vinho do Porto Ruby, eventualmente um Reserva ou até um LBV com alguns anos de garrafa, apesar destes talvez virem a apresentar uma concentração e nível alcoólico um pouco altos demais. Agora, também não precisa ser xiita, vai de fondue sem vinho que vale também, importante é o momento.

Ah, mas eu só falei de queijo e chocolate! Bem, é que a harmonização de fondue de carne, como já falei, é muito mais simples e recai, essencialmente, nos vinhos tintos. Por outro lado, apesar de ser muito simples de fazer, o fondue4segredo para o fondue de carne é a variedade e qualidade dos molhos ofertados como acompanhamento o que pode transformar um momento agradável num verdadeiro desastre. Então, se quiser uma dica, trabalhe bem os molhos! Quanto aos vinhos, mais uma vez depende do gosto de cada um lembrando que o vinho tem que primeiramente, na minha opinião, harmonizar com as pessoas e só depois com o prato, melhor com os dois! Eu acho que um Syrah de médio corpo com pouca ou nenhuma madeira é coringa nesses casos.

Caso queira servir vinhos um pouco mais encorpados com seu fondue de carne, sugiro os de corpo médio, não muito pesados, de taninos mais macios com pelo menos uns dois anos de garrafa para que não briguem com a diversidade de molhos servidos.

Por quaisquer cem a cento e vinte pratas você já consegue fazer a festa com fondue de queijo, chocolate e um vinho para duas pessoas. Lógico dá para sofisticar e aí o custo aumenta, mas não existe desculpa para você deixar de aproveitar este friozinho para namorar e se deliciar com vosso Fondue & Vinho preferido. Quer juntar os amigos e curtir, então a dica é expandir esse universo e começar com fondue de queijo e vinho branco, depois de carne com tinto e termine com o de chocolate. Afora se divertirem, certamente a noite será muito saborosa e alegre.

Para quem preferir botar a mão na massa eis alguns links de receitas;

Não testei nenhuma, mas…….salute e bon apetit! Kanimamab pela visita nesta semana pouco produtiva por aqui. Semana que vem tem mais.

Ps. Revisado de post primeiramente publicado em Julho de 2009.

 

Salvar

Salvar

Frutos do Garimpo de Maio foi de Malbec

Porém algo diferente, mostrando a versatilidade da uva que produz os mais diversos estilos de vinho. Para ilustrar isso e contando com a parceria da Wine Lovers e da Galeria de Vinhos assim como da Barrica Negra que lamentavelmente encerrou as atividades como importadora, trouxe aos confrades e confreiras cadastrados um espumante, um vinho tradicional tinto e um late harvest. Vejam abaixo o que rolou:

Vicentin Rosado brutVicentin Rosado de Malbec Brut, da Galeria de Vinhos, elaborado pelo método clássico, 12 meses de autólise, com um mix de uvas de cinco vinhedos diferentes em Lujan de Cuyo (Mendoza). Linda cor salmonada, fresco, ótima perlage, cítrico, bom volume de boca, acidez equilibrada que combinou ás mil maravilhas primeiramente com o bate papo entre os amigos e posteriormente com uma deliciosa Burrata sob uma cama de tartar de salmão. Um espumante que surpreende por sua textura e de que gosto muito e olha que provo de montão! rs Preço sugerido pela importadora, R$148,00

Penedo Borges Reserva Malbec é isso, um vinho de boa pegada, porém refinado.penedo Borges Malbec Reserva Elaborado com um toque de Cabernet Sauvignon e Syrah que lhe dá um tempero especial, o vinho passa por envelhecimento em barricas francesas (70%) do vinho e americana por 8 meses e posteriormente afina em garrafa por mais uns seis meses antes de sair ao mercado. Muita fruta negra (ameixa), ótima textura de boca com uma entrada marcante, boa estrutura de meio de boca terminando com toque de especiarias e notas tostadas com taninos finos bem presentes, mas sem ferir o palato. Extração no ponto, sem exageros, harmônico, um vinho que dá prazer tomar e certamente acompanhará um bom bife de chorizo com galhardia. O preço de mercado indicado pela  importadora parceira (Wine Lovers) é de R$99,00

vinserusVinserus Malbec de Otono, da Barrica Negra (com ativididades encerradas), um colheita tardia tinto que surpreende quem o prova em função da qualidade que ele entrega por um preço bem camarada. Os bons colheitas tardias tintos de Malbec existentes no mercado costumam andar na casa dos 100 reais e este a cerca de 60 já era um achado, pena que acabou! Desde o primeiro momento que o conheci há um bom par de anos atrás, me encantei, doçura no ponto, muito equilíbrio balanceado por uma acidez muito bem trabalhada. Notas frutadas típicas da malbec, porém compotada, toque levemente doce de açúcar mascavo e taninos aveludados, macios já muito bem integrados ao longo de seus dez anos de vida, pois este é de 2007.

Para acompanhar o Vinserus, excepcionalmente, um saquinho das famosas (aqui na Granja Viana) Ballas de Chocolate da Isabela Amaral, receita de família elaborada BallasChocolate_22artesanalmente com muito esmero e absolutamente deliciosas, para você harmonizar. No entanto,  sobremesas de chocolate a nível geral são uma ótima pedida e se tiverem um toque de frutas vermelhas então! Costumo dizer que esta Ballas vão muito bem acompanhadas de um bom vinho de sobremesa, Porto Ruby, Banyuls, Late Harvest de Malbec, etc., mas o gostoso delas é que também vão muito bem só! De qualquer forma, a Balla já escolhida, o acompanhamento fica por sua conta ou, neste caso, por minha! Clique no link para ver mais e fazer suas encomendas, rs.

Um bom fim de semana para todos, com ou sem Malbec (rs), porém sempre com boa companhia pois faz muita diferença! Saúde, kanimambo e seguimos nos encontrando por aqui ou em qualquer esquina desta vasta vinosfera, fui!

Salvar

Salvar

“Actualmente No Hay Vinos Pesados y Ni Exagerados en Argentina”

Assim disse James Suckling, critico internacional, em uma matéria parcialmente reproduzida no último dia 22 de Junho pelo site argentino WINE MDQ . Quase verdade, na minha opinião porque há gente que persiste por filosofia, gosto ou por meras razões james sucklingcomerciais por ainda existir quem compre. Nada contra, há gosto e mercado para tudo, porém fica claro que há uma revolução ocorrendo, uma mudança radical de filosofia em resposta aos mercados e suas demandas. Não é de hoje, para quem presta atenção e é menos conservador, essa onda já vem faz um tempo e eu falo disso aqui já faz alguns anos. Está se deixando de lado as bombas tânicas e alcoólicas, os vinhos super extraídos, por vinhos de maior elegância, mais finos com maior estudo dos terroirs.

Esse estudo maior dos terroirs, dos microclimas existentes fez com que novas áreas de plantio fossem desbravadas, castas fossem exploradas e novos vinhos surgissem. Os excessos foram substituídos pela moderação e equilíbrio com o surgimento de grandes vinhos brancos, vinhos single vineyards, cabernet francs, deliciosos e complexos blends, uma pena que essa nova realidade tenha tanta dificuldade de se tornar conhecida da maioria dos consumidores brasileiros.

“Not heavy and not overdone—that’s where Argentine wines are now”  diz James Suckling, e nisso eu concordo com ele, pelo menos quanto a uma boa leva dos novos vinhos hoje sendo elaborados por lá. Leia a matéria de James Suckling sobre o tema clicando aqui, com as notas dadas aos vinhos, talvez algo exageradas na minha opinião que sou mais mão fechada nesse quesito, que comprovam essas mudanças. Dos 900 vinhos provados neste tour dele de 2017, nada menos que 56 tiveram notas acima de 95 pontos entre eles (ver a lista completa no link da MDQ acima) selecionei os top 10 listados :

CATENA ZAPATA CHARDONNAY MENDOZA ADRIANNA VINEYARD WHITE STONES 2014
99 Puntos
EL ENEMIGO CABERNET FRANC GUALTALLARY GRAN ENEMIGO SINGLE VINEYARD 2013
99 Puntos
VIÑA COBOS MALBEC MENDOZA COBOS CHAÑARES VINEYARD 2014
99 Puntos
TERRAZAS DE LOS ANDES MALBEC LAS COMPUERTAS LUJÁN DE CUYO SINGLE PARCEL LOS CEREZOS 2013
98 Puntos
CATENA ZAPATA MALBEC MENDOZA ADRIANNA VINEYARD FORTUNA TERRAE 2014
98 Puntos
TRAPICHE MENDOZA ISCAY SYRAH VIOGNIER 2014
98 Puntos
TERRAZAS DE LOS ANDES MALBEC VALLE DE UCO SINGLE PARCEL LOS CASTAÑOS 2013
97 Puntos
CATENA ZAPATA MALBEC MENDOZA ADRIANNA VINEYARD MUNDUS BACILLUS TERRAE 2014
97 Puntos
EL ENEMIGO CABERNET FRANC MENDOZA GRAN ENEMIGO CHACAYES SINGLE VINEYARD 2013
97 Puntos
SUSANA BALBO WINES VALLE DE UCO NOSOTROS 2012
97 Puntos

Agora, se você for algo São Tomé, faça que nem eu, confira, Prove! Meu maior desejo neste momento, falando de vinhos argentinos, é o Chardonnay White Stones que vem sendo altamente elogiado e é o topo desta lista! Imaginem, quem diria que um dia um chardonnay poderia ser topo de uma lista dos melhores vinhos argentinos??? Ansioso por provar, só preciso achar e ter o din-din para isso, rs, porque o bicho não é fácil de achar e é carinho, doações serão aceitas!! rs Por sinal, o amigo Alejandro Vigil deu show nessas notas do Suckling, afinal desses top 10 ele e sua equipe são responsáveis por cinco dos vinhos e na lista de acima de 95 pontos tem bem mais que isso! Enfim, por hoje o tema foi esse, mas sigo antenado e compartilhando com os amigos sempre que possível. Saúde e kanimambo pela visita.

Salvar

Córdoba, na Argentina, Produz Vinho??

Sim, desde o século XVI quando os jesuítas plantaram as primeiras vinhas nas Sierras de Cordoba, região rica em microclimas porém muito pouco conhecida entre nós. Sabemos que 90% ou mais do vinho argentino vem de Mendoza  e, no máximo, é de conhecimento geral que há produção também na Patagônia, Salta, San Juan e Rioja, porém dos cerca de 15 produtores de Cordoba, pouco se sabe e eu tão pouco, primeiros goles estes! rs
Quando há cerca de dois meses participei de um almoço/degustação com Matias Michelini e seus vinhos, fomos surpreendidos pela presença de dois outros produtores. O Germán de que já falei aqui, e Pablo Asef de quem venho falar hoje. Um produtor biodinâmico, La Matilde comarca biodinâmica produzindo queijos de cabra, mel, ervas, verduras, compotas de tomate e agora vinho com a consultoria do Matias. Por enquanto a capacidade instalada é de 15.000 garrafas anos em quatro hectares de onde sai este bom e raro Tannat, da qual apenas 1.300 foram produzidas. Com cinco ovos de concreto a Bodega instalada a cerca de 800 metros de altitude na base do Cerro Champaquí, tirará da safra de 2017 suas primeira garrafas totalmente integradas (vinhedos e bodega próprios) e estou curioso por conhecê-lo.
Pelo que me informaram, a região ainda em em formação e desenvolvimento de vinhas, tem boas Sierra Roja tannatcondições climáticas para as uvas que pedem regiões mais quentes. Até perguntei sobre a Petit Verdot e sim, poderá até vir a ser uma casta a ser explorada. No momento o projeto é também de um Malbec, o Tannat, um Cabernet Sauvignon e no futuro um blend dos três. Se conseguirem um tico de Petit Verdot só para colocar nesse blend, deverá ficar da hora!! rs
Enfim, o vinho que nos foi apresentado foi esse Sierra Roja Tannat 2016, a primeira safra do vinho, que nos surpreendeu e ainda não está disponível no Brasil. Muito fresco nos aromas, na boca mostra sua raça, meio de boca bastante estruturado e denso, frutos escuros, final com taninos  sedosos e arredondados ainda por integrar porém mostrando já bom equilibrio, alguma especiaria, fresco e longo. Em minha modesta opinião, diferente dos uruguaios (menos austero) e os de Salta (menos fruta), por isso mesmo um vinho de personalidade própria que reflete o seu terroir de forma mais verdadeira, sem querer ser mais nada do que ele é, um vinho minimalista! Não é um vinho barato, lá creio que anda na casa dos 950 pesos, mas certamente gente em quem tem que se prestar atenção no futuro já que novas fronteiras começam a ser desbravadas de forma mais atuante.
Uma ótima semana para os amigos e grato pela visita, espero continuar vendo-os por aqui ou qualquer esquina desta nossa  imensa vinosfera. Saúde e kanimambo!

Salvar

Destaques do Wine Tasting de Maio

Há poucas semanas tive a oportunidade de, em parceria com a Lusitano Import e a Wine Lovers, promover um Sábado de provas com 14 vinhos, queijos e pães artesanais na Vino & Sapore. Todos os 50 convivas presentes aproveitaram bem o evento, mas como bom anfitrião fiz questão de provar tudo, mesmo tendo selecionado os vinhos pessoalmente antes. Baseado em minha percepção pessoal e ao resultado de vendas, mesmo sabendo que todos eram de muita qualidade em sua faixa de preço, oito vinhos se destacaram e gostaria de os compartilhar aqui com quem não pôde estar presente.
20170528_103726
Burson Rosato Brut (Lusitano) – Espumante rosé á base de uma uva rara e pouco conhecida, a Longanesi. Um espumante marcante, com personalidade própria, boa estrutura que surpreende quem acha que todos os espumantes rosés são aquela groselha clara e sem graça, este é um outro mundo! Cor acobreada, complexo, vale experimentar!!
Chateau la Thou Rouge Collection (Wine Lovers) – Languedoc, de vinhedos com mais de 30 anos, blend de Syrah (70%) com Grenache, bem frutado, macio, descomplicado, vinho bem versátil, blend francês de ótimo preço que surpreende, abaixo das 70 pratas! Quem foi que disse que vinho francês barato é ruim???
Nancul Malbec Reserve Collection (Lusitano) – achei muito legal este Malbec chileno num estilo menos potente e mais elegante de taninos finos e fruta abundante porém sem aquela fruta super madura muitas vezes encontrada nos vinhos argentinos de baixo preço. Numa faixa abaixo das 60 pratas, um vinho que, junto com o Le Thou acima , formou a dupla de Best Buys do dia.
Tricky Rabbit Pinot Noir/Syrah Reserva (Wine Lovers) – também do Chile, a leveza da Pinot Noir com o tempero da Syrah que lhe dá um final especiado e um pouco mais de corpo, um vinho muito agradável e fácil de agradar quem gosta de vinhos mais leves porém não abre mão de uma certa complexidade. Oito meses de barricas usadas que só enaltece o vinho sem jamais se sobrepor, aromas florais e notas algo defumadas, fruta acentuada na boca com final levemente tânico e sedoso de média persistência.
Finca Agostino Chardonnay/Viognier (Wine Lovers) – um branco argentino para quebrar preconceitos de quem diz que vinhos branco não emplacam, emplacam sim, desde que as pessoas os conheçam, um dos vinhos que mais venderam no dia apesar de um preço algo mais alto, pouco acima dos 100 Reais. Aromas de boa intensidade de frutos tropicais, muito saboroso, com notas de maçã verde sobre uma base algo abaunilhada típica da Chardonnay com passagem de seis meses por barrica sur lie. Um vinho sedutor e bem balanceado.
Finca Agostino Syrah/Malbec (Wine Lovers) – mais um belo vinho deste produtor mendocino, muito rico, frutado e de corpo médio, com meio de boca muito rico, taninos aveludados e um final de boa persistência que pede a próxima taça. Com 70% de Syrah, as uvas são vinificadas em separado e passam por um estágio de 10 meses de barrica francesa antes do blend ser feiro repousando em garrafa por seis meses antes de sair ao mercado. Especiarias e fruta muito bem equilibrados num vinho que, a meu ver, se mostrou complexo e encantador.
Nancul Family Reserve (Lusitano) – belo e encorpado corte de Cabernet Sauvignon e Syrah que, dentro de sua categoria, arriscaria dizer ser também um Best Buy porque a percepção de valor é bem superior ao preço. Ainda novo, mostra bastante estrutura com taninos firmes, robustos mas finos, bom volume e textura de boca, sem goiabas nem pimentão (apesar de chileno), fruta abundante, complexo e denso na boca, aromas de frutos do bosque negros (mirtilos e coisas do tipo) com um toque de especiarias, a meu ver um vinho que poderia até passar por uns 30 minutos de aeração ou até guardar por mais uns dois anos, mas acho isso tarefa das mais difíceis! rs  Dez meses em tanques de inox, depois passa for 15 messes de barrica e descansa 10 meses em garrafa para afinamento e nosso deleite, senhor vinho!
Burnside Road Sunset Road Red Blend (Wine Lovers)- Sub região de North Coast na Califórnia um vinho não safrado, blend de  que seduziu a maioria por sua sutileza, equilíbrio e finesse. Para quem gosta de vinhos robustos, esta não deve ser sua escolha pois este exemplar prima pela elegância e sutileza de sabores formado um conjunto muito harmônico.
Neste próximo Sábado (24/06/17) tem mais uma gostosa experiência dessas com a realização do segundo Saturday Afternoon Wine Tasting na Vino & Sapore, centrinho da Granja Viana, com a participação das importadoras Almeria e Galeria de Vinhos assim como do Mestre Queijeiro com seus queijos artesanais e da Raquel com seus deliciosos pães. Vale conferir, mas confirme antes se há vagas, pois são limitadas. Fui, kanimambo, saúde e seguimos nos encontrando por aí ou por aqui. Bom fim de semana.

Salvar

Salvar

Bruschetta de Alheira c/Espinafre e Otras Cositas Más!

Tarde Luso- italiana com um toque mendocino!!! Um fim de semana gordo, um Domingo especial em que o almoço terminou já passava das cinco da tarde, dia bom demais. Família reunida, quase toda, e inventei de fazer algo diferente que descobri na internet, uma receita de Alheira à Pedro Jorge que eu chamei de Bruschetta de Alheira e Espinafre e um belo nhoque ao sugo com raspas de parmesão, ambos os pratos escoltados por vinhos do amigo Matías Michelini.
As alheiras com espinafre você poderá ver a receita completa clicando aqui, porém vou adiantar deAlheira com Agua de Roca tão fácil que é. Dá uma escaldada no espinafre (eu usei o já picado e congelado usando uma peneira fina) e nessa mesma água faz o mesmo com as alheiras, depois retira-se lhes a pele e desfaça a alheira.  Refogado básico de cebola e alho, joga o espinafre, depois a alheira e misture bem fazendo uma pasta, sempre caprichando no azeite, leve espremida de laranja para dar uma acidez maior sem lhe dar sabor. Pão tipo italiano levemente torrado, esfrega o alho e joga um fio de azeite em cima, leva ao forno por dois minutinhos, forra o pão com finas fatias de mussarela de búfala e sobre elas colocar essa massa de espinafre e alheira e uma raspa de limão siciliano. Volta ao forno com um fio de azeite por cerca de dez minutos e está pronto. Coloquei bastante azeite, mas também olha só o azeite, da Malhadinha não filtrado presente de meus amigos, o casal Curioso, nunca é demais! Para servir, pode colocar azeite agosto, gente, delícia, sente-se bem o gosto da alheira (adoro!!) porém mais suave. O legal é que dá para preparar antes e só montar levar ao forno poucos minutos antes de servir. Para umas 12 pessoas, duas alheiras e 400grs de espinafre deram conta. Para acompanhar, escolhi um delicioso Agua de Roca Sauvignon Blanc que “ornou” muito bem com seu frescor e mineralidade se contrapondo à untuosidade do prato. Vou repetir, mas terei que trazer mais algumas garrafas porque só me sobrou uminha!! sniff
Nhoque ao sugo, não não fiz o nhoque porque a Beth Massas (daqui do pedaço) já faz um bem bom, para quê me dar ao trabalho?? rs Só o molho Calcáreo e Nhoquefoi caseiro, mas o resultado ficou excelente ao abrir um delicioso Calcáreo Bonarda, que vinho (fruta abundante, equilíbrio, acidez e mineralidade médio corpo e taninos muito sedosos) e que deliciosa harmonização. Me parece que o Matías disse que descontinuou a produção deste vinho, tenho que conferir, então vou tentar que comprar algumas garrafas por lá antes que acabem e a produção não é grande.
Fim de semana pleno de sabores, misturas e harmonizações para lá de diferentes, loira e filhotes (quase todos) por perto, não me canso disso, quero mais é me empanturrar desses momentos de felicidade! rs Saúde, kanimambo e dia 24 tem Saturday Afternoon Wine Tasting na Vino & Sapore com a presença dos vinhos da Almeria, da Galeria dos Vinhos, do Mestre Queijeiro e dos Pães Artesanais da Raquel, não dá para perder e é baratinho! Veja mais aqui, vagas limitadas, e quem sabe nos vemos por lá??

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar