Natural, Ôrganico ou Bio?

Tenho que confessar, entendo é patavina disso! rs Em minha vida, no entanto, tenho por filosofia estar aberto a novas experiências, conhecimentos, então não me nego a conhecer mais a respeito destes conceitos que fazem a felicidade de muitos, sejam eles consumidores ou produtores. Me parece óbvio que se algo for bom, bem feito e me agrade, melhor se ele for o mais natural possível, até porque certamente entregará um sabor mais autêntico refletindo seu terroir de forma mais verdadeira. Por outro lado, não acredito em xiitas (de qualquer origem ou viés), nem tanto ao céu nem tanto à terra, não basta ser natural para ser bom e já provei algumas coisas intragáveis ( para meu gosto) de ícones biodinâmicos! Há produtos naturais que matam, então “só” isso não basta e precisa também ser palatável e fazer sentido econômico para mim, caber no bolso também é importante, ainda mais num país onde o vinho já custa os olhos da cara normalmente. Aí talvez o maior senão para estes produtos e o maior desafio para os produtores, ter uma precificação que permita com que seus produtos e conceitos se popularizem e não se restrinjam a uma elite consumidora de alto poder aquisitivo.

Óbvio que este assunto é deveras polêmico, nada simplista, e traz no seu bojo uma boa dose de controvérsia. Apesar do aparente crescimento de demanda que faz com que alguns poucos focados no setor tenham conseguido sucesso, verdade seja dita que em meus 6 anos de comércio (Vino & Sapore), pouquíssimas foram as vezes que alguém entrou buscando vinhos orgânicos e na maioria das vezes por mera curiosidade. Nos últmos seis meses, talvez umas duas ou três pessoas ! De qualquer forma, um sintoma de que algo começa a mudar no comportamento das pessoas e alguns players se especializaram nisso por crença e/ou comércio, não importa, fazendo nascer aí um nicho de mercado interessante que, parece, começa a crescer. Nunca coloquei um vinho no portfolio porque ele era orgânico ou qualquer outra versão do conceito, como também nunca escolhi um vinho por sua pontuação, escolho porque é bom e seu preço faz sentido para mim e meus clientes! Tendo dito isso, sim descobri que tenho alguns rótulos orgânicos na loja (rs) e a eles darei mais atenção doravante.

Pelo pouco que me debrucei sobre estes vinhos, sinto que os orgânicos (vinhos biológicos na Europa) são os que você menos sente diferença tanto nos aromas como no sabor, o que muda bastante quando os vinhos são os ditos naturais (não é um nomenclatura oficial, pelo que eu conheça) e biodinâmicos. Por outro lado, a lógica me faz crer que as safras são, mais que nunca, um fator importante a considerar no ato da compra pois existe pouco ou nenhum espaço para correção. O amigo Didu, conhecido de muitos em nossa Vinosfera e um grande incentivador do uso das leveduras selvagens no vinho, recentemente me presenteou com uma garrafa de Riesling Itálico, um vinho da Dominío Vicari de produção natural e biodinâmica, ele que é um entusiasta, grande incentivador e promotor destes conceitos mais naturais na alimentação. Óbvio que fiquei deveras curioso, até porque curto muito os vinhos do Matías Michelini (Argentina) que é um verdadeiro druida, explorador, produtor e promotor do biodinamismo como forma de vida, então não demorei muito para abrir não!

Pisa a pé, maceração em tanques de polipropileno, uso de leveduras selvagens, semvicari riesling itálico clarificar, sem filtrar e sem quaisquer aditivos outros. O primeiro impacto tanto visual como aromático deixa bem claro que estamos frente a algo diferente na taça. Como não foi filtrado nem clarificado, mostra-se turvo na taça porém mantém um certo brilho e vivacidade que mostra que é um produto em pleno gozo de sua saúde. Nariz bem frutado com toques sutis de flor de laranjeira e algo mais que não pude precisar! rs Na boca mostrou boa presença de fruta que me levou a pensar em algo de carambola, tem um toque de ervas frescas, talvez casca de limão e, como a Raquel, que também estava presente, lembrou – Kombuchá (não me perguntem como é, isso foi coisa dela! rs) Algo denso meio de boca, demora para se acostumar, curioso no paladar sem muita semelhança a nada, tem que buscar bem lá no fundo da memória e aí sai essa miscelânea de coisas que mencionei! rs Talvez o que mais me tenha chamado a atenção foi sua ótima acidez e equilíbrio final, porém não me parece um vinho que seja de fácil “digestão” pelos menos iniciados no mundo do vinho, não é um vinho fácil de se gostar, requer ter que “pensar” e a maioria não está muito a fins disso quando bebe, ele busca prazer! rs Para quem está no ramo, no entanto, algo a se prestar atenção pois o mercado está em ascenção.

Em Sampa vi que a Lis o comercializa na Saint Vin Saint que tem a enogastronomia “natureba” como seu foco. Creio que anda na casa das 120 pratas, caso alguém esteja interessado em provar um vinho diferente com uma marca de terroir própria e única. Valeu pelo presente Didu, sempre bom buscar novos horizontes e ver novos conceitos tendo me incentivado a estudar um pouco mais sobre o assunto e explorar um pouco mais essa fronteira. Quem sabe me verás na próxima feira da Lis?

Ah, não falei nada sobre o que é a produção Natural, Bio e Orgânica né? Bem, falei do vinho que tomei e minha opinião sobre o tema, já é algo (rs) quanto aos conceitos, pesquisei e não vou repetir aqui o que muitos já falaram. O que me pareceu mais didático e com fundo mais técnico foi este texto do Roberto Rabachino publicado no site As Boas Coisas da Vida, boa leitura para quem quer conhecer um pouco mais. Saúde e kanimambo pela visita, um ótimo fim de semana para todos.

 

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Roberto, Um Senhor Sangiovese!

E mais,é brasileiro! Hoje tenho o prazer de compartilhar com os amigos uma experiência que me deixou entusiasmado em 2016, uma das gratas surpresas do ano, e quando fico entusiasmado não consigo me segurar e o texto sai fácil então aguentem! rs Vos apresento o Roberto Sangiovese da Villaggio Bassetti

Tudo começou no carnaval do ano passado quando tive a oportunidade e o privilégio de liderar um grupo de amantes do vinho numa viagem de desbravamento pelos vinhos e produtores da serra catarinense, os nossos verdadeiros Vinhos de Altitude. Uma enorme surpresa para a maioria.

Conheci a Villaggio Bassetti há cerca de três anos atrás numa edição da Expovinis tendo me encantado por alguns de seus vinhos, nascia ali uma admiração pelo trabalho que esta família vinha desenvolvendo em São Joaquim, a 1300 metros de altitude. De lá para cá venho acompanhando seu progresso que culminou este ano com um monte de prêmios e top por categoria elegido no guia de vinhos brasileiros da Revista Adega recém lançado no ano passado. Melhor Pinot, Melhor Rosé, Melhor Sauvignon Blanc, Melhor …. enfim os prêmios e altas pontuações vieram aos montes!

Na visita realizada em Fevereiro, tínhamos uma programação montada já com os rótulos que iríamos provar (sempre negocio isso previamente), porém na visita ás instalações descobri um pallet de vinho sem rótulo só com uma etiqueta Sangiovese. O José Eduardo foi duro na queda, mas acabou capitulando a meus insistentes pleitos e uma garrafa dessas acabou encontrando seu lugar em nossas taças. A turma pirou!! Queriam por que queriam comprar algumas garrafas, mas a todos o pedido foi negado. Não estava pronto, não tinha etiqueta, a busca da perfeição!

A Sangiovese é uma uva que varia muito em função do terroir em que foi cultivada dando origem a vinhos de estilos e personalidades diferentes. Alguns vinhos são mais leves e fáceis de beber como os vinhos de Chianti, outros mais encorpados como os de Scansano ou Brunello. A fruta abundante, notas herbáceas e um toque de especiarias costumam ser a expressão mais comumente encontrada na maioria. A conceituada Jancis Robinson, define os vinhos elaboradas com ela como; “comer amoras e framboesas na floresta”.

roberto-sangiovese-bPara mim, este Roberto está algo no meio, médio corpo para encorpado, e tanto no olfato quanto na boca, mostra bem as características da casta, possui um DNA toscano sem qualquer sombra de duvidas e, certamente, ás cegas passaria a perna na maioria dos provadores que conheço e olha que conheço muita gente boa e experiente por aí! Vinho de boa intensidade onde a fruta se sobrepõe, equilibrado, novo, ainda com muito a evoluir, ótimo volume de boca, rico, boa textura, taninos finos, de deixar muito vinho renomado italiano de quatro! Uma pena que a ganancia, pecado grave, me deixou tão somente com uma garrafa em minha adega particular, gostaria de ter ficado com mais para acompanhar a evolução, mas fazer o quê, a crise tá brava!! rs

Na safra de 2013, já esgotadas suas 300 garrafas, o vinho passou 25 meses em barricas francesas novas de 225 litros mais uns 4 meses em garrafa. A safra de 2014 foi engarrafada recentemente e passou os mesmos 25 meses em barrica francesa nova, só que desta vez em barricas de 400 litros para reduzir o impacto da madeira sobre o vinho, que já não achei assim tão preponderante no de 2013. Gamei no vinho, mas o José Eduardo me disse que a safra foi difícil, então só posso imaginar e esperar ansioso o que nos trará o 2014 (safra bem superior) que está por chegar daqui a alguns meses. Eu já reservei minha cota de garrafas!! rs Fiz uma curta entrevista com o José Eduardo Bassetti, o capo deste projeto, que compartilho aqui com os amigos:

JFC – Porquê da Sangiovese e quando foi plantada?

JEB – Em 2009 plantamos 5.000 mudas de Sangiovese, originárias da VCR produtora de mudas na Itália. Acreditamos que as características desta variedade, com média precocidade, boa produtividade e acidez típica dariam bons resultados na altitude da Serra Catarinense.

JFC – Qual o tipo de solo plantado.

JEB – Este vinhedo foi implantado em encostas do lado leste com alinhamento Norte com excelente exposição solar. Solo de origem basáltica, argiloso e com boa drenagem.

JFC – Ficha técnica e processo de vinificação

JEB – Solos argilosos com alta declividade, baixo pH, exposição solar Norte, invernos rigorosos e verões amenos e secos. Altitude do vinhedo: 1301 msnmm. Colheita seletiva, desengaçe, seleção de bagas manualmente, fermentação alcoólica e malolática em barricas de carvalho francês com permanência de 25 meses, estabilização natural e engarrafamento.

JFC – Qual o futuro desta casta na Villaggio Bassetti e na serra catarinense?

JEB – Pelos primeiros resultados ficamos com muita vontade de plantar mais umas 10.000 mudas mas, como com vinho cautela sempre é bom, vamos aguardar mais um pouco. Em minha opinião, acertando clone, porta-enxerto e sistema de condução pode vir a ser umas uvas de melhor expressão em nossa região.

JFC – Quem lhe dá consultoria enólogica?

JEB – Desde 2007 o Anderson de Césaro é nosso Enólogo com exclusividade e desde 2012 o Joelmir Grassi, também Enólogo, trabalha na condução dos vinhedos e na operação da Vinícola.

JFC – Que outras castas ainda são experimentais na vinícola?

JEB – A partir do próximo ano teremos também a variedade Syrah para elaborar nossos vinhos. Será a primeira e pequena safra desta uva. Temos para lançamento em breve nosso primeiro Sauvignon Blanc de fermentação natural, com cascas e estágio em barrica.

JFC – Qual a produção atual (geral) e capacidade futura instalada em número de garrafas.

JEB – Como temos ainda vinhedos bastante jovens, alguns ainda produzem muito pouco, o que nos permitirá produzir na próxima safra cerca de 30.000 garrafas entre todos nossos vinhos, mas a capacidade futura está prevista para 50.000 com a presente estrutura, porém de vinhedos (produção de uva) poderemos vir a duplicar isso num terceiro estágio.

Bem amigos, foi longo mas o vinho, a vinícola e o José Eduardo merecem esta atenção e os amigos que tiveram a oportunidade de tomar este vinho certamente poderão comentar se estou exagerando ou se é vero! Aliás Santa Catarina foi a região que mais surpresas de qualidade me presenteou este ano que passou. Muito jovem ainda, cerca de 16/17 anos tão somente, pequena produção, mas já nos trazendo vinhos de muita qualidade e onde, acredito e me cobrem daqui a alguns anos, está o futuro dos grandes vinhos brasileiros junto com a Campanha Gaúcha. Saúde, kanimambo pela visita e tenham todos um grande Ano de 2017!

 

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Abreu Garcia Chardonnay e O Almoço de Domingo!

Neste Domingo, a sós com minha loira, decidi preparar um prato que qualquer cozinheiro meia boca, tipo euzinho aqui, pode fazer e se dar bem! Para acompanhar já tinha img_20161106_144348376separado minha última garrafa de Abreu Garcia Chardonnay que, lamentavelmente, terei que esperar um bom tempo até ter outra para tomar e vender, porque a safra não deu este ano devido a pésssimas condições climáticas e a de 2015 esgotou. Sou fã deste vinho sem madeira nenhuma, melhor que o amadeirado deles que acho excessivo, e de bom preço (R$60) que me dá especial prazer por seu equilíbrio sem perder a tipicidade do que se espera de um bom chardonnay. Já falei dele aqui quando o harmonizei com Fondue de Queijo, mas desta feita optei por acompanhá-lo com filé de Pintado coberto por um refogado (super simples de executar) de cebola, alho, tomate cereja, azeitona preta portuguesa e um punhado de alcaparras, acompanhado de purê de batata, ficou da hora!

Desta feita vou dar o passo a passo desta gostosa receita para quem estiver a fins, não requer grande habilidade, afinal, se eu que sou um zé mané na cozinha consigo,qualquer um consegue e é bastante rápido. Para duas ou três pessoas, separe dois ou três filés de pintado, uma cebola média fatiada fina,um dente de alho picado fino, umas oito azeitonas picadas, dez a doze tomatinhos cereja cortados em pedaços pequenos, 3 colheres de chá de alcaparra. Tempere os filés a gosto, eu uso um pouco de sal, pimenta branca moída na hora, um pouco de suco de limão, um fiozinho de vinho branco e uma pitada de tomilho. Deixe marinar uma meia hora. Enquanto isso prepare os outros ingredientes.

Primeiro dê uma selada dos filés usando uma frigideira com um fiozinho de azeite e meia colher de manteiga enquanto esquenta o forno. Depois de selados os filés (tipo 2 minutos de cada lado), separe e guarde numa forma que posteriormente irá ao forno. na mesma frigideira coloque mais um pouco de azeite e uma colher de manteiga, sobre o qual jogue toda a cebola e quando ela começar a ganhar cor, jogue o alho, em seguida o tomate e as azeitonas, refogue bem e no final termine com as alcaparras.

clipboard-pintado-1

Jogue esse refogado sobre o peixe de sua escolha (eu gosto muito do Pintado – peixe de rio) e leve ao forno já quente, 180º, por no máximo dez minutos. Retire sirva com purê ou arroz, tem gente que gosta dos dois, você escolhe. Isso tudo não dura mais do que meia hora, enquanto isso vá acompanhando com umas taças de vinho e um queijinho ou patê com torradas, porque cozinhar sem vinho não tem graça! rs O problema é que, como já comentou no face meu amigo Rui Miguel, quando sentamos à mesa já sobrou pouco espaço para acomodar mais comida, “but what the hell”, Domingo é mesmo para esses abusos gastronômicos! Prato sem frescura, mas o sabor!!! Estava bom demais da conta.

clipboard-pintado-2

Não precisa dizer que o vinho harmonizou perfeitamente e que o condimento principal, a presença de minha loira, fez a diferença. Essa última, a companhia, cabe a você achar a sua ou seu, mas garanto que faz a diferença porque sózinho não tem a mesma graça! Gente, uma ótima semana para todos e na Quarta tem mais, kanimambo e saúde, fui!!

Ps. Ia me esquecendo, vai fazer bonito, garanto!! rs

wine-smile-despagne

Salvar

Quebrando Paradigmas Com Vinhos Brasileiros

Apesar de ter ficado para alguns uma falsa percepção de que tenho algo contra os vinhos brasileiros, há anos que sou um entusiasta. Esse “ranço”, na verdade ficou em função de meu forte posicionamento contra a tentativa de golpe contra o consumidor com a adoção das famigeradas salvaguardas (quem chegou mais recentemente à nossa vinosfera não conheceu e os mais velhos se esqueceram rapidamente) e de quem bancou essa irracionalidade que, graças a essa firme oposição de diversas pessoas, acabou não passando tendo prevalecido o bom senso. Há muito que falo que já fazemos bons vinhos, meu problema com grande parte dos produtores está mais na área comercial onde não compartilho de suas estratégias, então espero que isso fique claro de vez e vamos em frente porque chega dessas baboseiras.

Na semana passada tive a oportunidade de preparar para a Confraria das Enoladies uma degustação só de vinhos que reputo como de boa e muito boa qualidade que surpreendeu a todos. Compartilho com os amigos um pouco de minhas impressões sobre o que chegou na minha taça.

vinhos-brasileiros

Villa Francioni Rosé (Serra Catarinense)- não tenho conhecimento de um vinho rosé fruto de um blend de 8 uvas – Cabernet Sauvignon, Cabernet Franc, Sangiovese, Merlot, Petit Verdot, Malbec, Syrah e Pinot Noir. Apesar de caro, passa dos R$120 o que rivaliza com bons Provence, prima pelo frescor e equilíbrio sem contar que a garrafa é linda.

Villaggio Grando Innominabile lote V (Meio-Oeste Catarinense) – Um clássico muito fino, delicioso corte de sete uvas e seis safras! A cada safra, 20% do vinho é guardado para se fazer o corte de safras do ano seguinte. Neste lote V, são seis safras, de 2004 a 2009. As uvas, Cabernet Sauvignon, Cabernet Franc, Pinot Noir, Marselan, Malbec, Merlot e Petit Verdot. Um vinho que já comentei aqui por diversas vezes. São vinhos que sempre se apresentam prontos a beber, porém evoluem muito bem com o tempo. taninos sedosos, fruta abundante, corpo leve para médio, òtima textura, boa persistência de boca, um vinho que agrada fácil a gregos e troianos, a entendidos e outros nem tanto. melhor, preço bacana, na casa dos R$80,00.

Bueno Paralelo 31 2103 (Campanha Gaúcha) – Bom exemplar dos tintos da Campanha, região de onde ainda vamos ver muita coisa boa sendo criada. Este já tem a mão do respeitado enólogo italiano Roberto Cipresso na finalização do vinho, porém na próxima safra já se espera que ele acompanhe o processo na íntegra. Mudou o estilo, mais escuro e denso, um corte saboroso de Cabernet Sauvignon, Merlot e Petit Verdot com maior volume de boca. Frutos negros, madeira um pouco mais aparente porém bastante equilibrado que se integra melhor com um tempo em taça ou num decanter para aerar por uma meia hora a quarenta e cinco minutos, pois o vinho ganha muito com isso. Preço hoje beira os 100 Reais, mas acho que está em linha com o que apresenta.

San Michele Tridentum Teroldego (Vale de Itajaí) – situada em Rodeio fortemente colonizada por italianos do norte da itália, especificamente do Alto-Ádige, região de Trento, de onde a uva é originária. Ver essa uva por aqui foi uma alegria, pois gosto muito tendo nos vinhos da Angheben, que também é originário da região italiana, minha referência local. Esta uva sempre produz vinhos retintos, escuros de boa “pegada” e esse não foge à regra, muito bom, um vinho que foge aos aromas e sabores mais comuns a que estamos acostumados, um vinho de personalidade própria e marcante. Notas mais terrosas, algo de defumado, boa acidez, médio corpo, denso, um vinho complexo que me agradou sobremaneira e a minhas confreiras idem. Com preço na casa dos R$80,00 vale muito a pena.

Miolo Lote 43 – 2011 (Vale dos Vinhedos) – Um clássico com a mão do Adriano Miolo e de meu amigo Miguel de Almeida, enólogos que cuidam da criança. rs Um lorde, a finesse em pessoa e um vinho que tomaria a dois de bom grado, pois uma tacinha é pouco! Falar deste vinho e chover no molhado, mas este 2011 está especialmente bom apesar de não ter degustado muitos. O provei pela primeira vez há três anos atrás num Challenge de Vinhos Brasil x América Latina (Wine In promovido há época pelo amigo Breno Raigorodski) e já me impressionou, tendo ganho na classe acima dos R$50,00. De lá para cá só cresceu e mostrou ainda muita estrutura para nos seguir presenteando com alegria por muitos e muitos anos. O preço está ficando algo salgado, por volta dos R$170 a 200 dependendo de região, mas é um vinho marcante que por R$150,00 seria uma ótima compra.

VF Villa Francioni Tinto 2009 (Serra Catarinense) – de volta a esta região com este delicioso corte bordalês de Cabernet Sauvignon, Merlot,Cabernet Franc e Malbec. Em 2009  coloquei o 2005 como intruso num Desafio de Bordeauxs, até R$100,00 e desbancou meio mundo. Desde aquela época o reputo como o melhor vinho tinto produzido por esta vinícola e recentemente tive a oportunidade de confirmar isso ao provar toda a linha deles.Com sete anos de vida, o vinho está tinindo! rs Boa e complexa paleta olfativa com frutos negros abundantes, tabaco, café, estrutura  com elegância e taninos finos, rico meio de boca, longo, um belo vinho em que os aromas seguem nos encantando mesmo depois de terminado a taça. O preço, bem os vinhos desta casa sempre estiveram na parte mais alta da pirâmide, então prepare-se para pagar algo ao redor dos R$200 aqui em Sampa. Como no Lote 43, se achar por R$150 a 160,00 será uma ótima compra em linha com produtos similares importados.

Enfim, esta foi uma bela seleção de vinhos para quebrar preconceitos de qualquer um quanto à qualidade de nossos vinhos e tem um monte de outros rótulos que poderiam estar por aqui.Uma ótima e prazerosa noite passada junto à minha primeira e mais antiga confraria, as Enoladies que em Novembro estará completando SEIS anos de vida! Fiz as contas, neste período foram 65 reuniões e mais de 400 vinhos provados entre tintos, brancos, rosés, espumantes de todas as regiões e países do mundo, mas seguimos encontrando rótulos novos e experiências refrescantes para não deixar a paixão morrer, eta coisa boa esta nossa vinosfera!

Saúde, kanimambo e seguimos nos encontrando por aqui, na Vino & Sapore, ou em qualquer esquina deste maravilhoso mundo do vinho.

 

 

Um Best Buy na Taça por 25 Pratas, Pode? Pode!!

“O mundo do vinho é estimulante, complexo, prazeroso, porém, excessivamente pedante e caro. Eis uma constatação que tem uma boa dose de razão já que no Brasil esta é a imagem, muita vezes, projetada tanto por parte da imprensa especializada, quanto por restaurantes que teimam em salgar os preços dos vinhos servidos em suas mesas, como por alguns importadores. Vinhos de R$100, 150, 250 e 400 são bons? Tem obrigação de o ser, muitos são ótimos, mas quantos de nós os podemos tomar com regularidade. Como explorador, ou garimpeiro, que sou, quero achar alegria e prazer em vinhos bons de R$30 (que são poucos) nos de R$60 (que já são muitos) e nos de  80 e 100 (que são um montão) e compartilhar isso com quem nutre os mesmos valores e interesses.”

Escrevi isso acima nos idos de 2007 e segue tudo igual, piorado pela instabilidade cambial e o aumento desacerbado de impostos tanto Estaduais como Federais que fazem com que cerca de 65% de uma garrafa seja imposto! Porquê falo disso, porque hoje vou falar de um vinho que tem tudo a ver com meus conceitos e minhas buscas que têm sido cada vez mais improdutivas na faixa de preço mais baixa da pirâmide, a de R$30. Não que não não hajam muitas opções no mercado, há, porém a maioria de qualidade “imbebível” ou próximo disso e nessas horas melhor escolher tomar menos e melhor! Quando temos a felicidade de nos deparar com um caldo que surpreende nessa faixa, então há que enaltecer o produtor/importador e compartilhar com os amigos.

Obviamente que tudo tem que ser entendido dentro de seu contexto de preço. Um Palio pelado não pode ser comparado com um veículo top de linha da montadora, o que devemos nos perguntar é; esse Palio pelado dentro de sua faixa de preço atende minhas necessidades de momento e me satisfaz com uma performance adequada? A mesma pergunta devemos nos fazer ao avaliar um determinado vinho, pelo menos é o que penso! Nesse contexto, o Classic Malbec da Salton produzido em parceria com a Salton Classic MalbecPenaflor lá em Mendoza me surpreendeu!

Neste último Domingo abri a garrafa que recebi do Winebar promovido pela Salton (ao qual não pude comparecer), num gostoso almoço familiar em que o foco era um belo Hamburguer. Achei que devia dar samba e deu! Tenho que confessar, no entanto, que faltou vinho para uma prova mais consistente e explico. Abri antes de colocar o hamburguer na grelha e o pessoal virou! Um pouquinho ficou mas dois goles foi pouco para testar a harmonização. O vinho é pura fruta, leve, fresco com taninos suaves elaborado somente em inox e acho que é um grande acompanhamento para lanches, esfiha de carne e pizza em geral. Um vinho que não possui qualquer intenção de se mostrar mais do que ele é, franco, saboroso, fácil de beber e agradável inclusive no final de boca. Por 25 pratas ou algo próximo disso dependendo do Estado ou cidade que esteja, difícil encontrar melhor e confesso, sem vergonha de ser feliz, gostei. Não procure complexidade aqui, ele é o que é, para tomar de golão! rs Não tivesse em supermercados e nas condições comerciais adequadas, seria um vinho que tranquilamente colocaria na Vino & Sapore, porque há momentos para tudo, o que não pode é tomar vinho ruim!

É isso, um verdadeiro Best Buy para orçamentos curtos que eu precisava compartilhar com os amigos sem frescura que me seguem. Nem todos os vinhos que recebo para prova e avaliação alcançam estas páginas pois,nem todos satisfazem minhas exigências gustativas de qualidade, mesmo alguns bem caros, então fico especialmente feliz quando isso ocorre num vinho tão em conta. Saúde, kanimambo pela visita e seguimos nos encontrando por aqui ou por aí lembrando que Dia dos Pais está chegando, já fez sua listinha??

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Mais um Paradoxo

Há cerca de dois anos falei aqui sobre um outro Paradoxo, o Merlot. Esta linha de produtos é da Salton e desta vez me foram enviados novos vinhos para um evento do Winebar que lamentavelmente chegaram tarde não possibilitando minha participação. Ontem então, decidi abrir este Paradoxo Cabernet Sauvignon para acompanhar um almoço simples mas bem gostoso temperado pela presença da família salvo um santista doente que está desculpado! rs Fettucine com linguiça e ovos, sabor de infância para meus filhos e que volta e meia curto fazer porque também gosto bastante e não dá muito trabalho.

Como estava com esta garrafa em casa, achei que seria uma boa companhia para o prato e deu certo, fiquei contente. O vinho tem passagem de seis meses por barricas americanas, mas acredito que sejam de segundo ou até, provavelmente, de terceiro uso pois a influência da madeira é pouco notada no conjunto que previlegia a fruta. Boa tipicidade num vinho que não busca complexidade, é franco, bem equilibrado, fresco, corpo leve mas não esquálido, fácil de agradar e que acho que vale os R$45/50,00 que encontrei por aí na internet.Um problema todavia, duvido que uma garrafa dê!! rs Por aqui fez falta a segunda.

salton paradoxo cabernet

Gostei, agora falta provar um Malbec que eles fizeram na terra dos hermanos e um Late Harvest, mas isso fica para uma outra oportunidade. Por enquanto é só, uma ótima semana para todos e seguimos nos vendo por aqui ou por aí, nessas esquinas de nossa vinosfera. kanimambo pela visita.

 

Salvar

Vinho Paulista é Show!

Pode? Eu não acreditava não!! Nelson Rodrigues já dizia que “toda a unanimidade é burra”, então quando o auê é demasiado e unânime eu tenho que conferir, sou discípulo de São Tomé, e foi o que fiz. Para não ser uma ação apenas pessoal, coloquei à prova duas garrafas de um vinho paulista para lá de celebrado pelos grandes nomes de nossa vinosfera tupiniquim com alguns de meus confrades e amigos, uma delas num desafio ás cegas e a outra aberta. O produtor, imagino que já saibam, Guaspari localizado em Espirito Santo do Pinhal e a uva, a Syrah!

No primeiro caso, do Desafio, coloquei ás cegas os seguintes vinhos Syrah: Loma Larga (Chile), Passionate Wines Diverso (Argentina), Las Moras Gran Syrah (Argentina), Hope Shiraz  (Austrália) e Guaspari Vinhedo Vista da Serra. Os confrades presentes foram os da Quinta Divina, grupo bastante experiente, e o eleito da noite foi ele, sim o Guaspari Vista da Serra Syrah! Para mim o segundo, mas com esse patamar de adversários um grande resultado.

Syrahs QD

Na segunda vez, na Confraria Saca Rolha, provamos dois syrahs mais básicos e dois mais top. No primeiro flight o australiano Richland Shiraz e o chileno El Milagro seguido do Passionate Wine Diverso e o Guaspari Vista do Chá. Melhor vinho da noite, novamente um Guaspari e, na minha opinião, o melhor dos dois provados.

Syrahs SR

Duvidas? Nenhuma mais! Negar? Não dá! rs Esses dois vinhos são de primeiro nível internacional e tire-se o chapéu ao empreendorismo e atrevimento de buscar realizar algo onde ninguém jamais pensou possível! A Colheita é inversa, no inverno, e vale fuçar o site deles (link em negrito acima) para conhecer um pouco mais da história da vinícola e de quem está por trás dessa “aventura” paulista. O ápice, até agora, dessa curta história está na Medalha de Platina e na de Bronze recentemente obtida por estes dois vinhos na respeitada Decanter Wine Show.

Óbvio que ainda é muito cedo para cantar vitória, afinal como já disse o barão Philippe de Rotschild; “fazer vinhos é fácil, difícil são os primeiros 100 anos”, mas a se confirmar a tendência ao longo dos próximos anos, espero que assim seja, estamos diante de algo muito especial que merece não só um brinde, mas acima de tudo nosso respeito. Falam muito bem dos outros vinhos deles, porém ainda não tive a oportunidade de os conhecer. Assim que prove compartilho com os amigos.

Entre os dois rótulos, tendo a compartilhar da mesma opinião da banca degustadora da Decanter Wine Show, o Vista do Chá possui um pouco mais de tipicidade da cepa e, especialmente, uma acidez mais presente (apesar de que por questões de terroir, granito, o Vista da Serra deveria mostrar melhor esse quesito) que deixa uma impressão melhor de boca, mais fresco, com taninos muito finos, elegante, com ótimo meio de boca, equilibrado e bem persistente. Dois belos vinhos que recomendo.

guaspari syrah 1

Me perguntaram sobre o preço e se não é caro? Essa é sempre uma questão quando falamos de vinhos bons nacionais, o preço tende a extrapolar. Quando premiado então, mais ainda pois a demanda aumenta e a oferta tende a se manter estável. Agora, o que é caro? Na minha opinião caro é aquilo que não vale o que um pagou pelo produto adquirido. Quando um vinho bate seus pares de valor igual ou mais alto e custa menos que eles, então penso que não, pois entrega mais valor. Tendo dito isso, por aqui em Sampa o vinho custa ao redor de R$160,00 mais ou menos 10 o que é uma boa grana, mas em minha opinião, não é caro sendo condizente com os vinhos de qualidade similar de outras origens. Tendo a grana, certamente estará bem aplicada numa garrafa dessas, recomendo.

É isso, hoje falei de vinho brasileiro, falo um monte porém tem gente que acha que sou contra (??!!), na Sexta volto a falar de brancos e minha experiência no Encontro Mistral. Saúde, kanimambo e seguimos nos encontrando por aí, inté!

 

17 Vinhos Brasileiros Premiados na Decanter Wine Awards

Certamente um motivo de orgulho para nossa ainda “engatinhante” vitivinicultura de medalhas decanter wine Awardsvinhos finos tupiniquim. Afinal, a DECANTER WINE AWARDS é um evento que está entre os melhores, maiores e, principalmente, mais respeitados concursos de vinho internacional.

Este ano, algumas ótimas surpresas ao vermos alguns vinhos brasileiros pontuados. Só espero que não comecem com aquele marketing ridículo de “melhor do mundo” usando essa premiação como base, menos gente, menos! Enfim, isso não é importante, o que vale mesmo é que, como digo faz anos, aprendemos a fazer vinho (meu problema é com a estratégia comercial que adotam) e alguns rótulos são realmente muito bons e esse reconhecimento internacional em concursos sérios é primordial inclusive para o próprio mercado (consumidor) nacional. Vamos a alguns destaques brasucas entre os “apenas” (rs) 16.000 vinhos do mundo inteiro inscritos na edição 2016:

Medalha de Platina (2) – Valduga com dois rótulos > Leopoldina Chardonnay 2015 e Leopoldina Merlot 2012 (RS)

Medalha de Ouro  (1) – Guaspari Vista do Chá Syrah 2012 (SP)

Medalha de Prata (5)- Só espumantes; Aurora Brut, Valduga 130, Perini Moscatel, Salton Séries Brut Rosé e Salton Intenso Brut. (RS)

Medalha de Bronze (9)- Valduga Raizes Cabernet Franc e Raízes Gran Corte ambos 2012, Aurora Moscatel, Aurora Premium Selection Cabernet Sauvignon 2013, Aurora Procedências Chardonnay Brut, Aurora Reserva Merlot, Ponto Nero Conceptual Edition Brut Rosé de Noir, Ponto Nero Brut Rosé, Guaspari Vista de Serra Syrah 2012

Talvez este resultado sirva de incentivo a outras vinícolas investirem na participação deste renomado e respeitado concurso no ano que vem e aí, certamente, outros nomes aparecerão por aqui.

Para boa ordem, vejam a pontuação necessária para que uma medalha seja outorgada a um vinho no Decanter Wine Awards:

Platina – foi introduzida nesta edição e substitui o troféu de melhor vinho regional. Vinhos de altíssimo gabarito! Foram somente 130 vinhos os agraciados este ano.

Ouro – de 95 a 100 pontos / Prata – de 90 a 94 pontos / Bronze – de 86 a 89 pontos.

Kanimambo pela visita e, tendo a oportunidade, porquê não um vinho brasileiro na taça? A evolução na qualidade é fato, basta a gente perceber o vinho e seu preço (sim importante também) dentro de seu contexto. Saúde, tchin-tchin!

Quarenta e Cinco Razões Para Tomar Vinho Brasileiro.

Nossa, pesquisando no blogue achei este post que, por sinal, mostra bem para aqueles que ainda acham que tenho algo contra os vinhos brasileiros o quão errados estão!  Independente disso, achei legal recuperá-lo hoje porque é interessante fazer um acompanhamento da evolução dos preços nesse período. Está certo, muitos não mais estão no mercado, mas pesquise e constate o que eu estou constatando, para minha surpresa, que o aumento ficou abaixo dos aumentos de impostos e inflação neste período de 8 anos!! Alguns no entanto, …!!! vejam abaixo

Como já de praxe, termino o mês do país tema com uma lista de rótulos, das regiões estudadas, que eu colocaria na minha adega. São, entre os vinhos provados e aprovados, aqueles que me mais me atrairam e conquistaram meus sentidos independentemente de faixa de preços. São, todavia, ótimos vinhos dentro de cada faixa e contexto especifico, até porque vinho premium não é para toda a hora. Há muitos anos, ainda em Moçambique, me lembro de uma propaganda de cerveja que dizia “Contra fatos não há argumentos, um fato num copo é ….”, e esta frase me inspirou no título deste post. Não são fatos na taça, mas verdadeiras razões que só quem toma esses vinhos de qualidade, cada um com seu estilo, pode entender.

             Se você ainda não entendeu é porque necessita, urgentemente, de se desarmar e encher sua taça com alguns destes vinhos que demonstram claramente que a nossa produção mudou muito e para melhor. Isto sem falar de nossos muito bons espumantes que, estes sim, vêm obtendo um pouco mais de reconhecimento. Seja para dia-a-dia com ótimos produtos nas faixas mais em conta, seja em vinhos premium, hoje produzimos vinhos de muita qualidade. Quanto aos preços, em São Paulo está complicado e tenho visto preços bem melhores em outros Estados, especialmente no Rio Grande do Sul.

            Muitos outros rótulos certamente mereceriam estar aqui, mas só listo o que eu provo e não há como provar tudo em tão curto espaço de tempo e sem a ajuda dos próprios produtores. A lista, todavia, não é fechada e sempre estarei aberto a provas e a compartilhar outras experiências com você amigo leitor e apreciador de vinhos. Conforme for tomando vinhos que ache que mereçam ser recomendados, os farei em diversos posts conforme for dando tempo. Enfim, por enquanto fique com esta lista e os comentários feitos ao longo deste mês de Novembro. Liberte-se de seus preconceitos e aproveite com sabedoria alguns desses bons e saborosos vinhos. Os preços são aproximados e referência média encontrada em lojas de São Paulo neste mês de Novembro. Já no Rio Grande do Sul, por exemplo, creio que estão entre 10 a 20% abaixo destes preços, então os valores abaixo são meramente indicativos podendo variar entre os Estados e distância das áreas de produção.  

Vinho

Tipo

 Preço  R$

Cordelier Merlot

2005

17,00

Rio Sol Cabernet/Syrah

2005

19,00

Salton Volpi Sauvignon Blanc

2008

21,00

Aurora Reserva Cabernet Sauvignon

2007

22,00

Cordelier Merlot Reserva

2002

23,00

Marson Reserva Cabernet Sauvignon

2005

24,00

Marco Luigi Merlot

2005

24,00

Salton Volpi Merlot

2005

24,00

Casa Valduga Premium Gewurtzraminer

2008

24,00

Fausto Rosé de Merlot – Pizzato

2008

25,00

Angheben Barbera

2007

29,00

Dal Pizzol Tannat

2005

35,00

Dal Pizzol Touriga Nacional

2007

35,00

Pizzato Reserva Cabernet Sauvignon

2004

35,00

Pizzato Reserva Merlot

2005

35,00

Pizzato Reserva Egiodola

2005

35,00

Marco Luigi Merlot Reserva da Familia

2003

36,00

Casa Valduga Premium Cabernet Sauvignon

2005

37,00

Don Laurindo Assemblage

2005

37,00

Larentis Reserva Especial Ancellotta

2005

37,00

Don Cândido Marselan 4º Geração

2005

40,00

Nubio Rosé

2006

40,00

Quinta da Neve Cabernet Sauvignon

2005

40,00

Salton Volpi Pinot Noir

2007

40,00

Marco Luigi Tributo Assemblage

2003

42,00

Cordilheira de Sant’Ana Tannat

2004

46,00

Cordilheira de Sant’Ana Chardonnay

2006

46,00

Cordilheira de Sant’Ana Gewurtzraminer

 

46,00

Portento – Quinta Santa Maria

2005

58,00

Sanjo Maestrale Cabernet Sauvignon

2005

59,00

Joaquim da Villa Francioni

2005

60,00

Marco Luigi Gran Reserva da Familia Cabernet Sauvignon

2003

62,00

Quinta da Neve Pinot Noir

2006

63,00

Salton Desejo

2004/05

65,00

Marson Gran Reserva Cabernet Sauvignon

2004

68,00

Villaggio Grando Chardonnay

2006

68,00

Salton Talento

2004

69,00

Miolo Terroir Merlot

2004/05

75,00

Villaggio Grando Cabernet Sauvignon

2006

76,00

Villaggio Grando Merlot

2006

76,00

Villagio Grando Innominabile lote II

2006

82,00

Villa Francioni Francesco

2005

85,00

Storia – Casa Valduga

2005

90,00

Villa Francioni

2004

110,00

         Estes rótulos estão disponíveis nas boas lojas de vinhos espalhadas pelo país assim como em alguns supermercados. Dê sempre preferência ao locais que tratam bem o vinho mantendo-o em locais e temperatura adequados, longe do sol e de produtos de limpeza.

Foi isso e fico feliz ao ver que já naquela época eu ressaltava os vinhos de Santa Catarina, não é de agora não! Seguem evoluindo e assim que começar a postar sobre o tour que fiz por aquelas bandas creio que você também ficará curioso caso ainda não os conheça. Valeu, grato pela paciência e gradativamente retorno à minha periodicidade de sempre. Salute e Kanimambo.

.

 

 

 

 

Os Vinhos de Santa Catarina

Logo Vinho-de-Altitude-600x423Semana passada foi tempo de descobrir o que de novo anda brotando das fontes de Baco originárias na Serra Catarinense. Há tempos que venho cultuando esta nova fronteira vitivinícola brasileira de pouco mais de quinze anos de vida e após esta última semana com mais de 600kms rodados de Floripa a Caçador (só vinho, porque até voltar por Curitiba passou dos 1.000) conhecendo e revendo vinhos de altitude com um perfil diferenciado do que mais se faz por terras brasilis devido a um terroir bem diferenciado. A confirmação de que os vinhos bons abundam por aqui e cada vinícola apresentou pelo menos um destaque que marcou, mas a seleção apresentada (foram cerca de 52 rótulos) mostrou ser de primeira com a qualidade mostrando ser uma característica que os une a todos. .

Ao longos das próximas semanas darei algumas dicas, comentarei alguns vinhos e mostrarei em vídeos um pouco do que vivemos em mais esta viagem de descobrimentos desbravando uma região ás vezes de difícil acesso, mas que ao chegar nos destinos nos deparamos com exuberantes paisagens, bons vinhos e atendimento impecável!

Por hoje, só uma curta lista do que eu considerei destaque em cada uma das vinícolas visitadas, sendo que em muitas delas a escolha foi feita na moedinha pois qualquer um dos rótulos provados poderia estar aqui. Não são necessariamente os melhores vinhos de cada produtor, mas sim aqueles que mais me marcaram, seja por; preço,uva, qualidade,inusitado, o conjunto da obra, …

Quinta da Neve – Cabernet Sauvignon (“cumplidor”, constante, ótima relação Qualidade x Preço)

Quinta Santa Maria – Passionado (inusitado)

Vila Francioni – Comendador (Surpresa do Tio Vilson – Casa do Vinho)

Monte Agudo – Rosé Brut (vibrante, sabor de festa)

Villaggio Basseti – Sangiovese (UAU! ainda por etiquetar e reduzidíssima produção)

Sto Emilio – Leopoldo (classico Cab. Sauvignon/Merlot da região que impõe respeito)

Hiragami (na Casa do Vinho) – Tori (surpreendente Cabernet Sauvignon do mais alto vinhedo brasileiro a 1427m)

Abreu Garcia – Sauvignon Blanc (marcante em sua sutileza)

Kranz – Sucos naturais (bons vinhos, mas os uaus na mesa vieram mesmo foi de outras plantações! rs).

Villaggio Grando – Marila (ainda por finalizar e rotular, um “Jurançon” doce de tirar o chapéu! Uvas Petit e Gros Manseng)

Bem, por hoje é só e em breve destrincharei as visitas, inclusive de outros mares como a cerveja da Bierbaum e os queijos da Queijo com Sotaque. Cansativa, mudanças já definidas para tornar uma próxima viagem menos exaustiva, porém de grandes descobertas e diversas constatações sendo que a principal delas é de que existe sim vida vitivinícola no Brasil além das fronteiras gaúchas e com muita qualidade!

Kanimambo especial hoje a todos os que me acompanharam nessa viagem, saúde e seguimos nos encontrando por aqui ou pelos mais diversos caminhos de nossa vinosfera.