Luca Syrah, Um Vinho que fez Minha Cabeça!

Há poucos meses tive a oportunidade de provar boa parte da linha de vinhos produzidos por Laura Catena neste projeto solo iniciado em 99 trabalhando com vinhedos antigos de parceiros terceirizados e alguma coisa própria. É o projeto Luca que também possui outras linhas baixo o nome de la Posta e o famoso Beso de Dante. Foram um total de 12 vinhos que apresentaram boa qualidade, não poderia ser diferente em função de quem se trata e da região dos vinhedos, mas dois deles despertaram mais minha atenção, afora o Syrah que me seduziu, e o que é melhor, foram os mais baratos!

La posta - Linha

La Posta Angel Paulucci Malbec 2012 – USD28,00 (Vinci), um Malbec com passagem de 12 meses por barricas de carvalho francês, só 10%novas, com um nariz muito atraente, na boca muito saboroso, vibrante, de taninos finos, redondo, já integrado, fácil de se gostar entregando muito prazer. Fácil tomar a garrafa!! rs

La Posta Glorieta Pinot Noir 2013 – USD28 (Vinci) frutos de um vinhedo a mais de 1000 metros de altitude com um mix de cinco clones trazidos da Borgonha. Doze imperceptíveis meses de carvalho francês de segundo uso que lhe aportam complexidade. Difícil encontrar tanta tipicidade num Pinot sul americano nesta faixa de preços, uma enorme surpresa. Prima pelo equilíbrio, gostei muito.

Luca Double Select Syrah 2013, show! – Vinhedos cultivados em parral desde 1971 em La Consulta no Vale do Uco, baixa produção (cerca de 18 mil garrafas) e esmero no trato da uva resultaram num vinho que me entusiasmou. São 14 meses de barrica francesa (40% nova e o restante de segundo uso) que nos trazem boa concentração, nariz frutado com uma boa presença de notas de especiarias,  cor escura, ótima textura de boca, encorpado, taninos aveludados bem presentes mas sem qualquer agressividade, meio de boca muito rica, algum defumado presente, final longo levemente apimentado com boa acidez, um grande Syrah em minha modesta opinião e um dos melhores que já provei de terras mendocinas. Não sou de pontuar, a não ser em bancas degustadoras quando se faz necessário, e costumo ser bem comedido quando o faço. Na maioria das vezes minhas notas estão sempre abaixo da maioria dos críticos, mas desta vez, confesso, estaria acima! rs Enfim, USD50 (Vinci), que no lamentável contexto de preços tupiniquim, vale bem a pena.

Luca Syrah

Linha de produtos muito boa, os Lucas têm uma legião de seguidores, estilo mais encorpado com bastante extração, porém sempre com taninos de muita qualidade buscando o equilíbrio. Gostei bastante do Chardonnay e o Beso de Dante é sempre um vinho de excelência que aprecio muito, mas a meu ver esse incrível Syrah, que não conhecia, me seduziu e me fez lembrar muito do Siesta (não mais produzido) de seu irmão Ernesto. Por hoje é só, em breve compartilho outras experiências com vocês, fui! Kanimambo pela visita

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Frutos do Garimpo de Novembro foi Orgânico

   Na Frutos do Garimpo tento sempre trazer novidades regularmente com preços de oportunidade e desta feita, mesmo o produtor não sendo novidade no Brasil, achei que em função do conceito Orgânico praticado e devidamente certificado, valia a pena explorar o tema junto aos confrades. Em parceria com o novo distribuidor da Domaine Bousquet, a Almeria, neste mês o resultado do garimpo pegou carona no tema não só para explorá-lo, mas especialmente possibilitar a prova de forma a que cada um dos confrades que optaram pelo kit, possam fazer seu próprio juízo de valor. Afinal, neste mundo enófilo, não existe melhor forma de aprender do que abrir garrafas e explorar, a essência de tudo!
   A Domaine Bousquet é um projeto francês na altitude de Gualtallery, Tupungato, Mendoza. O compromisso com a agricultura orgânica impulsiona o melhoramento da biodiversidade dos vinhedos. Quanto mais saudáveis os vinhedos, melhor a uva e consequentemente (na maioria das vezes) o vinho elaborado sendo esse o principal objetivo desta família francesa que chegou a Tupungato em 1997 depois de 4 gerações produzindo vinhos na terra natal.  As raízes de vinhedos cultivados de forma orgânica tendem a ser mais profundas  permitindo que as plantas absorvam e distribuam melhor os minerais  e intensifiquem sabores já que o rendimento das vinhas tende a ser menor. O uso de leveduras selvagens, compactuam com o trabalho nos vinhedos de forma a trazer o melhor retrato do terroir. O resultado são vinhos menos industrializados, mais verdadeiros, mas obviamente têm que ser bons antes de qualquer coisa e isso eu conferi, só assim para estar aqui!
    A altitude de Gualtallary, 1200 metros de altitude, permite uma melhor e mais tardia maturação da uva e uma acidez mais presente nos vinhos por lá produzidos devido à amplitude térmica bem acentuada na região. Resultado; vinhos mais frescos, fruta madura no ponto (sem sobremadurez), taninos mais finos.  Este kit do Frutos do Garimpo do mês contemplou uma garrafa de cada de um branco, um rosé e dois tintos com duas uvas diferentes e gamas diferentes na linha de de rótulos elaborados pela bodega de forma dar uma visão ampla da linha de produtos da Domaine Bousquet.  meus comentários sobre os vinhos provados segue abaixo, porém cabe a você fazer seu juízo de valor, experimente e tire sua próprias conclusões, sempre melhor do que simplesmente ler a opinião de terceiros, não acha? rs Duas características são inerentes a todos os vinhos provados; frescor e elegância.
Domaine Bousquet
Domaine Bousquet Premium Chardonnay 2016 –  uma saborosa e fresca versão de Chardonnay sem passagem por madeira com notas cítricas, acidez acentuada, um verdadeiro vinho de verão, divertido, vibrante, alguma fruta tropical, porém tudo isso presente de forma delicada e muito, muito agradável de tomar. Um Chardonnay diferenciado, fora dos padrões a que estamos acostumados. Preço médio em Sampa hoje, entre R$65 a 70,00
Domaine Bousquet  Premium Rosé de Malbec com Cabernet 2016 –  muita riqueza de sabores com fruta fresca abundante num rosé muito bem feito, leve, fresco e sedutor que combina muito bem com nosso verão e com frutos do mar e pratos orientais. Possui cor linda, a la “Provence”, boa paleta aromática que convida a levar a taça à boca. Preço médio em Sampa hoje, entre R$65 a 70,00
Domaine Bousquet Reserve Cabernet Sauvignon 2014 – um vinho para abrir e deixar respirar por uma meia hora, tempo que ele precisa para se mostrar. Notas terrosas, frutos negros, fresco com notas minerais, couros, bosque, é um vinho complexo que demanda tempo para se descobrir todas as suas camadas. Talvez o vinho deste kit que mostre mais as características de terroir mais puras, fruto do processo de orgânico de vinificação com leveduras selvagens. Wine Spectator 90 pontos. Preço médio de mercado em Sampa hoje, entre R$95 a 100,00
Domaine Bousquet Grande Reserve Malbec 2013 –  Um belo vinho, um malbec mais fresco, denso, escuro em que o equilíbrio prevalece. leva 5% cada de Merlot, Cabernet Sauvignon e Syrah, tecnicamente ainda um varietal, o que lhe aporta complexidade. Nariz de boa intensidade com frutos negros bem presentes,  na boca um vinho de corpo médio para encorpado de taninos muito finos, toque defumado, aveludados, longo com final algo apimentado, mostra bem sua estirpe francesa, estrutura e bom volume de boca porém com grande finesse. Doze meses de barrica francesa nova aparecem de forma delicada projetando a fruta mais que o carvalho, num conjunto de muita qualidade. James Suckling, ex-editor da Wine Spectator, lhe deu 93 pontos, algo conferir. Preço médio de mercado em Sampa, entre  R$150,00 a 160,00.
Enfim, nem sempre o Garimpo dá o resultado que queremos, mas gostei do que pintou na peneira este mês. Quem comprou o kit que comente, mas se você ainda não faz parte do Frutos do Garimpo tudo bem, procure estes vinhos numa loja mais próxima de você e explore este veio orgânico. Afinal se é bom e é mais natural, melhor! Por hoje é só, bom final de semana para todos e kanimambo pela visita. Sáude!

Salvar

Elaborando e Provando Vinhos na Casarena

Uma das bodegas onde sempre levo os grupos de enófilos que me honram com sua preferência e confiança nos tours que faço por Mendoza. O lugar é lindo, a comida é de primeira e criativa, os vinhos nem se fala e ainda fazemos um exercício de elaborar um vinho próprio! Desta vez também descobri dois novos vinhos que me encantaram.

Após uma breve visita à bodega, fomos para a sala exclusiva onde o grupo, dividido em equipes de três, teria que desenvolver um blend próprio. Na mesa, pipetas e três garrafas de vinho base todos de Agrelo; Cabernet Sauvignon, Malbec e Petit Verdot. Cada trio desenvolveu sua sensibilidade provando primeiro cada vinho individualmente e depois montando seu blend. Super divertido, acalorado, um exercício muito bacana que já tive o prazer de montar, de forma algo mais lúdica, em uma de minha degustações ao montarmos cortes bordaleses, sempre uma ótima e divertida forma de desenvolver nosso conhecimento e aguçar nossos sentidos. O ganhador foi escolhido pelo grupo ás cegas, pois de cada rótulo foram feitas duas garrafas, uma para a prova e a outra para a dupla que elaborou levar para casa. O vinho vencedor? “Na Medida”, elaborado pela Liane, Martha e Ivete onde a Cabernet Sauvignon foi protagonista com 60% tendo como coadjuvante 30% de Malbec que foi completado com a mágica Petit Verdot, corte bordalês (com a malbec fazendo as vezes da Merlot) a la margem esquerda de Bordeaux!! rs

Já embalados a esta altura do campeonato, nos dirigimos ao restaurante para uma deliciosa e muito criativa refeição harmonizada com menu degustação de seis pratos. Afora os vinhos relacionados, ainda tivemos o privilégio de finalizar no terraço tomando o impressionante Ícono de Casarena, coisa de louco!!  De forma reduzida e concisa, eis meus comentários lembrando sempre que os grandes produtores se conhecem por seus vinhos básicos, e esta linha 505 que aqui no Brasil anda na casa dos 56 Reais mostra bem o compromisso da bodega com seus vinhos:

  • 505 Chardonnay – levemente amadeirado, fresco, um vinho muito agradável de uma linha de gama de entrada.
  • 505 Rosé de Malbec com Cabernet Franc – o mercado não é muito chegado em Casarena Naoki Malbecrosés, mas eu gosto e este me encantou, sedutor e muito saboroso.
  • Ramanegra Cabernet Sauvignon Reserva – nesta linha de produtos, gama média alta, o vinho que mais me encanta e que fez que eu um dia introduzisse o produtos no portfolio da Vino & Sapore. Prima pelo equilíbrio.
  • Naoki Single Vineyard Malbec Agrelo – Esta linha de produtos é topo de gama, e aqui encontramos um ótimo Cabernet Franc e um Malbec do vinhedo Lauren´s de que gosto muito, porém este me arrebatou, seduziu, me encantou, vinhaço! Um Malbec que prima pela finesse, um nariz de boa intensidade que convida a levar á taça à boca onde explode em emoções, gamei!!
  • Ramanegra Cidra Brut – Diferente, mas não chega a encantar, ajudou a harmonização.
  • Casarena Ícono -“O” vinho da casa, o nome diz tudo. Um blend que junt20170904_170311a as melhores uvas das melhores parcelas de seus vinhedos, fermentadas inteiras em barricas de 500 litros com leveduras selvagens, a quintessência do terroir!! Sessenta porcento de Cabernet Sauvignon parcelas com mais de 90 anos e Malbec compõem este incrível vinho que passa ainda por 18 meses de barricas francesas novas e um breve afinamento em garrafa antes de sair ao mercado. Vinho classudo, inebriante, denso com ótima textura, meio de boca complexo, taninos presentes mas muito finos, para tomar nas calmas olhando aquela linda paisagem, show de encerramento, vinhaço!

Bem amigos, e assim terminou mais um dia de visitas em Mendoza que se iniciou com a Belasco de Baquedano e terminará com o jantar no incrível Azafrán que está soberbo como sempre, talvez um degrau acima depois da mudança de chefs. Para curtir um pouco mais clique na imagem abaixo e viaje comigo virtualmente.
20170904_130613

Salvar

Salvar

Vertical de Catena Chardonnay

Há tempos que falo aqui sobre os vinhos brancos argentinos aos quais poucos dão a atenção devida, mas afinal no Brasil, poucos dão bola para os vinhos brancos mesmo! Uma pena, mas enfim, há que se respeitar idiossincrasias culturais de cada região mesmo que não deixemos de trabalhar para tentar mudar esse status quo! rs

São inúmeros os bons rótulos, inclusive de chardonnays, especialmente agora que se exploram novos terroirs, mais frios, de maior amplitude térmica e de solos mais calcáreos o que tem resultado em vinhos mais complexos e de acidez e mineralidade mais acentuadas. Um dos grandes exemplos disso são os Catenas White Stones e White Bones, vinhos que alcançaram um nível de qualidade, na opinião de diversos críticos internacionais porque ainda estou por provar, inimaginável há 15 anos atrás. Tim Atkins, um desses renomados críticos, o ano passado apontou o White Stones, caso não esteja equivocado, como um dos melhores se não o melhor vinho argentino provado. James Suckling, outro desses renomados críticos, acabou de soltar seu TOP 100 vinhos de 2017 em que o vinho mais pontuado argentino, em 6º lugar, foi exatamente esse White Stones 2014 de que falei anteriormente e, lógico, com a mão do amigo Alejandro Vigil, um maestro da enologia.

Recentemente estive na Catena e provamos um incrível Catena Alta Chardonnay, o El Enemigo Chardonnay é de se tirar o chapéu, gosto muito do Ruttini Chardonnay, enfim são inúmeros os ótimos vinhos sendo elaborados pelos hermanos em terras mendocinas com esta nobre uva. Uma revolução está ocorrendo por lá à qual precisamos prestar mais atenção e parar de achar que a Argentina é só terra de tintos e a casa dos Catena (e agregados! rs) arrebenta com bons chardonnays em todas as faixas de preço!

Bem depois desse preâmbulo todo, falemos desta vertical que descobri tinha na adega da Vino & Sapore, uma garrafa cada de Catena Chardonnay, uma de 2013, outra de 2014 e finalmente a mais nova e por onde iniciamos este pequeno e informal desafio de safras, a de 2016. Sem muita  treta, como diz meu amigo Pingus do bom blog Pingas no Copo, e bastante objetivo:

Catena chardonnay

2016, obviamente que foi o que apresentou a melhor acidez, mais jovem e irrequieto que seus irmãos. Fruta tropical, muito aromático, boa tipicidade, boca com algum toque cítrico que o diferenciou dos demais, final com notas minerais e leve amargor que não chegou a me incomodar. Um vinho que deverá evoluir muito bem e acho que vou guardar umas garrafas! rs MB

2014, tudo o acima (sem as notas cítricas) com uma acidez mais equilibrada e umas notas herbáceas que não apareceram no seu irmão mais novo. O que menos me entusiasmou neste estágio da vida dele, mas creio que deve evoluir bem por mais um bom par de anos. Legal se tivesse mais uma garrafa, gostaria de o provar daqui a um ou dois anos! B

2013, para mim a estrela da tarde; super cremoso, abacaxi, baunilha, um vinho de muita classe, harmônico, acidez ainda bem viva e balanceada, longo final de boca mostrando toda a sua maturidade e complexidade. O primeiro a acabar, entre idas e vindas, e o que mais deixou saudades. MB+

Esta linha da Catena, é um blend de chardonnay advindo de três vinhedos em regiões e terroir diferentes; Pirâmide (Agrelo/Lujan de Cuyo), Domingos (Bastías/Tupungato) e Adrianna (Gualtallary/Tupungato) exceto pelo 2016 que também leva uvas do vinhedo El Cepillo (sul do Vale do Uco). Fermentação sur lie num mix de barricas de carvalho e tanques de inox,leveduras selvagens, passa posteriormente por cerca de dez meses em barricas novas e de segundo e terceiro uso e só cerca de 60% do vinho faz malolática. Na casa dos 120 Reais é um bom exemplar de Chardonnay que merece uma boa taça para que que possa mostrar todos seus atributos.

Por hoje é só, uma ótima e produtiva semana para todos, kanimambo pela visita e seguimos nos encontrando por aqui ou qualquer outro canto desta nossa vasta vinosfera, sáude!

 

 

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Cabernet Franc Abaixo das 100 Pratas!

Eis aí algo difícil de se encontrar, um Cabernet Franc de qualidade abaixo das 100 pratas, mas eu achei depois de muitos provar. Certamente que outros deverão existir, nem entro no mérito, porém sempre falo só de minhas experiências e este pequeno fruto do garimpo é o 59N Cabernet Franc 2016, com origem em Mendoza, especificamente de Maipu, da Kalós Wines que 59Nvinifica seus vinhos na Melipal. O vinhedo tem cerca de 20 anos, produção restrita a 25 mil garrafas, e o nome (59N) possui uma origem algo inusitada, pois tem a ver com o vovô Calixto, patriarca da família Losada, que se gabava de ter tido 59 Novias (namoradas) em sua juventude!

Mostrou-se muito amável de boca sem perder a tipicidade com notas florais, frutos vermelhos e alguma especiaria no nariz, corpo médio, rico meio de boca, notas herbáceas sutis, fresco, expressivo final de boca levemente apimentado, de média persistência e taninos aveludados. Um vinho que me agradou bastante ainda pelo preço que por aqui em Sampa está chegando com preços entre R$90 a 95,00.

Certamente um vinho que visitará minha taça com uma certa regularidade pois afora o colocar no Frutos do Garimpo de Outubro, também aproveitei e fiquei com uma caixa. Como está bem novo, terei um tempinho para o desfrutar ao longo dos próximos dois anos, se é que durará tanto na adega!! rs É isso por hoje, mais um bom vinho de Mendoza para você descobrir que aquelas terras não fazem só Malbec não e  que a Cabernet Franc não é mais só moda, veio para ficar. Fui, bom fim de semana prolongado para quem puder ainda desfrutar desse privilégio, eu estarei de plantão sexta e Sábado na Vino & Sapore. Kanimambo pela visita.

 

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Desafio de Cabernets Franc de Mendoza – Resultado

Na Granja Viana, nas instalações da Vino & Sapore, realizei há dias um desafio às cegas de alguns ótimos vinhos muito bem avaliados pela nata de grandes críticos internacionais de nossa vinosfera. Exercício muito interessante em que os grandes ganhadores foram os que compuseram a banca degustadora, toda ela composta por amigos aficionados e seguidores de Baco.

Como já falei anteriormente aqui, esta foi só uma pequena mostra do que anda ocorrendo por lá com ótimos vinhos no mercado e se incluirmos nessa lista os rótulos que possuem algum “tempero” mas que mantêm o mínimo exigido de 85% de Cabernet Franc, a lista então irá englobar alguns dos melhores vinhos argentinos da atualidade como os Gran Enemigo de Alejandro Vigil. Da Argentina essa febre também começa a produzir bons rótulos na Patagônia, em Salta e San Juan, do Chile também começam a chegar ealguns ótimos rótulos, por aqui no Brasil encontramos alguns brasucas bem bons ou seja, amplie seu horizonte porque esta uva chegou para ficar!

Por outro lado, o exercício mostrou que a mesma uva da mesma região pode sim apresentar vinhos muito diferentes entre si o que prova que não existe isso de definir aromas e sabores de uma uva, no máximo existem tendências. As variáveis seja de terroir, de vinificação e da mão do homem (também parte do terroir) podem e fazem uma tremenda diferença

Não vou me estender muito na análise dos vinhos, até porque não fiquei tomando nota já que tinha que fazer o serviço, porém não quis deixar passar aproveitando enquanto as sensações ainda estão bem frescas na memória. Eis os DESAFIANTES a melhor vinho da noite.

Cabernet Franc - Degustação Mendoza

Zorzal Eggo Franco 2015 – num estilo bem Loire de vinhos mais leves e frescos, muito bom porém o estilo, como já é de praxe na maioria das degustações que fiz em que esses vinhos estiveram presentes, não é fácil de agradar o palato brasileiro. Pimenta bem marcante de final de boca, gostei muito, é orgânico, elaborado 100% em ovos de cimento, personalidade muito própria e foi meu terceiro melhor vinho empatado com meu segundo (desempatou o alfabeto! rs) mesmo que com estilos bem diferentes. Importador Grand Cru

Devita 2014 (Deco Rossi/Lagarde) – só disponível com o Deco, alguns restaurantes e na Vino & Sapore. Um vinho que me agrada muito por sua finesse e equilíbrio, taninos aveludados e boa persistência. Confirmou tudo isso na prova.

Fabre Montmayou Reserva 2015 – o vinho ainda está um pouco novo, precisa de tempo para encontrar seu equilíbrio, longe da safra anterior tão premiada. Bom, porém nesta prova não se houve tão bem quanto esperado. Importação Premium

Riccitelli Reserva 2012 – o mais mendocino de todos os vinhos provados, com aquela típica estrutura e extração, denso, escuro, fruta bem presente marcante tendo sido o segundo vinho da noite pela contagem de pontos entre os presentes tendo sido o melhor para dois deles. Passei uma vez pelo magic decanter e o deixei no Decanter por cerca de uma hora. Não tem no Brasil.

Casarena Single Vineyard  Lauren´s 2013 – mais um vinho ainda muito jovem que apresentou um grande equilíbrio entre potência e finesse de taninos, complexo, precisou de uma passagem pelo magic decanter e uma hora de decanter comum quando mostrou boa evolução. Um senhor vinho, toques herbáceos, taninos muito finos num estilo algo bordalês de ser chegou em terceiro na votação do povo e segundo no meu. Importação Magnum

Siesta en el Tahuantinsuyu Bio 2013 – O que dizer quando frente a frente com vinhos de primeiro nível, um deles receber 10 votos como melhor da noite mais um, o meu? Definitivamente um grande vinho que, ainda por cima, é biodinâmico o que é um plus e tanto. Obra do Ernesto Catena que tem todo um histórico na elaboração de vinhos naturais, gosto muito do que ele faz, e este ele elaborou com uvas vindo de vinhedos de Vistaflores, 1100 metros de altitude, no Vale do Uco. Oitenta por cento passam em barricas francesa e o restante em americanas, sendo que 70% são novas e o resto de segundo e terceiro usos. Tudo (taninos, acidez, corpo, álcool) muito bem integrado, boa tipicidade da casta, complexidade tanto nos aromas quanto no palato, elegância, taninos finos com final interminável e fresco, deixou muita gente com vontade de mais e pena que não tinha! Aliás, a Mistral que traz os outros rótulos dele bem que poderia incluir esse na lista!!

 

Siesta Cabernet Franc Bio

Foi isso, um patamar bem alto de qualidade na taça mostrando que a Cabernet Franc veio para ficar! Uma ótima semana para todos e kanimambo pela visita, saúde!

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Um Sedutor Tannat de Salta

Falo de um vinho de pequena produção e de uma região que poucos conhecem, ainda mais para esta uva. Conheci o vinho pela primeira vez há pouco mais de 4 anos e foi paixão à primeira fungada! rs Colomé Lote Especial Tannat 2014, produzido a 1700 metros de altitude com uvas do vinhedo La Brava, Valle Calchaquí. Quando o conheci tinha uma produção limitada a 1500 garrafas, porém hoje já está na casa das 8300 o que segue sendo bastante limitado, porém com preço acessível por lá, na casa dos 250 a 300 pesos ou em Reais entre os 50 a 60 tops, mas cheguei a ver por 215!! Não chega ao Brasil então quem Colomé Lote Especial tannatandar lá pelas terras de nuestros hermanos coloque em sua lista e aproveita traz duas garrafinhas para mim porque minha última tracei neste último Domingo, sniff! rs

São 12 meses de barrica com a madeira muito bem integrada e imperceptíveis 14,5% de teor alcoólico, O Vinho! Apesar de sua estrutura, cor escura mostrando grande concentração é de corpo médio para encorpado, taninos finos e aveludados, frutos negros presentes na boca e nariz, algum tabaco, extremamente rico e absolutamente sedutor, alguma especiaria no final de boca que mostra boa persistência e um agradável frescor. Gostosa paleta olfativa com notas florais, um vinho que prima pelo equilíbrio e dá enorme prazer tomar, que nos encanta e nos faz pedir bis. Um Tannat para quebrar eventuais preconceitos e paradigmas contra esta uva, sem contar sua tremenda relação PQP (Preço x Qualidade X Prazer). Certamente um Tannat para chamar de meu, um vinho que curto demais!!

Acompanhou maravilhosamente o rico arroz carreteiro elaborado com maestria por meu genro Júlio, um grande almoço esse de Domingo. Da Bodega Colomé em Salta, mas uvas vêm de vinhedo em Cafayate, um vinho de um lugar que me encanta ainda mais que os vinhos, quem sabe um retorno em 2018 e com um grupo bacana?? Por enquanto, a Patagônia está a um mês de distância, vem comigo? Kanimambo pela visita, saúde e um ótimo fim de semana.

Salvar

Salvar

Finca Decero, dia Zero de Nossa Viagem a Mendoza!

Com este grupo essencialmente composto de Confrades que se reúnem mensalmente na Vino & Sapore tendo as Enoladies como fomentadoras principais da viagem, embarcamos em Guarulhos num Domingo e na chegada já tivemos o privilégio de sermos recebidos na Decero que abriu as portas especialmente para nós! A Decero é uma Bodega muito jovem começada do zero em 1999 por um casal de Suiços que tinham em mente um projeto especifico a executar e por isso mesmo queriam algo que eles mesmos pudessem moldar ao seu jeito e forma. É linda, perfeitamente integrada a uma paisagem encantadora.

Os vinhedos chamados de Remolinos, em função dos redemoinhos  que se formam no campo, começaram a ser plantados em 2000 e as primeiras colheitas experimentaisFinca-Decero-Argentina-A-remolinos-in-our-vineyard realizadas em 2004 e 05. Finalmente em 2006 as primeiras colheitas comerciais foram realizadas, lançadas ao mercado dois anos depois e o sucesso veio rapidamente. Hoje se produzem cerca de 500 mil garrafas anuais e os troféus e medalhas começam a se amontoar. Para quem não conhece, recomendo a visita, o lugar e os vinhos merecem atenção sem desmerecer o atendimento muito simpático e eficiente, porque isso é essencial,gracias!

Já esteve presente no Brasil, porém em função do fechamento da importadora, busca outro representante para nossas terras e eu espero que achem logo, pois seus vinhos valem muito a pena e estranho que até agora não tenha rolado algo. Se grana tivesse para isso, certamente estaria em meu portfolio!  Localizada em Lujan de Cuyo em uma de suas principais sub-regiões, Agrelo, só produz vinhos tintos. Você pode ver mais da bodega clicando aqui, mas agora deixa eu compartilhar com vocês os vinhos que lá provamos e nos foram apresentados pelo diretor comercial Leandro Bastias, gracias amigo!

Decero Malbec  – Boa tipicidade, floral, taninos finos bem presentes, boa persistência e harmônico, acidez bastante equilibrada. Bom vinho ao qual a Wine Spectator deu 91 pontos na safra 2015.

Decero Cabernet Sauvignon – Frutos negros bem presentes, especiarias, jovem, taninos firmes e elegantes, gostei muito e, a meu ver, entre os três desta gama o vinho mais vibrante que mais me entusiasmou mostrando que estas terras de Agrelo realmente dão ótimos Cabernets! A Wine Spectator acabou de indicar este vinho da safra de 2014 como um dos vinhos a não perder na faixa abaixo de USD30 nos EUA.

Decero Syrah – Taninos doces, especiarias, boa intensidade e textura, amável na boca, um vinho bastante agradável, bem feito e fácil de tomar.

Decero Mini Ediciones Petit Verdot – somente cerca de 12.000 garrafas produzidas e um vinho surpreendente para a maioria que o prova pela primeira vez. Não é a toa que na safra 2012 levou o Troféu de melhor Vinho de Mendoza na Wines of Argentina Awards e Melhor Vinho Argentino entre USD30 a 50! Absolutamente sedutor, na contramão de tudo o que, a principio, se espera de um varietal 100% desta uva. Sem excessos, fino, nariz intenso e boca extremamente elegante com taninos de grande finesse. Uma garrafa é pouco!! Um dos meus preferidos desta casa e faço questão de sempre ter uma garrafa na adega, bom demais.

Decero Mini Ediciones Tannat – cerca de 10.000 garrafas de um Tannat surprendente! Rico, frutos negros, ótima estrutura de boca, taninos de boa tipicidade porém muito bem equilibrados sem qualquer agressividade. Final longo e apetitoso, uma belo exemplar desta casta pouco comum aqui em Mendoza, adorei e não tive como não trazer uma garrafa para mim. Marcante vinho que sugiro, tanto como o Petit Verdot, para os amigos que gostam de alçar voôs outros e sair da mesmice. Show!

Decero Amano – baita vinho, encantador, conheci pela primeira vez na degustação Premium da Wines of Argentina em Setembro/14 (veja aqui meus destaques) e depois voltei a prová-lo em 2015 quando em Mendoza e agora novamente. Em todas as vezes senti enorme prazer ao tomá-lo, um grande vinho, um assemblage de primeira linha em que o viés velho mundista mais tradicional de perfeito equilíbrio, elegância, daqueles vinhos que já nos seduz na primeira fungada! Blend de Malbec, Cabernet Sauvignon, Tannat e Petit Verdot é um grande vinho, complexo e sedoso na boca, fruta exuberante um vinho que me encanta e não é à toa que foi o único vinho argentino a ganhar por três vezes o troféu de Melhor Red Blend acima USD50 na Wines of Argentina Awards!!

Deixei por último um rótulo recém lançado nos EUA e que agora chega ao mercado o “The Owl and the Dust Devil” que apelidamos carinhosamente de Corujinha! rs Um excepcionalmente bem equilibrado blend de Malbec e Cabernet Sauvignon (mais ou menos partes iguais) com Petit Verdot (cerca de 20%) e 10% de Tannat, uau! Foi paixão à primeira fungada!! rs Fermentado em barricas francesas de 620 litros, posteriomente repousa por 18 meses em barricas menores para afinamento. Daqueles vinhos que há que se ter diversas garrafas na adega porque uma certamente será pouco. O legal é que fica numa faixa de preços excelente, lá na bodega cerca dos 400 pesos. O Ruim é é que só na Bodega ou nos EUA, pelo menos por enquanto. Pudesse teria trazido caixa!!!

Duas características unem todos os vinhos provados, a boa acidez e o equilíbrio que geram vinhos de taninos finos e elegantes. Uma pena que o sol só apareceu no finalzinho de nossa estadia (o pôr do sol ali é divino!), mas foi o bastante para que a visita terminasse em grande estilo, a natureza em todo o seu esplendor!

Passado da  hora de um importador se acertar com eles! Enfim, abaixo o vídeo (clique na imagem para acessar) da visita e ao longo do mês de Outubro conforme for tendo tempo, vou postando os detalhes do resto desta incrível viagem. Quem ficar com vontade, no feriado da Republica mais uma viagem, desta feita com destino a Buenos Aires e Patagônia, veja mais clicando aqui .

Nem tudo foram rosas no nosso dia zero, a nota negativa foi o lanchinho mequetrefe servido a bordo do voo da Gol em plena hora do almoço. Saída 11:40 chegada lá 14:30h com um lanchinho no bucho, mas nem opção de comprar algo mais tinha, deixou muito a desejar nesse quesito!!  Kanimambo pela visita e seguimos nos encontrando por aqui ou na Patagônia, que tal?? rs

20170903_163403

Salvar

Salvar

Salvar

Luca Syrah, Uau!

Recentemente a convite da Vinci, importador dos bons vinhos do projeto solo de Laura Catena, tive a oportunidade de provar alguns bons vinhos variando de USD22 a 62,00 convertidos ao cambio do dia. Depois falo um pouco mais da prova, foram 12 vinhos, mas hoje quero mesmo é falar no vinho que, para meu gosto e dentro de meus conceitos de avaliação, é um dos melhores Syrahs argentinos que já provei. Há uns anos me encantei pelo Siesta Syrah de Ernesto catena que há tempos parou de ser produzido e até pensei que eventualmente o vinhedo poderia até ser o mesmo, não é!

Este projeto de Laura se baseia menos em vinhedos próprios e mais em vinhedos antigos de amigos com os quais mantém acordos para fornecimento de uvas. Neste caso, os vinhedos possuem mais de 50 anos e são plantados, salvo engano, em parral o que não é muito comum na região de La Consulta no Vale do Uco. Luca Syrah 2013, passou 14 meses em barricas de carvalho francês, 20170828_123458sendo 40% novas e o restante de segundo uso. Mostra aromas muito típicos em que se destacam as especiarias, grande concentração, ótima textura, taninos aveludados, rico meio de boca, especiarias e final achocolatado de boa persistência compõem um conjunto firme, mas de muita classe em que a madeira está muito bem integrada mostrando ótima estrutura de guarda devendo evoluir muito bem pelos próximos quatro a cinco anos. Comprar duas garrafas, uma para agora e outra para 2020 me parece uma ótima opção! rs

Este é certamente um rótulo que virei a colocar em algumas degustações às cegas de Syrah, questão te oportunidade, mas espero que ainda este ano. Gostei demais e para mim um vinhaço! Na maioria das vezes acho que os críticos exageram nas notas, mas neste caso acho que Stephen Tanzer e Robert Parker que lhe deram 90 pontos poderiam ter sido um pouco mais mão aberta. Eu que sou mão de vaca com nota, certamente ficaria entre os 91 a 92 pontos e nesse caso os 91 do James Suckling faz mais sentido!

Enfim, não são muitos os Syrahs argentinos que me entusiasmam, mas este fez com que em minhas notas sobre o vinho aparecesse um UAU com dois pontos exclamação, da hora! Preço USD50 ou, hoje, cerca de R$175,00 e vale dentro de nossa conjuntura tupiniquim de preços do vinho. Salute, kanimambo e nos vemos por aí ou por aqui.

Salvar

Salvar

Comprando Vinho em Mendoza

Para quem visita esta linda região e cidade da qual sou fã e onde tenho muita gente amiga, a compra de vinhos é um must. Seja nas vinícolas visitadas seja nas lojas na cidade, difícil resistir a tanta tentação e não retornar com a cota cheia, pois a economia é boa e o momento propicia a isso.

Como sabem estive por lá semana passada e, obviamente, não resisti a dar uma fuçada nas lojas da cidade tendo inclusive trocado alguns mails com duas delas antes. Não é muito a praia deles, trocar e-mails, serem objetivos, etc. Quando cheguei não tinham o que queria e com pouco tempo disponível para correr atrás acabei ficando na mão. De qualquer forma são lojas que valem a pena ser visitadas e por serem mais centrais e maiores as visitas se tornam quase que obrigatórias e são válidas. São muitas as lojas de tudo o que é tamanho e estilo, mas focado nas visitas às bodegas, sobra pouco tempo para explorar, então das que eu visitei e conheço (só falo do que conheço) cito estas. São quatro (todas no centro por onde gosto de andar) e entre elas certamente você preencherá sua cota fácil, fácil e quero ver o que fará com as compras nas bodegas!! Se forem em casal, mais tranquilo, aí dá para fazer a festa!!! rs

 

Peatonal Wines – muito boa seleção de vinhos, pequena, atendimento muito simpático da Sol e da Agustina, não pode ter pressa porque costuma ter só uma delas de plantão e se tiver ocupada relaxe e fuçe! Já tinha estado lá em 2015 e agora novamente, certamente um diferencial enorme no atendimento que me seduziu. Caixa e desconto negociáveis por volume (consegui 15% pagando cash e o cambio foi bom), uma loja que me agradou sobremaneira e recomendo aos amigos, não deixem de passar por lá mesmo que visitando as outras para comparar. Virei cliente de vez e melhor, ficam na parte mais charmosa do calçadão (Paseo Peatonal Sarmiento 115) e fecha ás 23H!! De um vinho tinham poucas garrafas, na hora foram atrás e prometeram entregar ao pessoal à tarde no hotel, tudo com muita presteza e atenção, sinceramente virou uma de minhas preferidas se não a preferida, pois não basta ter bons vinhos e preços, têm que ter um atendimento diferenciado e um sorriso faz a diferença!

20170906_201935

Viognier Vinoteca – Próximo ao Sheraton, calle Amigorena 94, também no centro, esta fiquei por pouco tempo mas me encantei também! Estava atrasado, correndo procurando algo especifico e não deu para fazer o que mais gosto de fazer nesses lugares, fuçar! Loja tocada pelo próprio dono (faz-me lembrar de alguém! rs), pequena e focada nas coisas diferentes, pequenos produtores, etc.. Na próxima viagem vou explorar mais, porém gostei muito do que vi e, se você for como eu que gosta de sair da mesmice, este me pareceu o lugar. Na próxima vez que estiver por aquelas bandas vou ter que achar uma horinha para mergulhar naquelas prateleira! rs

20170906_201124

Sol Y Vino – na Av. Sarmiento 664 entre o Hotel Diplomatic e a praça Independência, boa casa com ampla e diversa seleção inclusive de algumas raridades. Seleção de azeites, quitutes regionais e objetos de decoração. Comprando 6 vinhos ganha 20% de desconto com pagamento cash e se comprar 12 ainda leva a boa caixa (vide foto no final) de brinde.

Wine 0’Clock – Na rua G. Espejo533 a uma quadra do Hyatt, à primeira vista uma loja pequena, meio confusa com um pouco de tudo; vinhos, azeites, decoração até algo de bijuterias. Na cave, um sonho e um lugar lindo cheio de gostosuras (vinhos), ideal para uma degustação. Dá para negociar uns 10% de desconto se pago em din-din e ainda tem o Tax refund que equivale a 14%. Paga-se a caixa, mesmo que com desconto.

foto caja para envio de vinos

Estas caixas custam barato e compensam muito pois tornam as garrafas quase que inquebráveis nas mão dos operários de transporte de bagagem nos aeroportos com um plus, pesam quase nada!! Recomendo, para despachar sem preocupações com seus bebês. rs Semana que vem devo começar a publicar a retrospectiva desses intensos 4 dias em Mendoza, porém quis antecipar estas dicas. Um ótimo fim de semana para todos e aguardem a degustação de Vinhos da Mala nos primeiros dias de Outubro, em breve dou detalhes! Kanimambo, saúde e quem sabe não nos vemos na Vino & Sapore neste fim de semana, estarei de plantão lá hoje (como sempre! rs) das 14 às 20h e amanhã das 10 às 19h, aguardo os amigos com uma taça de Santa Augusta Brut para brindarmos à vida!

 

 

 

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar