Para os Amantes de Vinhos Espanhóis

Dificil encontrar uma lista de safras por D.O. espanhola tão atualizada e completa. Encontrei-a enquanto pesquisava para uma palestra que darei dentro de dias e, obviamente, quis compartilhá-la com os amigos, até porque com a invasão de vinhos espanhóis pode ser um plus na hora de escolher entre tantos rótulos e safras sendo oferecidos no mercado.

CALIFICACIÓN AÑADAS DE LOS VINOS ESPAÑOLES
INFORMACIÓN FACILITADA POR LOS CONSEJOS REGULADORES DE LAS D.O.

COSECHA

92

93

94

95

96

97

98

99

00

01

02

03

04

05

06

07

08

09

10

11


 
Abona

 

 

 

B

B

B

B

B

B

MB

MB

B

B

B

B

B

B

 

 

 

Alella

B

E

MB

MB

MB

E

E

MB

E

E

B

MB

MB

E

MB

MB

MB

 

 

 

Alicante

B

B

B

B

B

B

MB

MB

MB

MB

B

B

MB

MB

E

MB

E

MB

MB

 

Almansa

MB

MB

MB

MB

MB

B

MB

B

B

MB

B

MB

E

MB

MB

MB

MB

MB

MB

 

Ampurdán-Costa Brava

B

MB

B

MB

MB

R

E

MB

MB

MB

B

MB

MB

E

MB

E

MB

MB

 

 

Bierzo

MB

D

MB

B

MB

B

B

B

MB

MB

MB

MB

MB

E

MB

E

MB

MB

 

 

Binissalem

B

B

E

MB

B

MB

E

MB

MB

MB

B

MB

E

MB

MB

E

MB

E

 

 

Bullas

 

 

 

MB

B

MB

E

MB

MB

MB

B

B

MB

MB

MB

MB

MB

MB

 

 

Calatayud

B

MB

MB

B

MB

R

B

B

MB

MB

B

MB

MB

E

B

MB

B

MB

 

 

Campo de Borja

MB

B

B

B

B

B

 

B

E

MB

B

B

B

E

B

B

B

MB

 

 

Cariñena

MB

MB

B

B

MB

R

E

B

MB

E

MB

B

E

E

MB

E

MB

MB

 

 

Cava

B

MB

B

B

MB

B

MB

MB

E

MB

MB

B

B

MB

E

E

E

MB

 

 

Chacolí de Guetaria

B

B

B

B

B

B

B

B

MB

MB

B

MB

B

MB

B

B

B

B

 

 

Chacolí de Vizcaya

 

 

 

B

B

B

B

MB

B

MB

B

MB

MB

 

 

B

MB

MB

 

 

Cigales

B

B

B

B

B

B

MB

MB

MB

MB

MB

E

E

MB

MB

MB

MB

MB

 

 

Conca de Barberá

B

MB

R

B

MB

B

MB

B

MB

B

MB

MB

MB

B

MB

MB

MB

 

 

 

Condado de Huelva

B

MB

R

B

B

B

B

MB

E

MB

B

B

MB

MB

MB

 

E

MB

 

 

Costers del Segre

B

E

MB

E

MB

MB

MB

MB

MB

MB

MB

MB

E

E

MB

MB

 

MB

 

 

El Hierro

 

 

 

B

 

 

B

MB

MB

B

 

B

MB

 

MB

MB

 

 

 

 

Jumilla

B

MB

MB

B

MB

B

E

MB

MB

B

B

MB

E

MB

MB

B

MB

MB

 

 

La Mancha

MB

E

MB

B

MB

MB

E

MB

MB

MB

MB

MB

E

MB

MB

E

MB

 

 

 

La Palma

 

B

MB

MB

B

B

B

B

B

B

MB

E

MB

MB

MB

 

 

 

 

 

Lanzarote

 

 

MB

MB

MB

MB

MB

E

MB

MB

E

E

MB

MB

MB

MB

MB

MB

 

 

Málaga

 

 

 

 

 

 

B

 

B

MB

B

MB

MB

E

 

 

B

B

 

 

Méntrida

B

B

B

B

B

B

B

MB

MB

MB

B

B

B

B

B

MB

B

B

 

 

Mondéjar

 

 

 

 

B

B

B

B

E

MB

MB

MB

MB

 

 

 

 

 

 

 

Monterrei

 

 

 

 

 

E

E

MB

MB

E

MB

 

E

E

E

MB

MB

 

 

 

Montilla-Moriles

B

B

MB

R

B

B

E

E

E

B

MB

MB

MB

MB

MB

MB

MB

MB

 

 

Navarra

B

MB

MB

E

MB

B

MB

MB

MB

E

MB

B

E

E

MB

MB

MB

MB

 

 

Penedés

B

MB

MB

MB

MB

MB

E

MB

MB

MB

B

MB

B

MB

MB

MB

MB

MB

 

 

Plà de Bagés

 

 

 

 

 

MB

E

MB

E

MB

MB

 

MB

MB

MB

MB

MB

 

 

 

Priorato, Calificada

MB

E

MB

E

E

B

E

MB

B

E

B

MB

E

E

 

 

MB

 

 

 

Rías Baixas

B

B

B

MB

MB

MB

B

B

B

B

B

MB

E

E

E

E

B

MB

 

 

Ribeira Sacra

 

 

 

 

B

MB

MB

MB

E

 

MB

 

 

MB

MB

MB

MB

MB

 

 

Ribeiro

B

B

MB

B

B

B

MB

MB

E

MB

MB

 

MB

MB

MB

MB

E

MB

 

 

Ribera del Duero

B

R

MB

E

E

B

MB

E

MB

E

MB

MB

E

MB

B

MB

MB

E

E

 

Ribera del Guadiana

 

 

 

 

 

 

B

MB

MB

MB

MB

B

B

MB

MB

MB

MB

MB

 

 

Rioja, Calificada

B

B

E

E

MB

B

MB

B

B

E

B

B

E

E

MB

MB

MB

MB

E

 

Rueda

B

B

MB

B

MB

MB

MB

MB

B

B

B

MB

MB

MB

MB

MB

MB

MB

 

 

Somontano

MB

E

E

E

MB

B

E

MB

B

E

MB

MB

MB

E

E

E

MB

MB

 

 

Tacoronte-Acentejo

MB

B

B

MB

B

MB

MB

R

MB

MB

B

MB

B

 

MB

 

B

B

 

 

Tarragona

B

B

B

B

MB

B

MB

MB

MB

MB

B

MB

B

MB

MB

E

 

 

 

 

Terra Alta

MB

 

MB

MB

E

MB

E

MB

E

E

B

MB

MB

B

MB

MB

B

 

 

 

Toro

E

MB

MB

MB

MB

B

MB

E

MB

E

MB

E

E

E

MB

MB

E

 

 

 

Utiel-Requena

MB

E

MB

B

MB

B

MB

MB

MB

E

MB

B

B

E

E

MB

B

 

 

 

Valdeorras

B

R

MB

B

B

E

B

MB

MB

B

B

MB

B

MB

MB

 

MB

MB

 

 

Valdepeñas

B

E

B

MB

MB

B

MB

B

MB

MB

MB

MB

E

MB

MB

MB

E

MB

 

 

Valencia

B

MB

MB

B

MB

B

MB

MB

E

MB

B

MB

MB

E

MB

MB

MB

MB

 

 

Valle de Güimar

 

 

 

 

 

B

B

B

B

B

B

B

B

MB

MB

 

 

 

 

 

Valle de La Orotava

 

 

B

B

MB

MB

B

B

B

B

B

B

R

B

MB

MB

 

MB

 

 

Vinos de Madrid

B

MB

MB

MB

B

B

MB

MB

MB

E

B

MB

MB

MB

B

MB

B

MB

 

 

Ycoden-Daute-Isora

 

B

B

B

B

B

B

MB

B

B

B

B

MB

 

 

 

 

 

 

 

Yecla

B

B

B

MB

MB

B

MB

MB

E

MB

B

MB

MB

B

B

B

MB

     

                                       

E: excelente / MB: muy buena / B: buena / R: regular / D: deficiente

Fonte: El Corte Inglés

Tabela de Safras 2011

                Todos os anos com o apoio dos amigos da Mistral, publico a tabela de safras que eles elaboram. Como sabemos, estas tabelas safras são como notas de critico, tem que sorver moderadamente e ser usado com parcimônia. São meros indicativos que servem como parâmetro de avaliação e decisão quando nos deparamos com produtores ou rótulos desconhecidos. Já tomei ótimos vinhos de safras muito ruins e vinhos não tão bons de safras ótimas então tudo é muito relativo e, creio eu, o produtor é fator essencial nessa equação. No entanto, no caso de nos depararmos com o mesmo rótulo com o mesmo preço, porém de safras diferentes, a lógica nos leva a comprar o vinho produzido na melhor safra.

Como a tentação e a oportunidade batem à porta sem aviso, nunca é demais imprimir esta tabela e carregá-la na sua carteira para dirimir eventuais duvidas. Clique na tabela para ampliá-la.

Tabela de Safras 2010

             Uma pausa nos Melhores de 2009 para falar da nova tabela de Safras que nos foi gentilmente cedida pela Mistral. Como sempre digo, tabela de safras é como nota de critico, tem que sorver moderadamente e ser usado com parcimônia. São meros indicativos que servem como parâmetro de avaliação e decisão quando nos deparamos com produtores ou rótulos desconhecidos. Já tomei ótimos vinhos de safras muito ruins e vinhos não tão bons de safras ótimas então tudo é muito relativo e, creio eu, o produtor é fator essencial nessa equação. Uma dica sobre os vinhos portugueses de 2007 (dados não disponíveis na tabela abaixo) é de que essa safra foi especialmente boa no Douro. Tive oportunidade de tomar alguns vinhos dessa safra e estão realmente bons, me recordando bem do Duorum, Post Scriptum, Altano Biologico e Pombal do Vesuvio que achei muito bons,  então aproveitem e estoquem, pois os bons vinhos serão longevos. Imprima e guarde em sua carteira, nunca se sabe o momento em que a tentação nos bate à porta e importante estar prevenido!

Se quiser mais detalhes das safras até 2007, uma boa fonte de informação é a tabela da Wine Enthusiast  disponível aqui. Salute e kanimambo

Existe a Safra Perfeita?

A meu ver, e na da maior parte dos entrevistados, a safra perfeita colheita-e-vinificacao1é uma verdadeira utopia desde os primórdios dos tempos, quando o egipcios produziam vinho lá pelo século III a.c.. Não existe a safra perfeita porque não existe perfeição em nada neste mundo, já que sempre algo pode melhorar, ainda mais quando estamos à mercê da tão mal tratada mãe natureza. No entanto, o que faz uma grande safra? Esta foi uma pergunta que me foi feita por diversas vezes e, mesmo sabendo a resposta, acredito que não tem gente mais competente para dar esse esclarecimento do que os enólogos e produtores de vinho que lidam com o vinho, a terra e as entepéries da natureza. Mais do que gente que fala de vinho, fui atrás de gente que FAZ vinho e/ou convive com ele na produção há décadas! Conversei com alguns que, gentilmente, me prestaram seus comentários que listo abaixo. No entanto, de forma genérica, a qualidade da safra é determinada pelo nível harmônico entre baixos rendimentos, baixas temperaturas com ausência de calor extremo e variações demasiado altas durante o amadurecimento e colheita assim como um menor índice de chuvas durante a época da colheita . Esses principais fatores regem a qualidade das safras permitindo que as uvas atinjam um melhor nível de maturidade produzindo fruta de altíssima qualidade que certamente será demonstrada nos vinhos produzidos. Também perguntei o que é importante para produzir bons vinhos. Eis algumas dessas respostas:

 

foto2Gabriel Cancino Enólogo da Caliterrea (Grupo Chadwick), Chile

1.- sanidad de la uva

2.- capacidad de esperar la madurez óptima (ausencia de lluvias)

3.- rendimientos controlados

4.- adecuada extensión de la temporada (no menos de 150 días)

5.- una buena planificación (recursos suficientes en la bodega)

 

dosroques6_luisLuis Lourenço – Quinta dos Roques (Dão) – Portugal

Para a safra perfeita (se é que tal coisa existe) precisamos de um inverno frio para induzir um “adormecimento” das plantas  durante algumas semanas e chuvoso para que tenhamos suficiente água no solo durante todo o ciclo vegetativo.

Uma Primavera suave, pode ter chuva em Abril mas não muito frio para evitar a geada e acima de tudo um Maio e princípio de Junho, que é o período da floração, sem chuva e com um pouco de vento para ajudar na polinização.

O Verão deve ser quente, sem exageros, com um ou dois aguaceiros para repor humidade no solo e noites frescas para manter uma boa acidez natural nas uvas.

Muito importante é não haver chuva durante a vindima para que tenhamos uvas bem maduras e saudáveis sem qualquer tipo de doença.

Com as condições acima, será muito provável obtermos uvas bem equilibradas, com boa maturação, aromáticas, taninos firmes mas elegantes, boa concentração e boa acidez. Devo dizer que ainda estou à espera da safra perfeita… mas isso é uma das coisas boas de ser produtor de vinho – esperarmos sempre melhorar e ter esperança na natureza!

 

emmanuelEmmanuel Delaille – winemaker e proprietário da Domaine du Salvard – Loire – França

1/ Sanidade das uvas durante o ano inteiro, especialmente no verão.

2/ Controle de rendimentos. Muita uva na vinha é ruim, assim como pouca também o é pois gera excesso de concentração.

3/ Clima ameno, sem chuvas em demasiado nem seco demais.

4/ Calor é importante, mas sem exageros. Quando muito forte como em 2003, o calor mata os aromas e reduz a acidez.

5/ Controle de qualidade na cantina, desde a colheita, passando pelo processo de vinificação até a última garrafa na caixa. Cada detalhe faz a diferença e é extremamente importante.

 

papaMarcelo Papa – enólogo da Casillero/Concha Y Toro – Chile

El bajo rendimiento, es decir, la presencia de parras con menos uvas, la ausencia de lluvias y un clima más frío en términos generales –  y más fresco en los dos últimos meses- le dio  mayor tiempo a las uvas para madurar. La maduración lenta permitió cosechar las uvas  en el momento óptimo, teniendo como resultado una cosecha perfecta.

El clima es un factor importante en el resultado final. En los años de clima frío se logran vinos mucho más elegantes. La maduración lenta de las uvas nos entregará vinos elegantes, suaves, de mejor acidez natural,  con colores espectaculares y muy concentrados

 

jmpJoão Machete Pereira – Symington Family Estates (Douro) – Portugal

Chuva Mágica:

Começando pelo Inverno, altura em que a vinha se encontra dormente, é extremamente importante ter bastante chuva e naturalmente temperaturas baixas pois queremos que a terra absorva o máximo de água possível para que os lençóis friáticos possam ficar totalmente recarregados. Esta será a reserva de água para a videira na altura de maior calor, o Verão. No Douro a irrigação está totalmente proibida.

Com o início da Primavera, a videira desperta do seu período de hibernação invernal, e para que a fase seguinte possa acontecer, a floração, é necessário que as temperaturas subam. Esta para mim é uma fase extremamente crítica, é bastante importante que as temperaturas não subam em demasia para que a floração se possa dar de uma forma gradual. Durante a floração um pouco de chuva é sempre bem-vinda pois funciona como um tipo de “poda em verde” natural. Assim a floração será mais pequena e a qualidade de fruta que iremos ter posteriormente será maior. Desta forma a videira poderá concentrar mais energia para cada flor, que irá depois dar lugar à fruta, a uva. É também importante que a chuva não seja demasiada caso contrário a floração não se irá dar, como em todas as outras fases (e talvez como em tudo na vida!) é necessário que seja na quantidade certa.

 

A fase seguinte em que a flor se irá transforma em uva, é importante que não haja chuva e que as temperaturas subam de uma forma gradual. O ideal é que as temperaturas de cerca de 40º C que possam aparecer unicamente a partir de meados de Agosto, na fase final da maturação. No final de Agosto,início de Setembro, caso o Verão tenha sido quente (como normalmente é aqui no Douro) as uvas deverão já estar ligeiramente enrrugadas começando a dar sinais de cansaço…por volta desta altura (e talvez esta é a parte mais importante) se podermos ter um pouco de chuva para que a uva possa recuperar um pouco de todo o calor do Verão é ideal. Aqui mais uma vez é importante que seja na conta certa caso contrário é extremamente prejudicial!

 

 Após esta chuva é importante que as temperaturas altas continuem durante o mês de Setembro e Outubro para que a vindima possa ser feita nas melhores condições. A fase final que também é extremamente importante é acertar com o dia para começar a vindima. Por aqui normalmente dizemos que a vindima começa no Verão e acaba no Inverno. Penso que esta expressão transmite bem o que é a altura ideal para começar a colher as uvas: tentamos aproveitar ao máximo os últimos raios de sol do Verão sem apanhar as chuvas de Outono.

 

Assim sendo, para ter uma safra perfeita é necessário além do calor, ter um pouco desta “chuva mágica” nestes três períodos.

 

         Tenho mais declarações e comentários, italianos/franceses e americanos, porém creio que os acima já mostram claramente que o clima e suas intempéries é que reinam sobre o vinho. Quanto muito, a tecnologia de vinificação conjuntamente com o conhecimento do individuo é que poderão corrigir alguns dos problemas surgidos na vinha numa má safra. Como exemplo gosto sempre de mencionar dois estupendos rótulos de 2002, considerado uma das piores safras Européias (desastrosa em alguns países) na última década; o Barão do Sul Garrafeira (Portugal) e o Marqués de Murrieta Reserva (Espanha) dois vinhos deliciosos e muito equilibrados.

        

luis-leao Finalizo com uma declaração de Luis Morgado Leão, enólogo da Herdade do Pinheiro, Alentejo, Portugal; “Não há requisitos básicos para uma boa colheita, mas sim uma série de fatores que influenciam a qualidade e quantidade dessa mesma colheita, tendo as práticas enológicas uma ação muito pequena nessa qualidade. Cada vez mais os bons vinhos são feitos na vinha e só nos resta a nós enólogos trabalhar bem e respeitar o que dela vem, dando continuidade no trabalho de adega”

 

Salute e kanimambo.

Sua Tabela de Safras 2009

Como no ano passado, fiz um acordo com a Mistral que muito gentilmente nos cedeu os arquivos de sua Tabela de Safras que agora disponibilizo para você meu caro amigo leitor a apreciador das coisas do vinho. É o tipo de informação importante para ter, porém para ser usado com parcimônia já que não é um divisor de águas, mas sim uma ferramenta de assessoria na compra de seus vinhos. Já tratei deste tema em posts anteriores, inclusive naquele em que disponibilizei a tabela no ano passado, porém a matéria que publiquei sobre a Toscana é um claro exemplo de como esta tabela pode ser importante na nossa escolha de um vinho a comprar. Eis mais algumas dicas de como aplicar as informações para melhor usufruir sua tabela que, sugiro, seja impressa e guardada em sua carteira como uma fonte de referência lembrando que estas tabelas devem assessorá-lo e não tomar decisões por você, pois são somente indicativos genéricos de qualidade. Usadas com sabedoria, todavia, podem sim ser uma valiosa ajuda na diminuição de equívocos na compra reduzindo consideravelmente nossa margem de risco.

 Lembrando, temos hoje, mais de 18.000 rótulos disponíveis vindos de todos os cantos do mundo! Quem não precisa de ajuda para escolher, quem? Esta Tabela de Safras II (contemplando safras conhecidas e avaliadas até final de 2008) pode ajudar na hora de suas compras. Eis algumas situações práticas em que a tabela pode, e deve, ser usada considerando-se, sempre, que estamos diante de garrafas e/ou origens pouco conhecidas.

  • Na prateleira dois rótulos iguais de Chianti Clássico, porém de safras diferentes; um de 2002 e o outro de 2006, qual comprar?
  • Um vinho desconhecido, de uma região/país que você pouco conhece como, por exemplo, a Austrália.
  • Vinhos de preço similar e do mesmo país, mas de regiões diferentes. Por exemplo; um espanhol de Rioja 2002 e um Toro do mesmo ano.
  • Quero comprar um vinho conhecido, de que gostei, para guardar na adega. Sabendo-se que vinhos de boas safras costumam ser mais longevos, fica clara a escolha a ser feita.
  • Uma promoção, preço convidativo, rótulo de design atrativo, um Bordeaux  ou Amarone 92 pouco conhecido. Compro ou não compro?

         Com o uso da tabela abaixo, suas chances de acerto melhoram bastante. Existem tabelas mais completas ainda que dão a indicação de quando os vinhos dessas safras estarão no pico e prontas para seu consumo ideal; Wine Magazine, Wine Spectator e Robert Parker produzem algumas destas e para todos eles existem links aqui do lado. A Helô reclamou, no ano passado, e a Mistral atendeu, agora a o Brasil já aparece na tabela. Por outro lado, aproveito para agregar informação sobre minhas experiências recentes com os vinhos brancos e roses nacionais de 2008 que estão muito bons. Não tenho dados efetivos que substanciem isso, porém na boca parece-me que estamos diante de uma muito boa safra destes vinhos.

          Nos vinhos do dia-a-dia, mais simples e feitos para serem tomados bem jovens, realmente a importância das safras é menos relevante. No entanto, ao subirmos a escala de valores e qualidade as safras começam sim a ter importância na elaboração de um vinho. Por exemplo, existem vinhos top que sequer são produzidos numa safra mais fraca (bom momento para comprar seu segundo vinho) e, por outro lado, o que faz um Tignanello 04 custar R$480 em quanto um 05 custa quase R$100 a menos ou um Chateau Rayas Chateaneuf-du-Pape Pignan 05 custar USD250 e seu irmão mais velho de 02 custar USD175 ou, ainda, um Quarts de Chaume de Baumard 06 custar USD159 e o seu, ótimo por sinal, 00 custar USD90? Por mais que neguem, sim as safras são importantes, inclusive no seu bolso. Por outro lado, se os grandes vinhos se fazem no vinhedo, como desprezar o valor das safras que nada mais é do que a soma de diversos eventos climáticos ao longo do ano e, em especial, da vindima? Um pouco mais para alguns produtores e rótulos do que para outros, mas apesar de tanta tecnologia a natureza ainda dita suas regras! Eis aqui a Sua Tabela de Safras:

safras-copia-versao-09b

        

       Para imprimir, sugiro salvar a imagem e depois imprimir adequando tamanho. Não sei porquê, mas não estou conseguindo colocar a imagem no WordPress já no tamanho correto para impressão, sorry! Salute e kanimambo.

  

De Olho na Toscana

olho-vivoHá poucos dias tive oportunidade de tomar dois vinhos da região da Toscana/Chianti e me surpreendi. Não que não esperasse algo de qualidade, muito pelo contrário, porém nem tanto e, em especial, me surpreendi pela maciez desses vinhos em sua tenra idade, pois ambos eram de 2006. Para um ainda não existe importador, um Chianti Colli Fiorentini DOCG muito agradável, sedoso e fácil de tomar e o outro um Chianti Clássico de primeiríssimo nível que me encantou por sua textura e complexidade. Ambos vinhos firmes que certamente terão uma longa vida de guarda, o Classico um pouco mais, porém já prontos a beber com um equilíbrio e harmonia impressionantes. Deste ultimo, o Clássico, sobre qual falarei mais tarde junto com algumas boas novas que trarei ao longo do mês, me despertou ainda mais a curiosidade e me deixou intrigado pois esperava algo diferente em função de sua juventude, talvez um vinho mais fechado com taninos adstringentes o que não foi o caso. Aliás, esta me parece uma característica dos grandes vinhos em grandes safras, o fato de que, mesmo sendo de média para longa guarda, já são profundamente amistosos na boca com apenas dois ou três anos de vida.

Neste fim de semana passado, morgando após cansativos feriados de Natal e Ano Novo, lia uma edição da Wine Spectator e BINGO! Ali estava a explicação, duas incríveis safras seguidas para as quais temos que botar as barbas de molho e ficar de olho, pois os vinhos estão realmente excelentes, como há muito não se via, ou melhor, provava. Pela matéria da Wine Spectator, da qual extraí a tabela de safras abaixo por sub-região, existe uma séria controvérsia entre os produtores quanto a qual a melhor safra se de 2006 ou a de 2007, porém é unânime a constatação de que há muito a região não tinha duas safras seguidas com tanta qualidade exceto, talvez, há uma década nos anos de 97 e 98. Stefano Frascolla da Tua Rita (Expand), acredita que seu Syrah de 2007 talvez venha a ser o melhor vinho que ele jamais produziu, com uma impressionante paleta aromática e enorme riqueza e harmonia.

James Suckling, degustador oficial da Wine Spectator para vinhos italianos, afirma que as quatro notas mais altas dadas por eles em 2008, foram exatamente para vinhos da região, especificamente o Testamata de Bibi Graetz 06 (98), Tua Rita Redigaffi 06 (97), Marchesi de Frescobaldi Giramonte 06 (97) e Antinori Solaia 05 (97). Guardadas as devidas proporções, para nós proletários do vinho interessa saber que a máxima de que; em safras de grande qualidade podemos comprar bons vinhos de segunda linha dos grandes produtores ou primeira linha de produtores médios e nos darmos muitíssimo bem por preços mais acessíveis, tem que ser perseguida nestas safras de 06 e 07. Grandes vinhos dos grandes produtores, todavia, ficarão por preços além do imaginável, acessível só a bolsos extremamente bem recheados ou a cartões corporativos de plantão. Eu vou, certamente, me deliciar com chiantis de qualidade pelos próximos dois a três anos, disso podem ter certeza, e o resultado do garimpo publicarei aqui!

 

Ano

Bolgheri e Maremma

Brunello

Chianti e Chianti Classico

2007

 

 

88-92

2006

92-96

92-97

93

2005

91

88-92

88

2004

92

92-97

89

2003

88

88

91

2002

85

78

79

2001

96

98

92

2000

89

88

88

1999

93

97

94

1998

98

91

89

1997

97

99

97

 

Salute e bom garimpo nos chiantis. Espero ainda este mês fazer uma matéria com um novo importador que traz alguns néctares por preços bem razoáveis. O Clássico que tomei é deles e me deixou caidinho! Só um toque, a sub-região de Bolgheri é mais afortunada ainda com 4 anos seguidos de boas safras, bom para garimpar.

Neste Sábado a volta da Coluna do Breno, no Domingo Noticias do Mundo do Vinho e na Segunda volto com mais Melhores de 2008, desta feita na faixa de R$50a 80,00! Bom fim de semana.

A Influência das Safras

                Até que ponto as safras são importantes? Difícil responder, pois depende muito das regiões e dos tipo de vinhos de que estamos falando. Todavia, pesquisei bem este assunto antes de escrever o post e, a conclusão a que cheguei é que, já foi mais importante, genericamente falando, do que hoje em dia. Mas vamos à matéria.

              Os anos das safras citados nos rótulos têm basicamente duas funções. Primeiramente a de indicar o ano da colheita, para análises futuras, e a segunda para determinar idade. Com relação a este tema de idade, já comentei o assunto em meu post sobre o “Quanto mais Velho Melhor”, ledo engano. Com relação ao ano da colheita, o que se busca obter é um indicativo da qualidade dos vinhos, em função da conjuntura climática e como ela impôs sua influência sobre o vinhedo. A tecnologia e novos métodos de manejo do vinhedo permitem que as influências de um mau ano sejam menos sentidas hoje do que à quinze ou vinte anos. Existem, no entanto, algumas regiões em que estas influências ainda são fortemente sentidas devido às características das plantações e, em especial, do tipo da uva cultivada. É o caso da Borgonha, já que a Pinot Noir é uma uva delicada e muito difícil de ser trabalhada e, consequentemente, a qualidade da safra é mais importante. Por outro lado, nem todas as zonas produtoras na mesma região se comportam igual e, uma nota genérica por país, nem sempre contempla as peculiaridades de cada região produtora. O importante é usar as tabelas com bom senso.

              As safras realmente fracas são cada vez mais raras e muito localizadas. De qualquer forma, o uso das safras na compra de seus vinhos deve ser feita de forma criteriosa já que, como nas notas de provas, devem ser interpretadas como meros indicativos de qualidade e não verdades absolutas e generalizadas. Um bom produtor pode produzir ótimos vinhos numa safra ruim, assim como o mau produtor poderá produzir péssimos vinhos numa safra ótima e é importante considerar este viés em sua análise.

               Consideremos o ano de 2002 que teve uma colheita considerada muito fraca em diversas regiões produtoras como  Itália (especialmente Toscana e Veneto) e Portugal (especialmente Bairrada), entre outros. Quer dizer que todos os vinhos produzidos nessas regiões nesse ano são ruins? Não, longe disso, mas que a produção geral gerou vinhos menos equilibrados, mais fracos e instáveis resultando em vinhos com menor potencial de guarda, lá isso é verdade.  Por outro lado, os Vinhos da Espanha em 2004 certamente apresentarão uma qualidade geral, bem superior aos produzidos na safra de 2002, o mesmo ocorrendo com os vinhos do Chile. Safras fracas, ou mais fracas, como a de 2002 foi nessas regiões, ocorrem cada vez mais espaçadamente, mas deve-se tomar cuidado, o indicativo não é bom e deve-se acender uma luz amarela. Se não conhecer o vinho e houver outras opções, jogue no seguro. Alguns bons produtores, todavia, por razões das mais diversas, logram colocar no mercado alguns muito bem elaborados e excelentes vinhos. Desta forma, não adianta ser xiita neste processo, há que se ter bom senso no uso da tabela de safras. Eis algumas dicas sobre este tema:

  • Em Safras mais fracas procure vinhos de bons produtores que, certamente, terão melhores condições de elaborar produtos melhores. Por outro lado, será uma boa oportunidade para tomar um ótimo vinho por preços melhores.
  • Em Safras boas, busque vinhos de produtores medianos já que a matéria prima certamente gerará muito bons produtos e o preço ficará bem abaixo dos grandes produtores que produzirão grandes vinhos com preços nas alturas.
  • Vinhos baratos, descompromissados, corriqueiros para o dia-a-dia, sofrem menos com as variações das safras que têm maior influência sobre vinhos mais evoluídos, de média e longa guarda. Não se preocupe muito com as safras quando comprar estes vinhos que foram elaborados para serem tomados jovens.

              De qualquer forma, a avaliação da safra, que pode sofrer variações ao longo do tempo, nos sugere que, ao encontrar na loja um mesmo vinho de safras diferentes, procuremos comprar a de safra melhor desde que a diferença de preço não o inviabilize.  Isto vale para todas as gamas de vinho, pois, as chances de que você estará comprando um produto de melhor qualidade, aumentam consideravelmente. Agora se estiver frente a frente com um vinho caro, mas desconhecido para você, de uma safra realmente fraca, a minha sugestão é de se certificar das qualidades do vinho antes da compra já que você pode estar entrando numa roubada, experiência pessoal! Para ajudar nesse processo de escolha,  clique com lado direto do mouse sobre a tabela abaixo, gentilmente cedida pela Mistral, e selecione “imprimir imagem”. Imprima, recorte e guarde na carteira, será sempre uma boa fonte de informação para dirimir eventuais dúvidas na hora da compra. Caso prefira, eis mais dois links para outras tabelas. A do Robert Parker  e a da Wine Magazine. Salute, que Bacco ilumine suas escolhas.

tabela-de-safra-07_08.jpg