Las Moras 3 Valleys Shiraz

Syrahs – Uma Viagem Fora de Seus Habitats Mais Conhecidos, França e Austrália

Syrah Grape Fred Miranda         Mais uma viagem de descobertas de novos sabores, algo inerente a qualquer confraria que se preze, onde a experimentação tem que conviver com os eventuais encontros com grandes vinhos e, obviamente, a confraternização entre amigos. A meu ver, esse Las Moras 3 Valleys é hoje um dos grandes Syrahs até R$200 disponível no mercado e páreo para muito nomes graduados e bem mais caros, vinhaço! Provamos, todavia, uma série de outros vinhos bem interessantes mostrando uma diversidade entre eles muito interessante. Uma dica, fiquem de olho nos Syrahs Sul Africanos e Chilenos, muita coisa boa vindo dessas regiões. Em nossos encontros, no entanto, quem conta nossas experiências é a Raquel, então vejamos o que ela achou dos vinhos de mais esse encontro da confraria Saca Rolha.   

         “ Syrah ou Shiraz? Eis a questão. Tudo depende da procedência dessa uva que sempre viveu à sombra das espécies mais famosas, como a Cabernet Sauvignon em Bordeaux ou a Pinot Noir na Bourgogne.

         Sua origem tem várias versões e uma delas é que vem da antiga Pérsia, de uma cidade chamada Shiraz. A outra versão, é que foi trazida do oriente, e pelo caminho passou pelo sul da Itália, na cidade de Siracusa, na Sicília. De lá rumou para o vale do Rhône, onde se estabeleceu como a casta principal, com o nome de Syrah. Por ser uma uva resistente, com boa produtividade, não teve muitas dificuldades em se espalhar por outros territórios, onde foi se adaptando e cativando corações por sua personalidade peculiar. Produz vinhos densos, escuros, cheios de frutos negros, maduros, e ricos em especiarias que nos fazem imediatamente lembrar a sua possível procedência oriental.

         Fora da França, destacou-se mais tarde na Austrália. Com características diferentes e apesar de ser considerado “o novo mundo”, produz a Shiraz, como lá é chamada, desde o século XIX. E por volta dos anos 80, quando o vinho australiano se projetou no mundo, a Shiraz tornou-se sua uva ícone, devido à qualidade e volume de produção de seus vinhos.

         E foi justamente pensando nessa vocação, meio nômade, cigana, de se espalhar pelo mundo, se adaptando, interagindo sem impor rígidas exigências, mas ao mesmo tempo, deixando sua marca bem evidente por onde for criando raízes, que focamos nosso encontro do mês: os diferentes países (fora os óbvios), onde o plantio da Syrah/Shiraz tenha se desenvolvido e os vinhos recebido algum destaque. Foram escolhidos 5 vinhos:

          1. Falesco – Tellus Syrah 2011

              Esse vinho italiano, da região do Lazio (que tradicionalmente não é conhecida como uma região vinícola) já nos chamou a atenção pelo formato da garrafa, mais achatada que o usual, lembrando as antigas garrafas romanas. Na taça mostrava-se bem escuro e denso. Aromas de frutas maduras (cerejas, ameixas). Boa acidez, bom corpo, taninos presentes e bem incorporados. Sobressaíram ameixa preta seca, picância de pimenta e madeira. No final ficou bem caramelado.

          2. Maset del Lleo – Syrah Reserva 2006

             Catalunya, Espanha. Aromático, com especiarias, canela, baunilha, frutas e madeira. Muito aveludado na boca. Taninos finíssimos, com bom extrato de frutas negras maduras. Evolui bastante na taça, trazendo aromas defumados e florais (violeta). Os sabores também vão se amalgamando aparecendo café e chocolate. Final longo com persistência de ameixa preta seca.

         3. Montes Alpha Syrah 2007

              Valle de Colchagua, Chile. De início, causou alguma estranheza, com um certo aroma químico que sobressaía. Depois foram aparecendo alguns herbáceos (eucalipto, mentol, alecrim) e um fundo de côco. Na boca, bem pungente, com o álcool em evidencia. Boa acidez, bom corpo, taninos elegantes. Com tempo, evoluiu bem na taça. Apareceram o café, chocolate, defumados e frutas maduras. Fez lembrar um bom assado. Talvez o mais gastronômico de todos!

         4. Quinta dos Termos – Reserva do Patrão 2009

              Beiras Interior, Portugal. Bem escuro na taça. Frutado e denso (ameixa preta, jabuticaba, amora, cereja). A boa acidez traz um frescor e leveza contrastando com o peso do corpo e a potencia dos taninos. É um vinho que fala alto, mas fala bem! Mostra toda a tipicidade da Syrah, com suas especiarias perfumadas e picantes. Com tempo na taça evoluiu muito. Os taninos ficaram mais dóceis, e os aromas e sabores mais equilibrados. Um vinho que ganharia muito se fosse decantado por algum tempo.

         5. Las Moras – 3 Valleys – Gran Shiraz 2009

              San Juan, Argentina. Esse vinho já ganhou pontos (pelo menos nas nossas expectativas) quando foi servido em taças Riedel. Quando levei a taça ao nariz……..bem…..eu sei que a taça ajuda, mas não melhora nenhum vinho! Foi uma explosão de aromas que desencorajava qualquer impulso de dar o primeiro gole e perder aquele “playground” olfativo! Mas a curiosidade de conhecê-lo por completo, não me deixou demorar muito para apreciar também os seu sabores. Todo exotismo e nuances muito típicos dos vinhos feitos com as uvas Shiraz/Syrah estavam ali. Tudo muito equilibrado, sem cair na mesmice e mostrando claramente aquele “terroir” dos 3 vales (Tulum, Zonda, Pedernal) a oeste da Argentina. Muito expressivo e bem feito!

Syrahs no Saca Rolha

          A uva Shiraz/Syrah está, juntamente com a Cabernet Sauvignon, Merlot e Pinot Noir, entre as tintas chamadas de internacionais, ou seja, as cepas que se espalharam por vários locais do planeta por onde foram levadas e conseguiram se desenvolver bem. Além do Vale do Rhône na França e na Austrália, onde a produção dos vinhos com esta casta é muito significativa, existem fortes expressões na Itália, Espanha, Portugal, África do Sul, EUA, Argentina e Chile. Produz vinhos sedutores, e muito gastronômicos. Combina muito bem com aqueles pratos de carnes de sabores marcantes, com molhos adocicados feitos com frutas exóticas e picantes. nfim, eu diria que seus vinhos não tem nada de básico. Portanto escolha-o quando quiser sair do lugar comum. “

         Salute, kanimambo e uma ótima semana para todos.

Decanter Wine Show – Sempre Digno do Nome

Mais um show de qualidade, diversidade e cordialidade de um importador que prezo muito. Desta feita o evento se dedicou aos vinhos do Novo Mundo e aproveitei para rever e conhecer alguns rótulos sul-americanos mais que de outras regiões.

Muita coisa boa, porém alguns vinhos me chamaram mais a atenção, certamente alguns encontrarão seu espaço nas lojas em que dou consultoria inclusive a Vino & Sapore (rs),  e gostaria de os compartilhar com os amigos.

Vina Alicia Tiara (Argentina) – este delicioso  branco composto de Riesling, Alvarinho e Savignin num assemblage diferenciado e de muita qualidade que encanta e surpreende até os menos chegados aos vinhos brancos. Bom corpo, complexo, é vinho de grande personalidade.

De Martino (Chile) três vinhos me surpreenderam e uma noticia pra lá de marcante considerando-se a fobia novo mundista por barricas novas. A De Martino não mais usa barricas novas e parte desta mudança já se sente em seus vinhos a começar pelo Quebrada Seca Chardonnay. Já tinha provado este vinho há algum tempo e nunca tinha entendido o que tantos críticos viam nele, pois sempre o achei excessivamente amadeirado encobrindo a fruta.  Desta feita o vinho passou por botis de 5000 litros e o que vemos é um vinho muito mais harmonioso, madeira sutil e a fruta como protagonista com um leve apimentado muito interessante. Belo vinho este!

Decanter Wine show Clipboard

Ainda na De Martino, um delicioso rosé de Cinsault da região de Itata, é o Gallardia del Itata. Provamos o 2012 que estava delicioso, mas o frescor e os aromas do 2013 são de tirar o chapéu. Já o Las Cruces Old Bush Vines um field blend em que várias cepas (malbec, carmenére, Cab. Sauvignon, etc.) coexistem, é muito marcante. Quando o Malbec está pronto eles colhem a parcela inteira e vinificam conjuntamente. Estruturado, elegante e com ótima persistência, é um vinho a ser tomado com calma para apreciar todo o seu potencial e certamente o farei.

O Las Moras 3 Valleys Shiraz (Argentina/San Juan)com 15 a 18 meses de barrica tostado médio e mesclado entre americano e francês, mostra porquê os Syrahs de San Juan são tão prestigiosos. Tremendo vinho, elaborado com uvas de três vinhedos de altitudes diferentes; 650, 950 e 1380 metros. Conteúdo alcoólico puxado, 15%, porém muito bem integrado e pouco perceptível na taça, fruta e especiaris típicas da casta, firme e complexo com taninos finos e aveludados. Um dos melhores!

Luigi Bosca – por incrível que pareça sempre deixei para provar o portfolio deste produtor por último e no final passava batido. Finalmente dei uma bela passagem por toda a linha deles e me encantei com o Ícono, um baita vinho que se deu muito bem na degustação Campeonato do Mundo de Vinhos e entendi porquê.  Vinhaço e o preço idem, na casa das 500 pratas, o que faz dele um objeto de desejo. Vinhas velhas cultivadas em pé-franco, corte praticamente igual de Malbec e Cabernet Sauvignon, um vinho longa guarda que deverá ainda evoluir muito nos próximos seis a sete anos. Preço acompanha, então não é para a bolso da maioria de nós mortais, mas……

          Agora você me pergunta, só isso? Não, tinha muito mais, porém tive que sair para atender uma emergência e do muito que provei esses foram os destaques, mas me falaram muito bem dos rótulos americanos e ótimos Shiraz australianos. Enfim, coisa boa não falta nesse que é um dos melhores portfolios do Brasil. Por hoje é só, durante a semana mais noticias e troca de experiências. Salute e kanimambo.