Harmonização, Um Ato Pessoal!

Harmonizar é uma arte pessoal que requer mais que tudo, prática, porém o “x ” da questão é buscar a harmonia que Quinta de Baldias 008contente ao maior número de pessoas, o que nem sempre é viável. Há, no entanto, alguns princípios básicos a serem seguidos que podem ajudar a diminuir erros nessa busca pelo Nirvana.

Eu adoro essa busca e experimento muito, nem sempre acertando, sempre partindo de alguns desses preceitos básicos, porém sempre tendo em mente; as pessoas envolvidas, o momento, o local, o prato e o vinho. Quando o Nirvana é alcançado, é porque conseguimos Riesling e eisbeinharmonizar à perfeição todas essas varáveis mostrando que nossa vinosfera não é nada binária, graças a Deus, pois o resultado final  é bem superior à soma dos fatores. Eis algumas dicas básicas, mas nada bate experimentar!

Por Similaridade – pratos doces são combinados com vinhos doces; carnes vermelhas de sabor intenso com tintos intensos; pratos ricos em aromas de especiarias com vinhos aromáticos; peixes grelhados de sabores delicados com brancos leves.. Exemplos – doce com doce (porto tawny com pudim de amêndoas), salgado com salgado (Jerez Manzanilla com presunto cru) .

Por Contraste – Doce com salgado, experimente um espumante Mosctael com queijo azul, Porto com queijo Stilton inglês e Sautern com Foie gras são clássicos

Por Peso – Pratos densos, ricos e encorpados, requerem vinhos do mesmo estilo.

Por Origem – Vinhos e pratos regionais tendem a se harmonizar favoravelmente como Riesling e Eisbein!

Pratos condimentados precisam de vinhos refrescantes – Brancos frescos com comida asiática.

Pratos untuosos pedem vinhos de boas acidez ou taninos – Ex. Tannat ou Vinho Verde com feijoada, Tannat com carnes gordas, etc..

Clipboard Harmonização 1

Harmonizar seja lá que for; pessoas, comida, vinho, cerveja, tapas, etc., é um exercício complexo que envolve uma série de sentidos e é muito pessoal já que cada um de nós tem seus próprios gostos, cultura e idiossincrasias. Por outro lado, mais do que nunca, é vero que em nossa vinosfera não existem verdades absolutas e a experimentação pessoal é necessária para que possamos encontrar nossos caminhos, mas se não der certo não se desespere e aproveite o momento! Como já disse Jean-Luc Thunevin, respeitado e conceituado produtor francês, “Na França bebemos vinhos com comida. Se se harmonizaram bem, fica ótimo. Se não se casarem bem, não tem nenhum problema, pois o vinho é antes de mais nada um alimento! O foco de harmonização é mais forte no Brasil do que na França!”.

Não sou xiita, mas quando a soma dos dois ultrapassa o mero resultado matemático, a experiência boa se torna marcante e inesquecível! Essa busca me intriga e o resultado me encanta, mas quando não dá certo, me divirto da mesma forma!! rs Kanimambo pela visita, saúde!