Temperatura do Vinho – Frescura ou Necessidade?

Há tempos que não escrevo sobre temas do ABC do vinho e hoje decidi rever o tema da temperatura ao reler uma revista antiga que tinha aqui em casa, datada de Janeiro 2006!! É a Vinalda, que nem sei se ainda existe, revista editada pelo grupo Dão Sul. Aliás, em seu editorial, Casimiro de Almeida Gomes o Presidente do Conselho de Administração, diz algo que  seis anos depois  segue fazendo muito sentido, talvez mais hoje do que naquele tempo:  “ Estar na vinicultura é uma forma de vida e é, claramente, um projeto de longo prazo que nunca fica concluído. Todos nós nos debatemos com a questão “que futuro?” após uma fase de crescimento desenfreado. As dificuldades vão certamente aumentar e as margens diminuir. Penso mesmo que esta década será de grande retração e provocará inevitavelmente falências e abandono de vinhas por todo o mundo. Há que se ter a capacidade de produzir melhor, em termos médios, e a melhores preços”. Dá no que pensar, né?

Bem, mas falava, ou pelo menos mencionei isso (rs), da temperatura do vinho, um tema que a meu ver e junto com o quesito taças, pode conquistar ou afastar potenciais enófilos deste complexo e misterioso mundo de Baco. “Não só no palato, como nos aromas, a temperatura adequada enaltece as qualidades do vinho sendo tomado.  O frio aumenta a percepção da sensação amarga, da acidez, dos perfumados e da vivacidade do sabor, já as temperaturas mais elevadas acentuam a intensidade dos aromas, o impacto doce e do álcool reduzindo a delicadeza e elegância dos aromas.Cada vinho, como composto químico que é, tem reações diferentes, logo, temperaturas de consumo dispares. È possível, no entanto, se criar uma tabela que pode, na maioria dos casos, se mostrar muito próxima do ideal para consumo”

Os brancos, se demasiado frios, não mostram toda a sua riqueza de aromas e qualidades e, se demasiado quentes, perdem o frescor e a vivacidade inerentes ao vinho. Já nos tintos, se demasiado frios ressaltam os taninos e se demasiado quentes potencializam o álcool tornando o vinho, em qualquer uma das hipóteses, desagradável. Existem diversas tabelas de temperaturas publicadas nas mais diversas mídias, porém a que compartilho abaixo me parece uma média ponderada bastante próximo da ideal baseado em experiência própria e na leitura de diversos livros onde o tema é esmiuçado. Eis então minha sugestão das temperaturas mais adequadas a cada tipo de vinho:

•          Espumantes e brancos doces e leves 6 a 8° C.

•          Champagnes de 7 a 10° Centígrados

•          Brancos secos e evoluídos ou um Jerez fino de 10 a 12° Centígrados

•          Rosés, mais leves entre 8 a 10º e, os mais evoluídos, no máximo até uns 12º Centígrados.

•          Tintos leves, de 12 a 15° Centígrados (Pinots, gamays,tempranillos mais jovens)

•          Brancos encorpados e Madeira ou Porto (Tawnies our Ruby básico), de 10 a 14° Centígrados.

•          Tintos médios e Vinhos do Porto Ruby Reserva, de 15 a 17° Centígrados.

•          Tintos encorpados e Vinhos do Porto LBV e Vintage, de 17 a 20° Centígrados.

Não acredita, acha que essa é só mais uma frescura dos metidos a entendedores de vinho, coisa de enochato? Então faça você mesmo esta experiência. Pegue uma garrafa de vinho tinto, melhor se fizer o mesmo paralelamente com um branco, que tenha estado a temperatura ambiente abra-a e coloque um pouco numa taça. Enrolhe novamente e coloque a garrafa por meia hora na porta da geladeira, retire e prove agora sentindo a diferença. Deixe, o restante por mais uma hora na porta da geladeira e prove-o novamente. Depois deste exercício me diga se é frescura?! Acompanhe este exercicio com um termômetro e aqui, por uma questão de simplicidade e facilidade de manuseio, sugiro o uso daqueles tipo braçadeira (foto acima) que são usados por fora na garrafa.

Coolers térmicos para vinhoO vinho perde temperatura rapidamente dependendo do meio ambiente em que é aberto, então sempre melhor trazê-lo à mesa algo mais frio, uns dois a três graus, porque esquentar é fácil, já o inverso é algo mais complicado. De qualquer forma, o uso de baldes com gelo e água com sal grosso podem ser uma forma de esfriar, porém eu gosto mesmo é de usar luvas como a da foto, existem diversos produtos similares com gel no interior que se deixa no freezer, porém há que se ficar de olho para não gelar demais.

Por hoje é só, mas amanhã tem mais pois consegui, finalmente, começar a botar minha escrita em dia. Salute, kanimambo e uma ótima semana com vinhos á temperatura certa!