Champagne ou Espumante?

 

       Os dois, mas a escolha depende muito da ocasião e da disponibilidade financeira. Primeiramente, no entanto, tenho que registrar a famosa frase de que; todo o Champagne é espumante, mas nem todo o espumante é Champagne! Sim, porque ainda se confunde muito os termos, então deixemos claro que Champagne são todos os espumantes exclusivamente produzidos nessa região demarcada na França sendo o resto; Cavas, Cremants, Sekts, Proseccos, Sparkling, etc., simplesmente conhecidos como espumantes. Se ainda restarem duvidas sobre o quê é o quê, clique aqui para  informações mais detalhadas.

      Pois bem, ainda não escolheu com que espumante vai comemorar este final de ano? Eu, se tivesse que fazer uma escolha hoje, certamente iria de Brédif Vouvray Brut (Vinci), um espumante francês do Loire que me surpreendeu nessa maratona de espumantes realizada nos últimos 45 dias. Qualidade de Champagne, tanto que bateu diversos numa degustação às cegas, com preço de espumante (abaixo de R$90) o que o tornou um dos meus favoritos tendo obtido uma relação Qualidade x Preço x Prazer díficil de bater e um de meus grandes achados em 2009. Entre todos os outros, se grana não fosse levada em consideração, mais dois estupendos néctares; o Champagne Zoémie de Sousa Marveille Brut (Decanter) e o Cremant de Bourgogne Cuvée Jeaune Thomas Brut de Louis Picamelot (D’Olivino). Algumas outras agradáveis surpresas, com preços bem acessíveis, que me entusiasmaram foram; Ponto Nero Extra Brut (Domno do Brasil), El Portillo Brut (Zahil) e o Barton & Guestier Chardonnay Brut (Interfood) espumantes que, a meu ver, entregam mais prazer pelo valor cobrado, isso em falar do Santa Julia Brut (Ravin), nosso grande campeão no quesito Custo xBeneficio. Todos esses e mais algumas ótimas opções, você poderá ver aqui mesmo no blog nos diversos posts já publicados sobre o Grande Desafios de Espumantes promovido em Novembro (foram um total de 66 rótulos provados entre os vários estilos). Tem Champagnes, espumantes Moscatel, Rosés, brasileirosdiversas outras regiões produtoras, e até uma lista de espumantes bons e baratos que recomendo.

        Se, no entanto, ainda estiver com duvidas, afora meu comentário de ontem sobre o Villaggio Grando Brut, uma saborosa novidade no mercado, eis mais quatro rótulos para você escolher, espumantes estes que se classificaram abaixo dos top 20 (já comentados), porém todos de muita qualidade que me agradaram e tiveram os seguintes comentários da banca degustadora. Quatro rótulos, quatro países, quatro blends diferenciados, porém a mesma satisfação, prazer e frescor.

Trapiche Extra Brut (Interfood) – uma das boas relações Custo x Beneficio do Desafio de espumantes e mais uma surpresa argentina no mercado, um verdadeiro achado. Desta feita um corte diferenciado elaborado com 70% Chardonnay, 20% Semillon e 10% de Malbec pelo processo Charmat longo em que permanece em contato com as leveduras por até 4 meses. Nariz intenso, muito perfumado, fresco, aromas de frutas cítricas com leves nuances de fermento muito sutis. Muito boa perlage, abundante e persistente, adorável acidez, equilíbrado, aguçando o palato e deixando a boca limpa e pronta para o que der e vier. Um ótimo espumante para abrir uma reunião ou acompanhar frutos do mar e ainda por cima tem um preço bem camarada, em torno de R$35,00. Com um formato de garrafa diferenciado, é um produto que deixa sua marca tanto no visual como onde mais interessa, no palato.

Freixenet Cordon Negro (Preebor) – este cava produzido na região de Penedés pelo método tradicional com as uvas autóctones da região Macabeo, Xarel-lo e Parellada, possui um nariz suave com sutis notas de padaria e algo citrico, cor palha brilhante com bolhinhas finas e persistentes. Na boca mostra-se bastante elegante e fino com a perlage “agulhando” a boca com muita delicadeza, ótima acidez, e um final bastante fresco e mineral. Preço ao redor dos R$49,00.

Bridgewater Mill Sparkling (Wine Society) – elaborado pelo método tradicional, é um corte clássico de Pinot Noir com Chardonnay e único representante australiano neste Grande Desafio de Espumantes. Nariz algo tímido onde aparecem aromas que nos recordam maracujá doce. Na taça uma perlage de muito boa qualidade formando um colar de espuma atraente que convida à boca onde se mostra mais cítrico com um toque mineral bastante interessante, cremoso e um final algo mais doce e fácil de agradar. Preço ao redor de R$78,00.

Moinet Prosecco Millesimato Brut 2007 (Winery) – diferente de seus pares mais comuns no mercado que são extra-dry, este é Brut e surpreende. Blend da uva Prosecco com um tempero de 10% de Chardonnay que lhe agrega complexidade, sem que lhe tire a classificação DOC. No nariz é uma explosão de aromas florais e tropicais em que se destaca o abacaxi. Na taça é espumoso, boa perlage, fina mas algo curta, boca gostosa, bom corpo, algo de frutas brancas como pêra e melão apresentando um final com algum açúcar residual.  Um dos bons espumantes Proseccos de categoria superior disponíveis  no mercado. Preço ao redor de R$65,00.

           Agora, está de bolso recheado e querendo comemorar para valer? Então sugiro visitar o blog dos meus amigos da Confraria 2 Panas que botaram para quebrar com alguns dos melhores Champagnes e o Evandro ainda cumpriu uma maratona de quase 100 rótulos! Clique aqui e aqui.  Se quiser acessar o importador para saber onde mais próximo de você estes espumantes estão disponíveis,  clique em “Onde Comprar” .

Salute e kanimambo