Vinhos de Espanha – Edição de Novembro/07

 

             Adoro os vinhos Ibéricos já que possuem uma personalidade muito especial. Gosto de vinhos com caráter, que podem até ser potentes , mas onde impera a elegância e se sai da mesmice. Os vinhos de Portugal e Espanha, em função do grande uso de uvas autóctones, são assim. Eis alguns tintos Espanhóis prazerosos e de qualidade, que podemos tomar sem grandes sustos e sem onerar em demasiado o nosso orçamento. 

Até R$40

espanha-ate-40-custom.jpg

Na dúvida, sempre opto pelo Don Román Crianza (Flora) 2004 ou 2005 da região da Rioja, vinho de boa qualidade com preço em torno R$30,00. Um vinho correto, bem estruturado, frutado, leve, mas bem elaborado com 100% de uvas Tempranillo. Fácil de agradar é um vinho muito interessante e curinga numa reunião de amigos. No mesmo nível de preço, o Clos de Torribas Crianza (Pinord), da região de Penedès, é um vinho muito agradável e bem feito, com um preço campeão, e que acompanha bem uma carne grelhada. Outros vinhos que agradam e apresentam um ótimo custo X beneficio são o Osborne Solaz (syrah/tempranillo) e o Salamandra da região de Castilla. De Rioja, afora o Don Román, o Marques de Tomares Excellence (Flora) 2005, é um vinho de médio corpo para encorpado, frutado com taninos firmes e finos, que se beneficiará muito com uns seis meses a um ano de guarda ou se aberto uma meia hora antes de servir e o Riscal (Interfood) um 100% tempranillo. De Jumilla, o Panarroz (G.Cru), um verdadeiro achado e, de Penedès, a versão Reserva do Clos de Torribas, que está num patamar de qualidade superior e mais complexo que o Crianza, uma ótima opção nesta faixa de preço. Da região de La Mancha, o Artero Crianza (Decanter) um agradável corte de tempranillo com merlot. Da região de Castilla Y Leon um surpreendente Alaia (Península) que apresenta bastante complexidade de sabores e aromas para um vinho nesta faixa de preço e uma experiência única já que é elaborado com uma uva autóctone pouco conhecida por aqui, a Prieto Picudo. 

 De R$40 a 80,00

spain1-custom.jpg

 Aqui já se encontram vinhos muito bons. Um que me encanta e que vem da região de Yecla é o Hecula, um vinho encorpado, potente, mas com elegância, que enche a boca de prazer e complexidade de sabores e aromas. Do mesmo produtor, o Bodega Castano Pozuelo (ambos Peninsula). Da região de Navarra, o Javier Asencio (Península) tinto, um vinho muito agradável, de médio corpo e o Crianza, mais complexo e elaborado, o Gran Feudo Reserva (Mistral), o Guelbenzu Azul (Expand) ou o saboroso Artazuri (Vinci) um vinho de grande qualidade e equilíbrio. Da região de Bierzo, o Petalos de Bierzo (Mistral). Da Rioja um delicioso Vina Real Crianza, que deixa um gostinho de quero mais na boca, o Cune Crianza (ambos Vinci), o Marques de Tomares Crianza (Flora), o Sierra Cantabria Cosecha (Península) e o Luiz Canas Crianza (Decanter), um belo vinho com muita fruta, elegante e saboroso. Da região de Jumilla, o Altos de la Hoya (G.Cru). Da Ribera Del Duero, o Fuentespina Crianza (Expand), o Protos Roble (Península), e o Cepa Gavilán (Mistral), um baita vinho. Para finalizar, de Penedès, o Sumarroca Tempranillo (World Wine) e, de La Mancha, o Finca Antigua Crianza (Mistral) e o Códice (Península), vinho muito equilibrado, suculento com um preço idem. É um verdadeiro mosaico de tendências e sabores que fazem com que valha a pena viajar por estes vinhos bem trabalhados e muito saborosos.  

De R$ 80 a 120

espanha-80-a-120-custom.jpg 

Não tenho provado muitos vinhos da Espanha nesta faixa de preços e, como só recomendo o que já tomei e gostei, a lista é pequena. Entre estes, gostei muitíssimo do Marqués de Cáceres Gran Reserva (Vinoteca Brasil) e do Marques de Riscal Reserva (Interfood), ambos de Rioja. São vinhos de corpo médio para encorpado, boa persistência, bem estruturados e complexos nos aromas, com a tipicidade, personalidade e elegância dos clássicos da região. Também de Rioja, o Artadi Vina de Gain Crianza (Mistral) e, da região de Castilla, o Rivola (Península). De Ribera Del Duero, o Condado de Haza (Mistral) e o Vina Sastre Crianza (Peninsula). De Navarra o Guelbenzu Evo (Expand), um vinho sedutor e bem estruturado, com taninos firmes, mas aveludados. Finalizando, da região do Priorat, o Les Terrasses (Mistral). Todos vinhos de ótima qualidade e muita personalidade.  

Acima de R$120,00Para quem está com o bolso mais recheado e está disposto a mergulhar de cabeça num mundo de grande qualidade, existem preciosidades que merecem ser exploradas. Acima desta faixa de preços, e a perder de vista, existe uma enormidade de ótimos rótulos disponíveis no mercado, alguns considerados clássicos. Entre elas não posso deixar de citar um dos melhores vinhos que já tomei: o Abadia Cuvée El Campanário 99, uma verdadeira obra de arte e bastante acessível na Espanha. Delicado nos aromas de frutas vermelhas maduras que crescem na boca numa complexidade de sabores tremenda. De boa estrutura, taninos finos que lhe dão um toque aveludado. Um vinho elegante, de grande persistência, daqueles que você, de joelhos, pede para que ocorra um milagre e a garrafa não termine nunca.Quem achar compre, mesmo que o preço seja salgado, porque o vinho foi tirado de produção e é, em minha humilde opinião, uma experiência única. Dizem que este vinho foi “substituido” pelo El Palomar, mas não o provei ainda. Todos os outros vinhos que provei deste produtor, Abadia Retuerta de Sardon Del Duero, vinhos da região de Castilla Y Leon, como o Rivola e o Selección Especial, (todos disponíveis na Península) confirmam que tudo o que vem de lá merece respeito. Dizem que a safra 2004 foi exemplar, tenho que comprovar isso!

              Mas, existem muitas outras opções de belos vinhos disponíveis no mercado, a maioria não provei, que são unanimidade dos especialistas mais renomados e na sua maioria, bem caros. 

          espanha-acima-120-a2-custom.jpg

 De Rioja: o premiadíssimo, e não tão caro, Finca Allende 2003; o Sierra Cantabria Finca el Bosque; o Aurus, um ícone da região (todos da Peninsula); o Roda I; o Cirsion, Marques de Murrieta Dalmau ou Ygay, (todos da Expand); o Luis Canas Rioja Gran Reserva (Decanter); o Artadi Pagos Viejos (Mistral) e o Marques de Cáceres Gran Reserva.De

Ribera Del Duero: o onipresente e clássico Veja Sicília Único, talvez o vinho Espanhol de maior prestígio e um dos maiores ícones do mundo dos vinhos. O Alión, Pesquera Gran Reserva (todos da Mistral); o AAlto e o Pesus da Bodega Sastre (ambos da Península); o Legaris Reserva (WineHouse) e os Domínio de Pingus e o Pago de los Capellanes. Do

Priorat : Uma região mais recente onde Álvaro Palácios foi pioneiro e criou o mítico e caro L’ Ermita. Depois vieram outros grandes nomes, com preços idem: Clos Mogador; Mas Doix; Vall LLach; Mas Igneus e Cims de Porrera entre outros, dizem, grandes vinhos.

Outros : De Bierzo, o Curullón (Mistral); de Castilla Y Leon, o Abadia Retuerta Selección Especial;  de Toro, os Numanthia e Thermantia (todos da Península), elaborados com uvas Tintas Del Toro (tempranillo), advindas de vinhedos de 70 a 140 anos de idade.